MARCOS HISTÓRICOS QUE CARIOCAS DESCONHECEM -IGREJA NOSSA SENHORA DA PENNA-JACAREPAGUÁ -R.J.

>

>>

">

PENA
De mim mesmo.
Dá pena, sentir pena, eu sei.
Sentir que da minha "pena", pensei
("eufemismo" antigo, mas que ainda é entendido),
não saía nada para escrever no momento.
Uma metáfora uma descrição uma cena. Um intento
sobre a igreja de Nossa Senhora da Penna.
Minha memória que se apaga, que se apagará,
sobre uma relíquia, como muitas outras, também esquecida,
num morro da Freguesia, perdida,

num sub-bairro de Jacarepaguá.

(Poema de Manoel Rodrigues)

Documentos antigos indicam a construção de um templo no local pelo padre Manuel de Araújo. Em 1770, José Rodrigues de Aragão, devoto da Virgem e abastado fazendeiro local, não só restaurou a Igreja, como também doou à Irmandade terras e propriedades.

Constituída de nave única, a Igreja Nossa Senhora da Pena possui uma torre campanária — do lado direito do altar onde são celebradas as missas — corredores laterais e sacristia aos fundos. O pátio é pavimentado com tijolões bem cozidos.


As mais antigas referências à região denominada Baixada de Jacarepaguá datam do princípio do século XVII, estando relacionadas à ocupação do Recôncavo da Guanabara pelos canaviais e fazendas de criação de gado. Entretanto, o estudo da origem da palavra Jacarepaguá demonstra que, anteriormente, esta região era ocupada pelos índios guaranis, que a chamaram de Yakareupaguá, que significa lagoa rasa dos jacarés. Nos tetos da nave e da capela principal foram pintadas passagens da vida de Cristo. Contudo, o maior destaque é conferido aos seis painéis em azulejos portugueses que retratam cenas da vida da Virgem. O altar-mor é em estilo rococó e na sacristia existem relíquias dignas de qualquer museu. Na parte superior, além dos retratos de Dom Pedro II, D. Tereza Cristina e Barão de Taquara, há também o quadro com a efígie de José Rodrigues de Aragão, uma prova de gratidão a quem foi considerado o benfeitor da Irmandade.


<

Imponente no alto do penhasco, a Igreja Nossa Senhora da Pena pode ser vista de vários pontos da região. Por isso, além de assistir às missas, os visitantes desfrutam da mais bela paisagem da Baixada de Jacarepaguá.

</ (Informações transcritas de placa existente no local. Missas são celebradas todos os domingos às 11:00. Mais informações pelo tel. (21) 2447.9570 ou no site da igreja. "Mala nostra pelle" - foto abaixo - significa "afasta de nós os males")

</ A Igreja de Nossa Senhora da Penna, uma das mais antigas de Jacarepaguá, é um patrimônio do século 17. A santa é padroeira dos jornalistas e artistas. O patrimônio do século 17 passa por uma reforma.

<
Na pressa com que se cruza a Linha Amarela, poucos reparam. Se equilibrando no alto do rochedo, no trecho próximo à Freguesia, uma igreja. Para chegar lá, é preciso enfrentar uma tortuosa ladeira. No topo, mais parece uma cidade colonial.

Acima da casa dos romeiros, está a construção que se destaca na paisagem, a 165 metros de altura. E que paisagem: do local se vêem as montanhas de Jacarepaguá e os prédios mais altos da Barra da Tijuca. Mas nada que ofusque a beleza simples da Igreja de Nossa Senhora da Penna: toda branca, de janelas azuis e detalhes em louça no telhado.

</ A igreja foi construída originalmente em 1661, depois de uma visão. "Conta a lenda, a história, de que um escravo perdeu uma novilha e invocou a Nossa Senhora da Penna que o protegesse, com medo de ser açoitado, para que indicasse o local onde aquela rês estava. E um fecho de luz projetou-se em cima da colina da Penha", conta José Lucas, provedor da igreja.

Reformada e ampliada em 1770, volta e meia a igreja passa por intervenções para ficar como no projeto original. Há quase 70 anos, ela é tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).


>></
O altar passa por reformas, está escondido atrás dos andaimes. Tudo que atualmente se vê em vermelho vai receber folhas de ouro e, assim, a igreja deve recuperar um brilho todo particular
Os azulejos portugueses das laterais também vão receber uma manutenção. Eles são do século 18 e contam a história da Virgem Maria.

A igreja é pequena, não possui mais do que dez bancos, mas tem um público fiel e muito agradecido à Nossa Senhora da Penna. Ela está protegida pelas pinturas do teto, que mostram a Paixão de Cristo.


A sala dos ex-votos reúne as graças alcançadas, os milagres obtidos. É onde fica a gratidão e o simbolismo de quem venceu uma doença ou passou em uma prova. Grandes e pequenos desafios de quem acredita que só Nossa Senhora da Penna e sua igreja à beira do penhasco podem ajudar.

***pesquisa de informações e fotos Internet

postado por Sonia Regina.

Exibições: 1737

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Ana Carla Peixoto Gonçalves em 5 junho 2009 às 16:13
Já fui lá. ótima história. fiquei sabendo que a igreja e o caminho que é de pedra foi feito pelos escravos. gostaria de ter mais informações sobre a história de jacarepaguá. e sobre os outros bairros do RJ, e não só do centro da cidade.

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }