Monumentos de São Paulo

Direção: José Antônio Barros Freire
Depoimento: Frei Anacleto Luiz Gapski e arquiteto Cláudio Forte Maiolino.
O recente restauro da Igreja São Francisco, afirma o Prof. Percival Tirapeli - UNESP/SP - vai devolver à cidade de São Paulo sua mais antiga fachada de edifício colonial. As pinturas do forro da nave foram restauradas e as da capela mor constituíram uma feliz descoberta. O altar principal, feito na Alemanha, é o único no Brasil com todos os requintes do rococó europeu. Os altares da nave são barrocos e os detalhes, rococós. Inaugurada em 1647, constitui o único edifício seiscentista da cidade de São Paulo que mantém o aspecto mais próximo do original. Um impressionante conjunto arquitetônico, que foi acrescido pela igreja da Ordem Terceira no final do século dezoito. no entanto perdendo o convento, por volta de 1930, para uma construção neocolonial. A fachada da igreja ostenta três arcos na entrada, tal como o convento da Luz, construído pelo santo franciscano e arquiteto, Frei Galvão, ex-guardião na Igreja que reformou a Igreja Terceira que fica ao lado.
Em 1827 os Franciscanos doaram 5 mil livros de sua biblioteca e o prédio do antigo Convento para instalar a Faculdade de Direito, conhecida como a do Largo de São Francisco. As primeiras aulas foram realizadas na sala da sacristia. No dia 6 de Junho de 1997, o Franciscano Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns declarou que o Convento de São Francisco passaria a ser também Santuário de São Francisco. Tombada pelo Condephaat.
Exibido em 2008 pela TV Cultura, TV Alesp e TV Usp
Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo - Proac ICMS

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Bruno Leal em 25 fevereiro 2012 às 10:34

Interessante!

Links Patrocinados

Cine História

Violette

Chega aos cinemas brasileiros o drama franco-belga “Violette”, do diretor estreante Martin  Provst.

Sinopse: No início dos anos XX, a escritora Violette Leduc (Emmanuelle Devos) encontra a filósofa Simone de Beauvoir (Sandrine Kiberlain). Nasce entre as duas uma intensa amizade que dura toda a vida, ao passo que Simone encoraja Violette a escrever mais, expondo as suas dúvidas e medos, abordando todos os detalhes da intimidade feminina.

café história acadêmico

Guerra do Paraguai na literatura didática: Confira, na íntegra, a dissertação de mestrado  “A Guerra do Paraguai na Literatura Didática: um estudo comparativo”, do historiador André Mendes Salles (UFP). Clique aqui e leia.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }