Assisti a um filme que recomendo como metáfora para o empreendedorismo. “Os primeiros 20 milhões” é uma hilária comédia que satiriza o estouro da bolha da Internet e do comércio eletrônico do final da década de 90, através da história fictícia de um jovem (Adam Garcia) que abandona um excelente emprego no departamento de marketing de uma poderosa empresa do Vale do Silício para perseguir seu sonho de trabalhar construindo algo palpável. Ele se envolve no projeto de invenção e comercialização de um computador de 99 dólares – na verdade a grande piada do centro de estudos.
O personagem de Adam Garcia conhece uma artista cujo princípio de vida era “Simplificar, Facilitar e Economizar”. A partir desse princípio, ele reúne uma equipe que conta com um indiano (especialista em Cyberespaço e criptografia), um sujeito com TOC (especialista em realidade virtual) e um gordo meio maníaco sexual (especialista em sistema operacional). Para liderar essa equipe, ele precisou de várias habilidades como, por exemplo, saber como desafiá-los e a ferramenta utilizada foi sempre dizer que tudo era impossível, o que acabava por motivar os talentos reunidos por ele. Ele funciona muito mais como um facilitador, estimulador e conector do que um chefe que apenas demanda sua equipe.
No filme podemos encontrar vários elementos, como a proposta de que inovar é romper limites, no caso, construir um computador sem teclado, mouse e monitor. Na verdade, eles acabam por apresentar o conceito de computação em nuvem e a utilização de hologramas para interagir com o sistema. Durante todo o processo, eles acabam por enfrentar outros desafios, além do processo de criação, como falta de recursos financeiros e sabotagem da indústria, que queria continuar ganhando dinheiro com a venda de hardware. Muitas desses obstáculos levaram o líder e sua equipe a se questionar várias vezes se deveriam continuar com o projeto.
Recomendo o filme como uma lição de empreendedorismo e excelente para utilizar em sala de aula.
@blogdomarcelao

Exibições: 606

Tags: Filme, aula, comédia, empreendedorismo

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Elizabeth Tadiello em 18 abril 2011 às 14:01

Desafios!

Muito bom, levarei em conta a sua indicação.

Links Patrocinados

café história acadêmico

História do Brasil contemporâneo: Confira na íntegra a tese de doutorado "De Sarney a Collor: reformas políticas, democratização e crise (1985-1990)", defendida por David Maciel em 2010, na Universidade Federal de Goiás. Clique na imagem.

Cine História

Boa sorte

Está em cartaz nos cinemas nacionais o filme brasileiro "Boa sorte", dirigido por Carolina Jabor e com Deborah Secco no elenco. 

Sinopse: O adolescente João (João Pedro Zappa) tem uma série de problemas comportamentais: ele é ignorado pelos pais e se torna agressivo com os amigos de escola. Quando é diagnosticado com depressão, seus familiares decidem interná-lo em uma clínica psiquiátrica. No local, ele conhece Judite (Deborah Secco), paciente HIV positivo e dependente química, em fase terminal. Apesar do ambiente hostil, os dois se apaixonam e iniciam um romance. Mas Judite tem medo que a sua morte abale a saúde de João.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }