BIBLIOTECA PÚBLICA ESTADUAL LUIZ BESSA .MG COLEÇÕES RARAS.

   Governo de Minas Gerais 
Página Inicial Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa Coleções Especiais

Coleções Especiais

PDFImprimirE-mail

Setor de Coleções Especiais:
 


O Setor de Coleções Especiais da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa tem a missão de preservar um acervo tido como patrimônio público precioso e que requer um grau de proteção maior pela relevância, raridade, beleza e pelo seu conteúdo representativo da cultura universal. São adotados critérios específicos de conservação, devido à maior cautela e cuidados especiais quanto à utilização pelos leitores.
Seu acervo, composto por cerca de 84.000 exemplares, é formado pelas coleções: de Artes, Obras Raras, Mineiriana, Patrimonial, Memória Infantil, Hemeroteca Histórica, Alcino Bicalho e Rita Adelaide.
A consulta ao acervo é aberta ao público apenas para pesquisa local. Não se permitem cópias xerográficas, sendo permitido fotografar, sem flash, parte de algumas obras, de acordo com a lei de direitos autorais e respeitando o regulamento interno de cada coleção.


Coleção Mineiriana - criada pelo decreto n.º1.196, de 03 de agosto de 1969, a Coleção abrange atualmente cerca de 18.512 itens, distribuídos em livros, materiais áudio visuais, mapas, catálogos, folhetos e plantas. Fazem parte do acervo a produção de autores mineiros, obras sobre Minas Gerais, sua história, letras, política, cultura, artes e ciências. A qualidade da Coleção confirma sua função de guardiã de parte significativa do patrimônio intelectual e cultural do Estado. Destaca-se como referência indispensável para pesquisadores, professores, estudantes de graduação e pós-graduação, escritores, jornalistas, historiadores, bibliófilos e principalmente por estar aberta ao público em geral. Promove ações de incentivo ao livro e à leitura através de palestras, exposições temáticas e visitas guiadas.

Coleção Patrimonial - reúne cerca de 50.685 livros nacionais e estrangeiros considerados especiais  como primeiras edições, edições esgotadas, com dedicatórias de escritores, ilustrações e encadernações preciosas, dicionários, enciclopédias, tratados e obras relevantes e representativos da cultura universal em todas as áreas do conhecimento.

Coleção José Alcino Bicalho – formada pelo bibliófilo José Alcino Bicalho, é composta por 331 exemplares, em sua maioria obras raras, versando sobre religião, literatura francesa e história. Destaca-se pelo precioso incunábulo de 1.493, publicado em Nuremberg, ricamente ilustrado com capitulares e iluminuras.

Coleção sobre Artes - é uma das mais completas coleções sobre artes existente em Minas Gerais, que se destacam pela qualidade gráfica de muitos dos seus livros. Constituída por cerca de 6.914 exemplares, contempla a arte nas suas várias formas e conteúdo abrangendo a história da arte, pintura, escultura, cinema, teatro, música, arquitetura, dança, decoração, artesanato, antiguidades, arte sacra, fotografia, porcelana, prataria, tapeçaria, entre tantos outros.

Coleção Rita Adelaide – composta por 1.258 volumes, representa a biblioteca pessoal do jurista e bibliófilo Tancredo Martins e recebeu este nome em homenagem à sua saudosa mãe. Destaca-se pelo seu conteúdo, raridade, beleza e singularidade das encadernações, ilustrações e iluminuras. Os títulos tratam principalmente de religião, literatura, história, filologia e obras de referência. Também figuram no acervo livros sobre artes, botânica e geografia.

Coleção Memória Infantil – o acervo é composto por cerca de 2.948 obras, destinadas ao público infantil, que foram publicadas antes do ano de 1968. Fazem parte da coleção livros literários e não literários com as seguintes características: cartilhas e livros de leitura do final do século XIX e início do século XX, em língua portuguesa e estrangeira; livros traduzidos e adaptados para a infância; edições originais de primeira tiragem; livros importantes quanto à representatividade no cenário da literatura infanto-juvenil e escolar, como as Fábulas de Jean de La Fontaine; O livro de Lili, de Anita Fonseca; Lalau, Lili e o Lobo, de Rafael Grisi; A bonequinha preta, de Alaíde Lisboa de Oliveira; dentre outros.

Coleção de Obras Raras - é formada por 1.554 obras, publicadas entre os séculos XIV e XIX, relacionadas nos principais Repertórios Especializados ou em Catálogos de Referência. São obras que se destacam pela sua raridade e beleza, em edições numeradas, esgotadas, de tiragem reduzida, com marcas de propriedade – obras com carimbos, assinaturas, brasões, ex-libris - primeiras edições, encadernações em couro, ilustrações, iluminuras e litogravuras.

 

SUPERINTENDÊNCIAS

EDITAIS E PROJETOS

FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA

INSTITUIÇÕES E ESPAÇOS CULTURAIS

PROJETOS ESTRUTURADORES

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FUNDO ESTADUAL DE CULTURA
 
 
- EDITAIS
 
 
 
 
 
 
 
- RESULTADOS
 
 
 
SERVIÇOS
 
 
 

 

> FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA

>  BIBLIOTECAS

> AÇÃO CULTURAL

> ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* LEIC - LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA
 
 
 
   SEC | Cidade Administrativa - Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n - Serra Verde - BH - 31630-901          Todos os direitos reservados. Aspectos legais
 
 
 

Exibições: 141

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }