ESTADOS UNIDOS IGNORA ACORDO BRASILO-TURCO-IRANIANO.


Estados Unidos ignora acordo brasilo-turco-iraniano.

Nos últimos dias pairou novamente no ar internacional um vestígio da fragrância republicana, dando a impressão de que os tempos da família Bush haviam voltado.

Hillary Clinton, Secretária de Estado dos Estados Unidos, tem proporcionado claros sinais de que a política externa estadunidense não pautará a sua política internacional pelo soft power[1], teoria desenvolvida pelo cientista político Joseph Nye, que participou recentemente do programa Roda Viva, da TV Cultura.

O mais recente de tais sinais se refere ao hands off apontado à CNN pela Analista Senior do Instituto para a Ciência e Segurança Internacional, Jacqueline Shire, que também atuou no Departamento de Estado dos Estados Unidos em vários cargos relacionados à não proliferação de armas nucleares. Para Jacqueline Shire, os Estados Unidos foram surpreendidos com o sucesso nas conversações entre Brasil, Turquia e Irã. A diplomacia estadunidense manteve-se distante da negociação com a certeza de que esta falharia – fato que não ocorreu.

Apesar do Jornal Nacional, da Rede Globo, se opor sistematicamente não somente ao atual governo como também à própria política externa do Itamaraty, a atuação da chancelaria não é desapropriada como alguns querem supor. O Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, desconstruiu qualquer divagação neste sentido constatando que "O acordo (de Teerã) é o acordo que eles propuseram. Nós (Brasil e Turquia) apenas estávamos viabilizando uma maneira de chegar ao acordo que estava sobre a mesa. Todas as dificuldades foram superadas". Fato. O Itamaraty e a diplomacia turca, ao fecharem acordo com Teerã, apenas fizeram com que os iranianos revissem a sua desistência de um acordo firmado há pouco tempo atrás, que havia selado com os próprios Estados Unidos e demais membros do Conselho de Segurança da ONU.

Hillary Clinton ignorou a negociação brasilo-turco-iraniana por dois motivos: desconfiança do seu país de que o Irã esteja escondendo ainda material suficiente para enriquecer a 90% e aplicar em uma ogiva nuclear e, segundo, como revide à diplomacia brasileira, com quem vem travando uma dura queda-de-braço há algum tempo. Caso contrário, por que não oferecer mais tempo ao Irã e dar prosseguimento às negociações?



[1] Conceito apresentado e defendido pelo cientista político Joseph Nye (professor da Universidade de Harvard) em seu livro Soft Power: The Means to Success in World Politics (Soft Power: Os Meios para o Sucesso no Mundo da Política), lançado em 2004.

Exibições: 11

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Marcelo Torres em 23 maio 2010 às 19:40
Infelizmente, madeira...

Na política internacional continua valendo a expressão estadunidense: "It´s my way or the highway"...
Comentário de MADEIRA em 23 maio 2010 às 7:24
sim,o obama seguirá o congresso americano q manda no país e tambem no globo.ele quer é estar na fita.quanto a politica externa americana,continuará sangrando povos,roubando sonhos e matando jovens.
Comentário de Marcelo Torres em 20 maio 2010 às 20:31
Fato, Madeira.

Vamos ver até onde irão os Estados Unidos nesta nova mentira. Mais curioso ainda será acompanhar o posicionamento de Obama (já que nada do que a Hillary fizesse me surpreenderia) - o presidente estadunidense seguirá suas próprias convicções ou se renderá aos interesses de corporações?

Aguardemos essa resposta.
Comentário de MADEIRA em 20 maio 2010 às 17:59
o lula é aguia,o usa querem manter o medo,tipo o q inventaram do iraque e barris e mais barris de petrólio saem dia e noite do iraque,um país sem governo,sangrando sua populaçao,agora querem o IRÃ,Mas podemos dizer q o argumento americano fracasou,terá q inventar outra mentira.

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }