Sigmund Freud foi o criador da psicanálise. Jacques Lacan foi o seguidor que mais contribuiu e deu continuidade à sua obra. Lacan (1901-1980) nasceu na França em Orleans. Formou-se em medicina, atuando como neurologista e psiquiatra e se considerava um Psicanalista Freudiano. Lacan nasceu numa família na qual a religião católica não era apenas uma conveniência social, mas tinha um grande valor íntimo. Lacan perdeu a fé no final dos anos 20, esse foi o clímax de uma verdadeira interrogação.
Para Lacan a psicanálise não é uma ciência, uma visão de mundo ou uma filosofia que pretende dar a chave do universo. A psicanálise é uma prática, onde através do método da livre associação chegaremos ao núcleo do seu ser. Ela é comandada pela elaboração da noção do sujeito. Ela coloca esta noção de maneira nova, reconduzindo o sujeito à sua dependência significante.

A Psicanálise Lacaniana, não é uma simples corrente, mas uma verdadeira escola. Com efeito, constitui-se como um sistema de pensamento, a partir de um mestre que modificou inteiramente a doutrina e a clínica freudiana, não só forjando novos conceitos, mas também inventando uma técnica original de análise da qual decorreu um tipo de formação didática diferente da do freudismo clássico. Nesse sentido, é comparável ao kleinismo, nascido dez anos antes; na verdade, aparenta-se, sobretudo com o próprio freudismo, o qual reivindica em linha direta, à parte os outros comentários, leituras ou interpretações da doutrina vienense. O lacanismo acha-se, portanto, numa situação excepcional. Lacan foi, com efeito, o único dos grandes intérpretes da doutrina freudiana a efetuar sua leitura não para “ultrapassa-la” ou conserva-la, mas com o objetivo confesso de “retornar literalmente aos textos de Freud”. Por ter surgido desse retorno, o lacanismo é uma espécie de revolução às avessas, não um progresso em relação a um texto original, mas uma “substituição ortodoxa” deste texto.

Se para Freud utilizou conhecimentos da física e a biologia nos seus trabalhos e Lacan utilizou a lingüística, a lógica matemática e a topologia. Lacan mostrou que o inconsciente se estrutura como a linguagem. A verdade sempre teve a mesma estrutura de uma ficção, em que aquilo que aparece sob a forma de sonho ou devaneio é, por vezes, a verdade oculta sobre cuja repressão está a realidade social. Considerava que o desejo de um sonho, não é desculpar o sonhador, mas o grande “Outro” do sonhador. O desejo é o desejo do “Outro”, e a realidade é apenas para aqueles que não podem suportar o sonho. Lacan conduziu avidamente seus estudos de lógica e de topologia matemática que o levaram à formulação dos “matemas e nós barromeanos” e à doutrina do real, simbólico e imaginário. Lacan preferia a não interferência no discurso do paciente, ou seja, deixava fluir a conversa para que o próprio analisando descobrisse as suas questões, pois o risco da interpretação, é o analista passar os seus significantes para o paciente.

Exibições: 336

Os comentários estão fechados para esta mensagem de blog

Comentário de joaquim schieder da silva em 24 setembro 2012 às 16:27

Boa noite,Isa

Pela minha experiencia no CH vejo que os blogs nao sao muito concorridos ,por isso aconselho que abras um grupo sobre o tema que gostares e convida as pessoas que gostarias de ter no grupo ,temos aqui pessoas muito bem formadas em História e em religiao ,entre outras .

Os grupos ficam muito tempo no mesmo sítio ,mas os blogs vao ficando para trás quando um novo aparece.

Nao creio que precises de moderar os comentários ,porque pode ser um entrave á entrada de novos membros.

Os grupos com temas  polémicos sao os mais ativos ,á excepcao do meu que é o mais ativo ,mas eu sou o seu único ator (quase)

Espero corresponder ao que esperas para o teu blog,mas eu só tenho a aprender contigo nesta area .

Um abraco

Comentário de Isa Carvalho em 5 abril 2012 às 2:25

A obra

Jacques Lacan (1901-1981) é considerado um dos revolucionários do campo freudiano. Médico de formação, uniu a experiência em psiquiatria – forjada na Enfermaria Especial para alienados da Chefatura de Polícia de Paris, junto ao grande mestre Clérambault – à filosofia, à lingüística, à matemática. Leitor de pensadores como Alexandre Kojève, Georges Bataille, Hegel, Heidegger, Wittgenstein, Ferdinand de Saussure e Lévi-Strauss, entre outros, deu um sentido contemporâneo à teoria e à prática psicanalíticas, influenciando campos do conhecimento para além das fronteiras da psicanálise.

Era a década de 1950 e Lacan participava, juntamente com outros intelectuais e artistas, daquele que pode ser considerado um dos momentos de maior efervescência cultural em solo francês desde o caso Dreyfus no século XIX.

Seus famosos seminários anuais no Hospital Sainte-Anne e depois na École Normale Supérieure, que chegaram a reunir centenas de pessoas das mais variadas áreas, iniciaram-se com a proposta de uma releitura da obra freudiana, um resgate da palavra do pai da psicanálise à luz de outras estruturas, um projeto audacioso que levou adiante durante 26 anos.

De início, nos anos 30 e 40, encontramos um Lacan voltado para a fenomenologia, a filosofia hegeliana e o surrealismo. A década de 1950 marca seu engajamento ao movimento estruturalista, seu encontro com a obra de Lévi-Strauss, cujo resultado está expresso na famosa fórmula “o inconsciente estruturado como uma linguagem” – trata-se, seguramente, do Lacan mais conhecido. Por último, o pesquisador dos nós borromeanos, da topologia, da escrita sintomática de Joyce, o Lacan matemático, enfim.

Nos três tempos de sua obra, deixou contribuições inestimáveis para a psicanálise, principalmente no que diz respeito à clínica da psicose e à ética da psicanálise. Abraçou a questão da análise terminável ou interminável levantada por Freud, buscando identificar o ponto de passagem do analisante à analista, e com isso levantou (e ainda levanta) a poeira das instituições psicanalíticas. Preocupou-se com os laços sociais e seus discursos, com os objetos de consumo, com a constituição subjetiva e dos saberes, inclusive o próprio saber psicanalítico.

Em tom coloquial, esta obra de Alain Vanier apresenta, portanto, o personagem Lacan e alguns de seus mais importantes conceitos, como os registro do Real, Simbólico e Imaginário, objeto a , significante, Nome-do-Pai, entre outros, elementos que comprovam a vivacidade teórica do psicanalista que Lacan encarnou sem concessão.

 

Sobre Lacan

“Lacan viu e compreendeu a ruptura libertadora de Freud. Compreendeu-a no sentido pleno da palavra, tomando ao pé da letra seu rigor e forçando-a a produzir sem trégua nem concessões suas próprias conseqüências [...] devemos a ele o essencial.” (Louis Althusser)

“[No debate com as neurociências] Lacan é importante, como Foucault e Derrida. Há nele uma reflexão filosófica, uma teoria do sujeito, uma teoria da liberdade que mostra que não somos submetidos a comportamentos.” (Elisabeth Roudinesco)

“No retorno a Freud, o percurso de volta ao precursor se faz por uma radicalização do discurso analítico. É o que eu proponho chamar de ‘afreudisíaco' Lacan. O que outra coisa não é senão um exponenciar em princípio obsessivo de estilo, um elevar até a extrema potência de linguagem aquilo que, em Freud, era sobretudo um dispositivo de leitura analítica (ainda quando rastreável nos paradigmas dispersos de uma indubitável predisposição escritural).” (Haroldo de Campos)

 

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }