O surgimento do Fogo e suas consequencias

O homem sempre necessitou do fogo para se aquecer, cozinhar, iluminar, se proteger. A primeira forma de energia que o homem conseguiu dominar foi o fogo.

O Homem sempre necessitou do fogo para se aquecer, cozinhar, iluminar e se proteger.

Antigamente, juntavam um montinho de mato seco, dois pedaços de madeira, que friccionados, esquentavam rapidamente, queimando o mato seco com seu calor.

O fogo, pela fascinação que exerce, pela fantasia que sua chama desperta, deu origem a muitos contos, lendas, mitos, deuses, heróis... Para muitas civilizações, ele é um deus ou uma dádiva dos deuses, ou ainda, o produto de um roubo. Ele é, muitas vezes, associado ao Sol. Os Incas acreditavam que o fogo lhes havia sido dado pelo filho do Sol. Para os índios Navajos, o fogo tinha sido dos Deuses por um Coiote.

Entre os romanos, eram sacerdotisas, as vestais, que guardavam em seus templos o fogo sagrado, e esse nunca deveria se apagar.

Desde a sua conquista, há mais de 500.000 anos, o fogo se tornou, nas mãos dos homens, o primeiro meio para o modificar o mundo, sendo pois, a primeira forma de energia que conseguiu dominar.

O fogo sempre existiu na natureza, provocando queimadas, onde havia a liberação de CO2 e vapor d’água na atmosfera.

Esse fogo tinha origem vulcânica, pois ao entrarem em erupção, os vulcões laçavam suas lavas pelas florestas, causando as queimadas. Também se originava de relâmpagos que, ao atingirem uma árvore, esta se queimava.

Com o domínio do fogo o homem foi aprimorando o uso do mesmo para benefício próprio.

Com a chegada da revolução industrial acontece o auge do aprimoramento humano em relação ao fogo, surgindo as máquinas a vapor, cuja fonte de energia era o carvão. Esta nova tecnologia provocou uma grande mudança na sociedade, pois as indústrias se multiplicaram criando a necessidade de se utilizar novos combustíveis. Em suas pesquisas o homem encontrou o petróleo que passou a substituir o carvão.

Os combustíveis fósseis originaram-se de matéria orgânica que realizavam fotossíntese, portanto, acumulavam energia vinda do Sol na forma de moléculas de carbono (hidrocarbonetos). Com a decomposição dessa matéria a cerca de 500 milhões de anos formou-se o petróleo e o carvão mineral.

Antes da revolução industrial havia um equilíbrio entre a emissão de CO2 (queimadas e respiração) e o seu consumo (pela fotossíntese), mantendo dessa forma sua concentração estável na atmosfera.

O aumento da concentração de CO2 na atmosfera, resultante da queima em larga escala dos hidrocarbonetos, produziu-se uma intensificação do efeito estufa.

O fogo sempre existiu na natureza, provocando queimadas, onde havia a liberação de gás carbônico e vapor d’água na atmosfera. Esse fogo tinha origem vulcânica, pois, ao entrarem em erupção os vulcões lançavam sua lava pelas florestas causando queimadas. Também se originava de relâmpagos que, ao atingir uma árvore, esta se queimava.

Com o domínio do fogo o homem foi aprimorando o uso do mesmo para benefício próprio.

Exibições: 7459

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de RENATA ARAÚJO MACHADO em 25 outubro 2011 às 12:12

Legal, Alexandre!

Bom que se interesse por esse assunto, mas não se esqueça de dar os créditos de sua postagem

para os autores que subsidiaram sua pesquisa.

Um abraço!!!

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }