A Ética Pessoal

A ética pessoal esta voltada mais para a ética de virtudes. Para Aristóteles a ética das virtudes, que se resume em, ao cultivarmos as virtudes estaremos em um trabalho crescente de autoconhecimento e melhoria de caráter, buscando a “felicidade” que pode ser interpretada como a busca pelo bem comum.

A maior das virtudes segundo Aristóteles é a justiça. “A justiça” é a virtude completa no mais próprio e pleno sentido do termo, porque é o exercício atual da virtude completa. Ela é completa porque a pessoa que a possui pode exercer sua virtude não só em relação a si mesmo como também em relação ao próximo, uma vez que muitos homens exercem sua virtude nos assuntos privados.

Porém como somos uma sociedade ocidental e em sua grande maioria Cristã, busquei nos ensinamentos de Jesus Cristo e de seu Apóstolo Paulo a ética cristã e suas virtudes, encontradas principalmente no Evangelho de Mateus Capítulos 5, 6 e 7, no famoso Sermão da Montanha onde Cristo define toda ética cristã, e na Carta do Apóstolo Paulo 1º aos Coríntios Capítulo 13 onde trata do amor como a maior das virtudes, sendo as outras parte deste.

Virtudes

É célebre a dissertação do Apóstolo Paulo sobre o amor. Em resumo, diz ele: “Se eu falar a língua dos anjos; se tiver o dom da profecia e penetrar todos os mistérios; se tiver toda a fé possível, a ponto de transportar montanhas, mas não tiver amor, nada sou; ainda que eu distribua toda a minha fortuna para sustento dos pobres, se não tiver amor, nada disso me aproveitará. Entre estas três virtudes: a fé, a esperança e o amor, a mais excelente é o amor.”

Sem vacilar, põe o amor acima da própria fé. E o faz porque, na verdade, o amor está ao alcance de qualquer pessoa: do sábio, do ignorante, do pobre, do rico, e porque independe de toda crença particular. Faz mais ainda: distingue-a da simples esmola. Embora inclua a beneficência, o auxílio material ao próximo, o verdadeiro amor resume todas as qualidades do coração, na bondade e benevolência para com o próximo.

A benevolência define-se como o “desejo de fazer bem aos outros”. A bondade leva-nos à realização desse bem. Já ouvimos falar da “lei de ação e reação” ou “lei de causa e efeito”. Ninguém é benévolo, ninguém é bondoso sem que isso resulte em extraordinários benefícios para si mesmo. Dando, recebemos, e mais ainda do que demos. No sentido moral, é claro. Quando damos do tesouro do nosso coração.

Virtude não menos excelente, que decorre do amor, é a tolerância, que não se traduz por necessidade de mudar de opinião, mas por “reconhecimento do direito que têm os outros de terem opiniões próprias”. Mesmo em política, é qualidade essencial para uma perfeita democracia. Todos conhecem as célebres palavras de Voltaire: “Não concordo com uma só palavra do que dizeis; mas defenderei até a morte o vosso direito de dize-lo”.

Por que decorre a tolerância do amor ? Porque quem ama respeita e valoriza o próximo, aceita-o como ele é. Faz mais: nele distingue as boas qualidades. “Nunca encontrei uma pessoa de quem eu não gostasse”, afirmou um autor norte-americano. Isso não quer dizer que ele sempre gostou de tudo em todos, mas que buscou, invariavelmente, a parte boa das pessoas.

Em todos nós alternam-se boas e más qualidades. Basta-nos um olhar mais ou menos interessado sobre a população da Terra para constatar este fato muito simples: aqui não é a morada da perfeição. Por isso afirmou o Prof. Pedro de Camargo que o homem é “obra inacabada”. Não é perfeito, mas perfectível.

Se do amor decorre a tolerância, desta decorre o perdão. Quem ama perdoa, perdoa sempre. Contam os escritores bíblicos que um dia o Apóstolo Pedro perguntou ao Mestre: “Senhor, quando o meu próximo pecar contra mim, quantas vezes deverei perdoa-lo? Sete vezes?” E o mestre respondendo, disse: “Sete vezes, não; setenta vezes sete”. O que significa: sempre, invariavelmente.

O perdão é o esquecimento das ofensas. Há, contudo, criaturas de tal sorte amorosas que nunca precisam perdoar, simplesmente porque nunca se ofendem. É provável não sejamos ainda assim perfeitos, donde a necessidade da observação constante de nós próprios. Por que somos tão suscetíveis, por que nos ofendemos com tanta facilidade?

A suscetibilidade é a manifestação aguda do amor-próprio. Somos psicologicamente condicionados, nossos conceitos de honra e respeitabilidade quase sempre se opõem ao perdão. “Educaram-nos” para sermos honrados e respeitáveis. Quem não se lembra de um pai inadvertido dizendo: “Seja homem! Homem não leva desaforo pra casa!” A “honra” da família, do grupo social, da pátria, tudo leva à ofensa, à mágoa, à ausência do perdão. Quando não essa honra, os nossos “direitos”.

Ouvimos falar com muita freqüência em direitos e deveres, em responsabilidade. As pessoas muito respeitáveis adoram esses termos. Não diremos que inexistem direitos, deveres, responsabilidades. O senso de justiça é inato no espírito humano, serviu, até, para uma das célebres bem-aventuranças do Sermão da Montanha: “Bem-aventurados os que têm sede de justiça”. Mas em seu nome muitas iniqüidades se têm cometido.

As pessoas verdadeiramente amorosas não são propriamente respeitáveis; serão, isto sim, respeitadoras. Não vivem a clamar por direitos, embora os reconheça sempre no seu próximo. Nada fazem por responsabilidade; fazem muito, mas por amor.

Bem considerado, nada mais é o amor-próprio senão uma das faces do egoísmo. Por isso são duros e irascíveis os que o têm. O homem simplesmente respeitável, que por amor-próprio preza e defende o próprio eu vive em circuito fechado. Por que esquenta o ferro de passar roupa, ou a água do chuveiro? Porque esses objetos têm uma resistência em circuito fechado. Se em tempo hábil não forem desligados, estouram.

Dissemos atrás que o amor “é um sair de si mesmo”, um doar-se, um comunicar-se natural e espontaneamente. O homem de tenso amor-próprio, de intenso egoísmo, não se comunica. Ensimesmado, fechado em si mesmo, zeloso dos conceitos e opiniões que lhe dão uma aparente segurança, vive e morre só, ainda que cercado de muita gente.

Daí a necessidade premente de bem examinarmos o nosso peculiar condicionamento psicológico. Pela tradição, vieram-nos inumeráveis conceitos e preconceitos, opiniões as mais diversas, uma infinidade de deveres e não-deveres, de feios e bonitos, muitas idéias, muitos imperativos, e a tudo isso nos agarramos porque precisamos de estar seguros. Mas a verdade é que a segurança psicológica não existe. Tudo é mutável, e dá mostra de inteligência e desenvolvimento mental aquele que o percebe. Nem é outra a definição de inteligência pela maioria dos psicólogos: “capacidade de ajustamento a situações novas”.

Ora, a transformação moral de que temos falado nesta obra refere-se a um constante ajustamento. Aquele que se fecha em seu pequenino ego nunca se transforma, nunca é uma nova criatura, nunca “desveste o homem velho para se revestir do homem novo”.

O mundo atual precisa de homens novos, de criaturas renovadas, capazes de romper com o passado, de perceberem claramente os malefícios provenientes desse condicionamento psicológico e por esse percebimento libertarem-se. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.

A verdade somos nós mesmos, porque existimos, porque vivemos. Conheceremos a nós mesmos e seremos livres, porque uma das conseqüências naturais do autoconhecimento é o libertarmo-nos da tradição com toda a sua carga de prejuízos. “Não se põe vinho novo em odres velhos, nem remendo de pano novo em tecido antigo; do contrário, fermenta o vinho e rompem-se os odres; ao lavar-se o tecido, encolhe o remendo novo e o rasgão é maior”.

Essas palavras do grande Mestre de Nazaré quase não precisam de interpretação. Nós somos os odres velhos, porque tradicionais e tradicionalistas. Nós somos o tecido antigo, porque antiquados, apegados, medrosos da renovação. Daí as teias de aranha, a fuligem, a ferrugem a obstruir o tesouro do nosso coração. À medida que nos transformamos, alimpa-se esse tesouro, e revela-se em toda a sua plenitude. E dele tiramos o conteúdo inesgotável: o amor , a benevolência, a bondade, a tolerância, as boas qualidades que em todos nós estão em potencial e chamam-se, por isso, potencialidades.

Desse tesouro tiramos a coragem. De que coragem grande precisa o homem para ser ele mesmo e não o eco ou a sombra dos outros! Viver corajosamente é encarar de frente o próprio eu. Nunca deseperar-se com o que nele encontra, mas examiná-lo criteriosamente, sem condenações nem racionalizações apressadas.

Tiramos a cortesia, sentimento de bondade, de fundo interesse pelos nossos semelhantes e que se manifesta em maneiras agradáveis, não por deveres de etiqueta, mas pelo desenvolvimento de uma absoluta excelência moral, É naturalmente cortês, afável, a pessoa, comunica-se facilmente com o ascensorista, a garçonete, o lixeiro, tanto quanto o faz com os chamados “importantes”do mundo.

Também o caráter tiramos desse tesouro. Que é o caráter? Aquilo que o homem realmente é. Difere, portanto, da reputação, da respeitabilidade, ou seja, daquilo que ele aparenta ser.

Também uma disposição alegre e otimista, também uma grande decisão, uma determinação constante em tudo o que empreendemos e sobretudo na funda transformação moral que é a nossa meta. São de Prentice Mulford estes versos: “A força que te impele para a frente é a decisão firmada em tua mente”.

Desse tesouro tiramos a modéstia, e a humildade que não se traduz por uma pobreza exterior (há ricos humildes e pobres orgulhoso), mas precisamente pela ausência do orgulho, da soberba, da vaidade, da arrogância. São palavras do Mestre Nazareno: “Aquele que se exalta, que a si mesmo se engrandece, será humilhado; o que se humilha, será exaltado”.

Dele tiramos a paciência, virtude das virtudes quando eclosão autêntica do nosso desenvolvimento mental. “Na vossa paciência possuireis as vossas almas!” A paciência confere integridade. O homem impaciente, que se desespera, que deblatera e grita, que se revolta e amaldiçoa, esse não tem integridade, é “uma cidade dividida contra si mesma”. Nem é a esquizofrenia senão uma quebra da individualidade. Possuir a própria alma é ser dono de si mesmo; é ter uma grande serenidade mental; é manifestar-se harmoniosamente em todos os instantes, em toda e qualquer circunstância; é viver numa profundíssima paz interior, que propicia a compreensão de todos os problemas.

Portanto, o amor é a essência das virtudes. No verdadeiro amor estão incluídas todas as virtudes que necessitamos para um viver em sabedoria, paz, tranqüilidade, respeito, honradez e dignidade.

Desse tesouro inesgotável tiramos, sobre todas as coisas, o amor, que às mais virtudes engloba; porque dele todas derivam, e para ele todas convergem; “o amor que move o Sol e as mais estrelas”; o amor, que é o próprio Deus.

“O amor é paciente, é benigno. O amor não inveja, não se vangloria, não se ensoberbece; Não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; O amor não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade”. (Apóstolo Paulo)

Paulo Roberto Martinez Lopes
julho,2009

Exibições: 3785

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }