http://www.conexaohistoria.wordpress.com"; target="_blank">www.conexaohistoria.wordpress.com</a></p>; <p> </p> <p>Abraços!</p>">

Sem dúvida, a escola é um dos locais mais resistentes à mudança no Brasil. Não escapa à lógica do capitalista, onde tudo vira lucro: o cliente tem sempre razão. Faculdades e escolas particulares fazem de tudo para aprovar os alunos sem muito esforço e deste modo não espantar sua fonte de lucro. Escolas estaduais que pretendem melhorar os índices de IDH forçam a aprovação de alunos incapacitados: são números, tidos por muitos como fatos, mas que escondem uma realidade complexa.

Mas, para além destes termos, temos que entender que o jovem recusa a escola. Grupos de jovens dizem um NÃO casa vez mais alto e sonoro, que na grande maioria das vezes ignoramos. As escolas particulares são frequentadas por alunos que a encaram muito mais como um lugar de sociabilidade, de mostrar novas roupas, novos video-games, etc. As escolas públicas são frequentadas por alunos desacreditos, que muitas vezes estão mais interessados na merenda que na sala de aula. Em ambos os casos, a escola está reproduzindo a sociedade que a envolve.

No entanto, ao manter práticas clássicas de ensino - a de um professor despejando conhecimento sobre seus alunos, que disciplinadamente devem absorver tudo - a escola cria um foco de resistência a mudanças inevitáveis nas formas de comunicação, Livros em preto e branco são incapazes de chamar a atenção das crianças. Não defendo que os livros devem ser extintos. Pelo contrário, eles continuam sendo uma importante fonte de conhecimento, mas não mais a única. Eles devem ser utilizados em associação com materiais digitais, mais interativos e mais visuais, ou seja, mais próximos com o que o aluno está acostumado a ver fora da sala de aula.

Não estou justificando o desinteresse dos alunos e as políticas de aprovação CQC (custe o que custar... hehe... piadinha tosca), mas não deixo de me preocupar com a falta de interesse dos educadores em se atualizar. Os intelectuais da educação devem aprimorar suas reflexões a este respeito, e os profissionais da educação devem problematizar seu dia a dia, constatar problemas, e tentar encontrar soluções para resolve-los. O aluno não pode mais ser visto como um absorvente de conhecimento, mas também como um produtor de seu próprio conhecimento, orientado pelo professor.

Isto é internet. Isto é comunicação no ciberespaço.

 

Criei recentemente um blog sobre este tema. O objetivo é apresentar infográficos interativos sobre diversos processos históricos, através de temas atuais, como meio ambiente, relações de gênero, o papel do corpo na sociedade, memmória, etc. Ou seja, trazer para a realidade do aluno aquilo que é visto em preto e branco nos livros. Quem se interessar e quiser colaborar, visite o blog e me escreva!

www.conexaohistoria.wordpress.com

 

Abraços!

Exibições: 45

Tags: Ciberespaço, Didático, Educação, Ensino, Material, Tecnologia, de, e, ensino, historia

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }