O BRAVO GUERREIRO AJURICABA DO POVO INDÍGENA MANAÓS

O guerreiro Ajuricaba habitava nas terras dos Manaós, uma tribo indígena que habitava a região entre a cidade de Manaus, capital do Amazonas e Manacapuru, município do outro lado do Rio Negro. Quando da chegada dos invasores portugueses chamados de colonizadores, encontrou nesta terra essa tribo que se identificava como Manaós e que em sua língua significava “Mãe de Deus” e deu origem ao nome atual, Manaus.

Essa tribo também como os Botocudos do Espírito Santo, foram consideradas pelos portugueses como índios orgulhosos e aguerridos pelos brancos invasores.  Estes por sua vez, usando de persuasão, enganavam os Manaós e tentaram até através de casamentos de brancos com índios desta tribo, uma estratégia de ligar-se a eles e assim apaziguar os conflitos, mas um índio chamado Ajuricaba, um dos líderes dos Manaós, desconfiou desta aliança íntima dos cunhados brancos, percebendo a má intenção por parte deles e, tinha razão em sua desconfiança, pois os portugueses que se aproximavam dos índios, buscavam conhecer seus líderes para depois prendê-los que eram enviados para Belém, para serem vendidos como escravos.

 Ajuricaba conseguiu congregar diversas tribos locais e passou a combater o domínio dos portugueses sobre o seu povo, organizando um sistema de combate nos rios e lagos, dificultando com isso, o deslocamento das tropas portuguesas.

Após quatro investidas, frustradas contra Ajuricaba e seus guerreiros, os portugueses matam o filho de Ajuricaba e este com  ódio, lança-se entre os inimigos e lhes causam grandes perdas, um grupo de soldados portugueses o cercaram e o capturaram, sendo preso e amarrado com ferros nos pés e mãos. 

Ao ser levado para Belém para ser julgado e possivelmente condenado a morte, ajudado pelos seus guerreiros que os portugueses tinham capturados, cerca de dois mil, tentam tomar o comando do navio e enfrentaram a tropa de Paes de Amaral Belchior, depois de muito sangue derramado, o levante indígena foi dominado e Ajuricaba ainda amarrado em grilhões para não se sujeitar as humilhações dos portugueses invasores, diante dos inimigos gritou na sua língua indígena, ‘’Esta terra é minha, essa terra é nossa’’e lançou-se nas águas dos rios, Negro e Solimões no local conhecido como Encontro das águas, perecendo no encontro dos dois grandes rios. Gerando uma grande insatisfação aos inimigos portugueses que derrotado por ele diversas vezes, queria fazer de exemplo com a morte através da forca, um exemplo as outras tribos que quisessem se rebelar contra o domínio lusitano em terras dos primeiro habitantes deste País.

Infelizmente não existe em Manaus nos tempos atuais, nenhuma referência desta história de um bravo guerreiro indígena, que preferiu se jogar ao rio acorrentado, a ser morto pelo inimigo existindo apenas nomes de ruas e Conjuntos residenciais com este nome. Até um cemitério indígena que existia no centro da cidade foi destruído e no lugar foi construída uma Praça na frente ao palacete Rio Branco que até bem pouco tempo atrás era a sede do pode Legislativo do Estado do Amazonas, ao construírem um prédio anexo, foi encontrado um grande número de potes e túmulos indígenas. Preocupados com a repercussão do achado, os deputados mudaram a sede do Legislativo para outro local, sem  criar uma lei onde houvesse referência indicando o historio passado dos Manaós e do grande guerreiro Ajuricaba que queiram ou não, também fazem parte da história de Manaus e do Amazonas. Leia também sobre o bravo guerreiro Araribóia no Blog: http://isaiasribeirojs.zip.net   e visite também o Blog indígena;  http://reginacoiama.blogspot.com

Exibições: 1638

Tags: Ajuricaba, Amazonas, Belém, Brasil, Espírito, Manaus.Manaós, Santo, índio

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Não pare na pista

Chega aos cinemas brasileiros o aguardado filme cinebiografia de Paulo Coelho, "Não pare na pista -  a melhor história de Paulo Coelho", dirigido por Daniel Augusto. 

Sinopse: Cinebiografia de Paulo Coelho, o filme se concentra em três momentos distintos da carreira do escritor: a juventude, nos anos 1960 (período em que é vivido pelo ator Ravel Andrade); a idade adulta, nos anos 1980 (Júlio Andrade); e a maturidade, em 2013, quando refaz o Caminho de Santiago (Júlio Andrade, maquiado). Usando como base depoimentos do próprio Paulo Coelho, a história perpassa os momentos mais marcantes da vida do autor, como os traumas, a relação com as drogas e a religião, sexualidade e a parceria com o músico Raul Seixas.

café história acadêmico

Ensino de História: Confira o artigo “A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História”, da historiadora Christian Laville, da Universidade Lava, Quebec. Resumo: Em quase todas as partes do mundo, os programas escolares exigem que o ensino da história desenvolva nos alunos a autonomia intelectual e o pensamento crítico. Há muito tempo não se vê mais a missão de incutir nas consciências uma narrativa única glorificando a nação ou a comunidade. No entanto, quando o ensino da história é questionado nos debates públicos, é sempre com referência a esse tipo de narrativa: embora não fazendo mais parte dos programas, esse continua sendo o único objeto dos debates. Este artigo dá inúmeros exemplos atuais de tais debates, antes de concluir que são provavelmente vãos e que as pessoas se iludem sobre os efeitos reais da história ensinada. Alguns exemplos também são dados a esse respeito. Clique aqui para acessar.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }