Definição de História

José D'Assunção Barros

"A História é a ciência que estuda o Homem no Tempo". Com esta definição, proposta por Marc Bloch em seu livro Apologia da História ou o Ofício do Historiador (1941-1942), a historiografia do século XX começa a se apresentar como uma proposta mais sofisticada para os seus tradicionais âmbitos de pesquisa. Ao invés de se limitar apenas ao estudo do passado, o próprio Tempo Presente podia agora ser apresentado como um dos campos de interesse dos historiadores. De igual maneira, outras formas de relação do homem com a temporalidade, e também outros tipos de "tempo", tais como o tempo virtual, o tempo literário, o tempo psicológico, apresentavam-se agora como possibilidades para o estudo do historiador. As pequenas definições de um conceito - e neste caso temos um conceito que define todo um campo de saber - podem ser particularmente reveladoras de trasnformações que ocorreram ou que estão por ocorrer.

 

Naturalmente que uma definição ou outra a respeito de um campo de saber, é sempre ela mesma histórica (isto é, sujeita a se modificar no decorrer da história). Com Heródoto, a História tinha já como seu ‘centro de interesses’ o “homem” na sua vida concreta e específica, “sublunar” (isto em uma época em que ainda não existiam outros campos de saber dedicados a investigar este tipo de especificidade do mundo humano, e contra o pano de fundo da Filosofia, que se ocupava das questões gerais, “supra-lunares”, acima da vida sublunar dos homens específicos). A História, então, remetia etimologicamente à “investigação”, mas não ainda explicitamente ao estudo do homem “no tempo” (por exemplo, o “passado humano”), a não ser por considerar que as ações “sublunares” do homem se dão no tempo. Mais tarde, a História vai assumindo um caráter de “estudo do passado”, e seus objetos (os temas que constituem o seu ‘campo de interesses’) acompanham este movimento concentrando-se mais nos períodos que se afastam ou se distinguem do Presente. Mas com os Annales e outros movimentos do século XX, ou mesmo com os fundamentos do Materialismo Histórico em meados do século XIX, ficará claro que a delimitação da História foi se afinando e se enriquecendo na direção de considerar que o seu ‘campo de interesses’ se refere aos objetos que remetem ao “homem envolvido pela temporalidade”, de modo que a definição proposta por Marc Bloch em Apologia da História é mais do que sinalizadora.  / De resto, vale lembrar também que outra ‘singularidade’ importante da História enquanto campo de conhecimento refere-se ao seu necessário apoio em fontes (documentos, textos, imagens, objetos, e outros indícios que nos chegam das sociedades passadas). Os aspectos definidores da “singularidade” da História – ou de qualquer outro campo disciplinar – corresponderão ao núcleo do que, até o final deste capítulo, estaremos entendendo como uma “matriz disciplinar” do campo de conhecimento em questão, e correspondem aos princípios com os quais estão de acordo todos os historiadores.

 

__________________________________________________________________________________________________

 

Este trecho foi extraído do primeiro capítulo do 'Volume I' de Teoria da História. (item: "A Constituição de um Campo Disciplinar")

 

A série Teoria da História foi publicada recentemente pela Editora Vozes, constituindo-se de quatro volumes. Aqueles que quiserem conhecer a obra, basta pedir para o e-mail jose.d.assun@globomail.com que serão enviados alguns capítulos de cada um dos quatro volumes obra. Ou então, deixe o e-mail com um comentário neste scrap, e alguns capítulos do livro serão enviados em seguida.

 

 

 

Uma apresentação da série Teoria da História pode ser encontrada em: http://ning.it/ec3iGH. O sumário dos quatro capítulos da obra pode ser encontrado em:  http://ning.it/gFg3Pu. Síntese de cada um dos quatro volumes podem ser encontradas em: http://ning.it/emygs0

 

Referências:

BARROS, José D'Assunção. Teoria da História, volume I: Princípios e Conceitos Fundamentais. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

Exibições: 3611

Tags: Campo, Definição, História, Saber

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }