Retalhos da História - A Inquisição Espanhola.

Os objetivos das inquisições eram combater as heresias, consideradas pelo catolicismo como males a serem aniquilados, iam de uma simples comemoração, dita pagã, até estudos científicos.

A espanhola não foi diferente. A Espanha livrou-se dos mouros muçulmanos, a orientação era converter judeus e islâmicos ao Cristianismo.

Iniciada no papado de Xistus IV, induzida pelo bispo de Valência, Rodrigo Bórgia, patrocinado pela Coroa Espanhola, com a promessa de torná-lo papa, e o foi, com o nome de Alexandre VI. O Pontífice Alexandre VI era uma espécie de Al Capone do clero, pai de Lucrécia Bórgia - Paris Hilton do Séc. XVI - e César Bórgia, inspiração para Dante Allighieri escrever O Príncipe. È nesse ambiente santificado, da Santa Sé, que as atrocidades eram decididas.

Para comandar a carnificina foi escolhido o beneditino Tomás de Torquemada, deu conta do recado, nunca se consumiu tanta lenha na Espanha, queimou judeus, mouros e todos que contestavam o domínio da Igreja sobre o Estado, o confessionário foi a arma de delação mais usada. A Inquisição Espanhola iniciou-se em 1478 e terminou 350 anos depois em 1834.

Entre as normas hipócritas impostas aos judeus, pelo Vaticano, há três pérolas do anti-semitismo. Os Judeus, condenados ao fogo do inferno, só poderão exercer as seguintes profissões:

1 – Ser médico. Ao bom cristão não lhe é dado o direito de curar, só Deus cura. Quando um cristão estava á morte com uma crise de apendicite, as promessas não davam jeito, rezas também não, se recorria ao médico judeu que o salvava, muitas vezes não cobrava pelo trabalho.

2 – Artífices. Carpinteiros, pedreiros, pintores, alfaiates, ourives, etc.,eram profissões de utilidade pública.

3- Exercer a Usura. Podiam ser banqueiros, agiotas, cobrar impostos .

Por conta da proibição da usura, os Reis Cristãos mantinham judeus como cobradores de impostos e ministros das finanças. Dinheiro é pecado, administrado por judeu e repassado para a Coroa, não é pecado. A Espanha tinha bancos com capitais judeus, Coroa, grandes comerciantes ibéricos e italianos (Gênova e Veneza), dirigidos por sefaraditas.

Um dos principais colaboradores da Corte Castellana era Isaac Yehuda Abravanel, português, Ministro das Finanças, indicado para o cargo pelo também judeu, D. Abraão Senior, nobre e influente. Isaac Abravanel era um estudioso da Torá (Lei), Velho Testamento, muito rico, filantropo e excelente administrador, gozava de grande prestígio junto á rainha Da. Izabel, morreu em 1508 em Veneza.

A hipocrisia da Igreja levou o mundo cristão a repudiar os judeus, um preconceito que precisa ser revisto, judeu é tão bom ou tão mau como qualquer ser humano.

As restrições impostas aos sefaraditas na Espanha e Portugal são revoltantes, porque tanta perseguição? Só muita fé para suportá-las.

As inquisições espanhola e portuguesa, menos cruel, deixaram marcas da opressão, terror, confisco de bens, morte e humilhações.

- As aljamas ou judiarias eram fechadas após o toque do Ângelus, quem chegasse atrasado pagava uma multa 5.000 cruzados.

- Se um cristão chamasse um médico judeu, á noite, era necessário que o cristão se identificasse usando uma lanterna. Caso contrário poderia ser confundido, seria multado.

- Judeus não podiam entrar em casa de cristão, só se estivesse prestando serviços.

- É proibido judeu tomar vinho em taberna de cristão.

- O judeu era obrigado a pagar a “judenga”, trinta cruzados por cabeça como lembrança pela venda de Cristo.

- Todo judeu tem que pagar o imposto corporal se quiser entrar em qualquer cidade portuguesa.

- Se o judeu for produtor de vinho será obrigado a pagar quatro soldos por pipa.

- Os judeus são obrigados a emprestar dinheiro a infantes empobrecidos, sem remuneração.

Finalmente descobri de onde vem nosso código tributário.

Exibições: 865

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Não pare na pista

Chega aos cinemas brasileiros o aguardado filme cinebiografia de Paulo Coelho, "Não pare na pista -  a melhor história de Paulo Coelho", dirigido por Daniel Augusto. 

Sinopse: Cinebiografia de Paulo Coelho, o filme se concentra em três momentos distintos da carreira do escritor: a juventude, nos anos 1960 (período em que é vivido pelo ator Ravel Andrade); a idade adulta, nos anos 1980 (Júlio Andrade); e a maturidade, em 2013, quando refaz o Caminho de Santiago (Júlio Andrade, maquiado). Usando como base depoimentos do próprio Paulo Coelho, a história perpassa os momentos mais marcantes da vida do autor, como os traumas, a relação com as drogas e a religião, sexualidade e a parceria com o músico Raul Seixas.

café história acadêmico

Ensino de História: Confira o artigo “A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História”, da historiadora Christian Laville, da Universidade Lava, Quebec. Resumo: Em quase todas as partes do mundo, os programas escolares exigem que o ensino da história desenvolva nos alunos a autonomia intelectual e o pensamento crítico. Há muito tempo não se vê mais a missão de incutir nas consciências uma narrativa única glorificando a nação ou a comunidade. No entanto, quando o ensino da história é questionado nos debates públicos, é sempre com referência a esse tipo de narrativa: embora não fazendo mais parte dos programas, esse continua sendo o único objeto dos debates. Este artigo dá inúmeros exemplos atuais de tais debates, antes de concluir que são provavelmente vãos e que as pessoas se iludem sobre os efeitos reais da história ensinada. Alguns exemplos também são dados a esse respeito. Clique aqui para acessar.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }