Comentário sobre o livro "O Japão", de Aluísio de Azevedo.



Conforme postei no site Wikipédia, O Japão é um dos livros menos conhecidos de Aluísio de Azevedo, provavelmente escrito enquanto o autor esteve em serviço como Vice-cônsul no Japão (Yokohama), entre 1897 a 1899.

Durante este período, com apenas três décadas de atraso em relação à inauguração da Era Meiji, o autor pôde colher de fontes ainda recentes, dados que viriam a compor a sua visão sobre as transformações econômicas, sociais e políticas que sacudiram décadas antes a sociedade japonesa, após a abertura forçada ao ocidente pela chegada do estadunidense Comodoro Perry e sua força naval às costas japonesas com uma "carta de amizade" que exigia do país a abertura imediata de seus portos às nações estrangeiras, extraterritorialidade para seus patrícios (no que foi seguido por Itália, Inglaterra, entre outras nações imperialistas ocidentais), entre outras benesses, sob pena implícita de ataque ao país.

É um livro que, apesar de certas limitações concernentes à vertente literária para uma análise histórica, além de alguns erros, serve de referência a todos que tiverem interesse em le-lo como literatura complementar do final do período do shogunato Tokugawa, dando uma dimensão de alguns motivos pelos quais o Japão foi retirado de seu isolacionismo para forçosamente aderir ao capitalismo, aos desregramentos sociais mais característicos na Europa e Estados Unidos daquela época e finalmente lançando-se ao imperialismo no oriente como forma de igualar-se aos seus rivais ocidentais, numa tentativa de preservar a integridade nacional.

A obra pode não ser perfeita, mas possui algumas sacadas geniais de Aluísio de Azevedo.

Exibições: 134

Tags: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Jap%C3%A3o

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }