O TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA

 

O TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA

 

Pensar no tema trabalho não é tão simples quanto parece. Como definir essa atividade que depois de tantos anos e em pleno século XXI ainda se fala de trabalho escravo?

Quando falamos de dignidade, falamos de direitos humanos, isso nos remete ao Artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos que nos diz o seguinte: É expresso que “todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade”.

O trabalho sempre existiu não caracterizado como temos hoje, mas o homem sempre trabalhou para sua sobrevivência individual e depois pela sobrevivência do grupo. Com o passar dos séculos ele foi desenvolvendo suas habilidades e foi conquistando novas descobertas que iam facilitando sua vida, tudo isso é claro através do trabalho como uma atividade totalmente normal.

O homem estabeleceu-se, criou raízes, desenvolveu seu conhecimento e criou o progresso que temos hoje. Mas a construção desse progresso foi se formando e se fortalecendo no meio de uma sociedade de produção, distribuição e lucros. O homem primitivo tinha a preocupação de produzir para o sustento de sua família, com o passar do tempo à produção foi aumentando gerando assim o excedente que passou a ser trocado por outros produtos gerando lucro; começa a nascer o capitalismo.

O capitalismo desvirtuou completamente o sentido poético do trabalho, ou seja, trabalhar pelo prazer da vida, glorificada em toda sua extensão, e não transforma-lo em uma mercadoria. Para que vivemos? Vivemos para trabalhar ou trabalhamos para viver?

Com o avanço do capitalismo, se criou uma divisão social no trabalho, o que antes era realizado em comunhão de produção e divisão igualitária, tornou-se produção individual de bens e serviços para favorecer uma pequena minoria mais do que a maioria.

Com a revolução industrial e a globalização, associada às novas tecnologias, os seres humanos foram relegados a outro plano, a vida humana perdia seus valores e dava espaço aos grandes lucros e dividendos. Passou a se comprar a força do trabalho, o sistema capitalista se move sob a lógica da diminuição dos custos da produção para poder acumular mais lucro.

A meu ver o capitalismo chega ao fundo do poço quando trata seres humanos como animais irracionais, escravizando-os para força do trabalho, destruindo sua dignidade humana e transformando o amor em ódio, tudo em nome de poder e lucro. 

“Na complexidade do mundo do trabalho, é preciso pensa-lo por um lado distinto daquele tratado pelo capitalismo. Não basta buscar uma alternativa dentro da economia de mercado; é necessária uma alternativa ao mercado capitalista” - (Gilddens, Anthony – sociólogo).

O trabalho precisa ser garantido como um prazer e um bem de vida para todos, que garanta sua sobrevivência com dignidade, que seja possível sonhar com um mundo novo de igualdade, solidariedade e amor.  Enquanto continuarmos tratando o trabalho como mercadoria, ele descaracteriza-se em sua essência, diminuindo a dignidade e a criatividade de quem o realiza. 

É preciso repensar urgentemente na definição e qualificação do trabalho para o futuro dos nossos filhos, ou então, o colapso do mercado consumidor destruirá completamente os poucos valores que ainda nos restam. É preciso mudar a metodologia de bater de frente com o capitalismo, precisamos encontrar meios de caminhar com ele e aproveitar os pontos positivos revertendo-os a nosso favor. Criar novas economias A, B e C não vai resolver o problema social econômico do trabalhador brasileiro, o mais importante é criar mecanismos de melhorar a convivência e participação desse trabalhador na distribuição da renda do País. 

“Precisamos sonhar com outro mundo possível, onde a gente trabalhará para viver em lugar de viver para trabalhar, onde não se chamará nível de vida ao nível de consumo, onde ninguém morrerá de fome, porque ninguém morrerá de indigestão...” - (Gilddens, Anthony – sociólogo).

Autor : Rocha Assunção

Exibições: 6584

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }