Comentário sobre o livro "O Japão", de Aluísio de Azevedo.



Conforme postei no site Wikipédia, O Japão é um dos livros menos conhecidos de Aluísio de Azevedo, provavelmente escrito enquanto o autor esteve em serviço como Vice-cônsul no Japão (Yokohama), entre 1897 a 1899.

Durante este período, com apenas três décadas de atraso em relação à inauguração da Era Meiji, o autor pôde colher de fontes ainda recentes, dados que viriam a compor a sua visão sobre as transformações econômicas, sociais e políticas que sacudiram décadas antes a sociedade japonesa, após a abertura forçada ao ocidente pela chegada do estadunidense Comodoro Perry e sua força naval às costas japonesas com uma "carta de amizade" que exigia do país a abertura imediata de seus portos às nações estrangeiras, extraterritorialidade para seus patrícios (no que foi seguido por Itália, Inglaterra, entre outras nações imperialistas ocidentais), entre outras benesses, sob pena implícita de ataque ao país.

É um livro que, apesar de certas limitações concernentes à vertente literária para uma análise histórica, além de alguns erros, serve de referência a todos que tiverem interesse em le-lo como literatura complementar do final do período do shogunato Tokugawa, dando uma dimensão de alguns motivos pelos quais o Japão foi retirado de seu isolacionismo para forçosamente aderir ao capitalismo, aos desregramentos sociais mais característicos na Europa e Estados Unidos daquela época e finalmente lançando-se ao imperialismo no oriente como forma de igualar-se aos seus rivais ocidentais, numa tentativa de preservar a integridade nacional.

A obra pode não ser perfeita, mas possui algumas sacadas geniais de Aluísio de Azevedo.

Exibições: 140

Tags: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Jap%C3%A3o

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Violette

Chega aos cinemas brasileiros o drama franco-belga “Violette”, do diretor estreante Martin  Provst.

Sinopse: No início dos anos XX, a escritora Violette Leduc (Emmanuelle Devos) encontra a filósofa Simone de Beauvoir (Sandrine Kiberlain). Nasce entre as duas uma intensa amizade que dura toda a vida, ao passo que Simone encoraja Violette a escrever mais, expondo as suas dúvidas e medos, abordando todos os detalhes da intimidade feminina.

café história acadêmico

Guerra do Paraguai na literatura didática: Confira, na íntegra, a dissertação de mestrado  “A Guerra do Paraguai na Literatura Didática: um estudo comparativo”, do historiador André Mendes Salles (UFP). Clique aqui e leia.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }