http://www.conexaohistoria.wordpress.com"; target="_blank">www.conexaohistoria.wordpress.com</a></p>; <p> </p> <p>Abraços!</p>">

Sem dúvida, a escola é um dos locais mais resistentes à mudança no Brasil. Não escapa à lógica do capitalista, onde tudo vira lucro: o cliente tem sempre razão. Faculdades e escolas particulares fazem de tudo para aprovar os alunos sem muito esforço e deste modo não espantar sua fonte de lucro. Escolas estaduais que pretendem melhorar os índices de IDH forçam a aprovação de alunos incapacitados: são números, tidos por muitos como fatos, mas que escondem uma realidade complexa.

Mas, para além destes termos, temos que entender que o jovem recusa a escola. Grupos de jovens dizem um NÃO casa vez mais alto e sonoro, que na grande maioria das vezes ignoramos. As escolas particulares são frequentadas por alunos que a encaram muito mais como um lugar de sociabilidade, de mostrar novas roupas, novos video-games, etc. As escolas públicas são frequentadas por alunos desacreditos, que muitas vezes estão mais interessados na merenda que na sala de aula. Em ambos os casos, a escola está reproduzindo a sociedade que a envolve.

No entanto, ao manter práticas clássicas de ensino - a de um professor despejando conhecimento sobre seus alunos, que disciplinadamente devem absorver tudo - a escola cria um foco de resistência a mudanças inevitáveis nas formas de comunicação, Livros em preto e branco são incapazes de chamar a atenção das crianças. Não defendo que os livros devem ser extintos. Pelo contrário, eles continuam sendo uma importante fonte de conhecimento, mas não mais a única. Eles devem ser utilizados em associação com materiais digitais, mais interativos e mais visuais, ou seja, mais próximos com o que o aluno está acostumado a ver fora da sala de aula.

Não estou justificando o desinteresse dos alunos e as políticas de aprovação CQC (custe o que custar... hehe... piadinha tosca), mas não deixo de me preocupar com a falta de interesse dos educadores em se atualizar. Os intelectuais da educação devem aprimorar suas reflexões a este respeito, e os profissionais da educação devem problematizar seu dia a dia, constatar problemas, e tentar encontrar soluções para resolve-los. O aluno não pode mais ser visto como um absorvente de conhecimento, mas também como um produtor de seu próprio conhecimento, orientado pelo professor.

Isto é internet. Isto é comunicação no ciberespaço.

 

Criei recentemente um blog sobre este tema. O objetivo é apresentar infográficos interativos sobre diversos processos históricos, através de temas atuais, como meio ambiente, relações de gênero, o papel do corpo na sociedade, memmória, etc. Ou seja, trazer para a realidade do aluno aquilo que é visto em preto e branco nos livros. Quem se interessar e quiser colaborar, visite o blog e me escreva!

www.conexaohistoria.wordpress.com

 

Abraços!

Exibições: 45

Tags: Ciberespaço, Didático, Educação, Ensino, Material, Tecnologia, de, e, ensino, historia

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }