José Anselmo dos Santos, ex-militar da Marinha, foi líder da revolta de marinheiros, por reformas sociais, na crise do governo JG, um dos estopim do histórico golpe militar de 1964.
Com o golpe cabo Anselmo é expulso e preso, por crime de motim e revolta militar, foge e exila-se no Uruguai e Cuba, retornando em 1970, como membro do movimento guerrilheiro, caindo nas mãos do DOPS do temivel delegado Sérgio Fleury.
Logo depois da sua prisão, misteriosamente, Anselmo muda de lado, atua com o regime, infiltrado nos grupos esquerdistas, passando a trair e entregar os companheiros e planos ás forças de segurança da ditadura, sendo envolvido em prisões, torturas e mortes de militantes comunistas.
Numa das emboscadas, morre sua esposa, com seu auxílio, a paraguaia Soledad Barret Viedma, que estava grávida do próprio há cinco meses e que Anselmo entregara aos órgãos repressivos.
Vindo a tona sua traição, Anselmo desaparece entre 1972/1973, então dado como morto, pelas forças de segurança da ditadura militar ou justiçado por guerrilheiros.
O misterioso cabo Anselmo reaparece, numa entrevista ao jornalista Octávio Ribeiro, publicada pela Revista Isto È - edição de 28/3/1984, e em outra ocasião pelo jornalista Percival de Souza, em 1999.
Atualmente, Anselmo pleiteia uma identidade formal, pois desde que foi cassado nunca mais conseguiu documentos que provassem ser ele o José Anselmo dos Santos. Requereu junto ao governo de São Paulo o pagamento de indenização pago aos que foram presos e torturados no estado, durante a ditadura militar. O ex-marinheiro reivindica ainda uma reforma militar, condizente com o posto que ocuparia hoje na Marinha. O argumento de Anselmo é que a indenização da Comissão de Anistia não deve beneficiar apenas os militantes de esquerda, ele alega que todos que foram de alguma forma prejudicados ou cassados em seus postos em razão do golpe militar deveriam ser beneficiados.
Seu paradeiro ainda é ignorado, permanece na clandestinidade há mais de 30 anos, que estará protegendo e dando segurança ao cabo Anselmo por todo este tempo? Os serviços de Inteligência da ditatura ou um mistério a ser desvendado?

Exibições: 179

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de RICARDO ROCHA AGUIEIRAS em 25 março 2010 às 9:43
Cabo Anselmo é uma farsa, um vilipêndio e o que há de pior na Humanidade. Foi delator, culpado pela morte de sua própria namorada na época, que estava grávida de um filho dele, fora outras mortes. Nunca assumiu sua homossexualidade nem seu caso com Onofre Pinto, que também ajudou a matar. Tudo nele é podridão e mentira. Eu defendo, sim, que todos os prejudicados por ditaduras sejam indenizados, pouco importa se eram militantes ou não. Mas não é o caso desse "senhor", ele sabia muito bem o que estava fazendo e aceitou plenamente o pacto proposto por outro famigerado assassino e torturador, o delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury, que foi responsável por bem mais que 60 mortes, torturas hediondas e, infelizmente, morreu impune. Anistia e indenizações para vítimas, sim, vítimas apenas. Nunca para os vilões . Vilões esses que estavam a serviço do poder imposto e que se locupletavam dele.
Comentário de Alcebíades de Lima Oliveira em 23 julho 2009 às 10:46
Como explicar sua constante mudança de domicílio, seu processo no MJ, uma sina vergonhosa, vitima ou vilão, certo que tem o direito à reparação e responder e desvendar crimes cometidos nos porões da ditadura, penso que o Anselmo era um agente do serviço de inteligência da Marinha (Cenimar) a serviço do golpe do 1964, infiltrado no movimento dos marinheiros, com intuito de atuar nas organizações revolucionárias, particular, sou ex-militar do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha, no período de 1981 a 1987, este assunto era muito comentado e controlado pelos serviços secretos do regime. abraços Alcebíades
Comentário de sandra c. em 23 julho 2009 às 6:20
Ele declarou recentemente no excelente 'Linha Direta', da Globo, que foi torturado pela ditadura militar e que detestou Cuba e o sistema dito 'socialista'. Numa democracia plena, ele tem este direito. Se tantos estão se locupletando com indenizações à custa de nosso dinheiro- até o rico Ziraldo, que nunca foi exilado ou perseguido-, por que não mais um injustiçado como ele? Até o Cony, um notório pela-saco da ditadura, através de artigos da editora Bloch, recebeu uma grana à nossa custa, por que não o Anselmo? Não creio que seu paradeiro seja ignorado. Eu mesma o vi no 'Linha Direta'.

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

Cine História

Uma promessa

Está em cartaz nos cinemas brasileiros o filme franco-belga "Uma promessa", de Patrice Leconte. 

Sinopse: Alemanha, 1912.  Um jovem diplomata (Richard Madden) ingressa no serviço administrativo de uma usina siderúrgica. Por conta do seu bom trabalho, seu patrão (Alan Rickman) o contrata para o posto de secretário particular. Conforme os dias passam, ele conhece e se aproxima da esposa (Rebecca Hall) do chefe, apaixonando-se perdidamente por ela. Ele recebe a missão de ir ao México repentinamente e, ao anunciar sua partida, a mulher entra em desespero, realizando que ambos se amam. Sendo assim, fazem uma promessa de amor: um dia ele irá retornar e os dois finalmente ficarão juntos.

café história acadêmico

Arte: Leia, na íntegra e gratuitamente, o livro “A Era de Caravaggio.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }