BIBLIOTECA PÚBLICA ESTADUAL LUIZ BESSA .MG COLEÇÕES RARAS.

   Governo de Minas Gerais 
Página Inicial Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa Coleções Especiais

Coleções Especiais

PDFImprimirE-mail

Setor de Coleções Especiais:
 


O Setor de Coleções Especiais da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa tem a missão de preservar um acervo tido como patrimônio público precioso e que requer um grau de proteção maior pela relevância, raridade, beleza e pelo seu conteúdo representativo da cultura universal. São adotados critérios específicos de conservação, devido à maior cautela e cuidados especiais quanto à utilização pelos leitores.
Seu acervo, composto por cerca de 84.000 exemplares, é formado pelas coleções: de Artes, Obras Raras, Mineiriana, Patrimonial, Memória Infantil, Hemeroteca Histórica, Alcino Bicalho e Rita Adelaide.
A consulta ao acervo é aberta ao público apenas para pesquisa local. Não se permitem cópias xerográficas, sendo permitido fotografar, sem flash, parte de algumas obras, de acordo com a lei de direitos autorais e respeitando o regulamento interno de cada coleção.


Coleção Mineiriana - criada pelo decreto n.º1.196, de 03 de agosto de 1969, a Coleção abrange atualmente cerca de 18.512 itens, distribuídos em livros, materiais áudio visuais, mapas, catálogos, folhetos e plantas. Fazem parte do acervo a produção de autores mineiros, obras sobre Minas Gerais, sua história, letras, política, cultura, artes e ciências. A qualidade da Coleção confirma sua função de guardiã de parte significativa do patrimônio intelectual e cultural do Estado. Destaca-se como referência indispensável para pesquisadores, professores, estudantes de graduação e pós-graduação, escritores, jornalistas, historiadores, bibliófilos e principalmente por estar aberta ao público em geral. Promove ações de incentivo ao livro e à leitura através de palestras, exposições temáticas e visitas guiadas.

Coleção Patrimonial - reúne cerca de 50.685 livros nacionais e estrangeiros considerados especiais  como primeiras edições, edições esgotadas, com dedicatórias de escritores, ilustrações e encadernações preciosas, dicionários, enciclopédias, tratados e obras relevantes e representativos da cultura universal em todas as áreas do conhecimento.

Coleção José Alcino Bicalho – formada pelo bibliófilo José Alcino Bicalho, é composta por 331 exemplares, em sua maioria obras raras, versando sobre religião, literatura francesa e história. Destaca-se pelo precioso incunábulo de 1.493, publicado em Nuremberg, ricamente ilustrado com capitulares e iluminuras.

Coleção sobre Artes - é uma das mais completas coleções sobre artes existente em Minas Gerais, que se destacam pela qualidade gráfica de muitos dos seus livros. Constituída por cerca de 6.914 exemplares, contempla a arte nas suas várias formas e conteúdo abrangendo a história da arte, pintura, escultura, cinema, teatro, música, arquitetura, dança, decoração, artesanato, antiguidades, arte sacra, fotografia, porcelana, prataria, tapeçaria, entre tantos outros.

Coleção Rita Adelaide – composta por 1.258 volumes, representa a biblioteca pessoal do jurista e bibliófilo Tancredo Martins e recebeu este nome em homenagem à sua saudosa mãe. Destaca-se pelo seu conteúdo, raridade, beleza e singularidade das encadernações, ilustrações e iluminuras. Os títulos tratam principalmente de religião, literatura, história, filologia e obras de referência. Também figuram no acervo livros sobre artes, botânica e geografia.

Coleção Memória Infantil – o acervo é composto por cerca de 2.948 obras, destinadas ao público infantil, que foram publicadas antes do ano de 1968. Fazem parte da coleção livros literários e não literários com as seguintes características: cartilhas e livros de leitura do final do século XIX e início do século XX, em língua portuguesa e estrangeira; livros traduzidos e adaptados para a infância; edições originais de primeira tiragem; livros importantes quanto à representatividade no cenário da literatura infanto-juvenil e escolar, como as Fábulas de Jean de La Fontaine; O livro de Lili, de Anita Fonseca; Lalau, Lili e o Lobo, de Rafael Grisi; A bonequinha preta, de Alaíde Lisboa de Oliveira; dentre outros.

Coleção de Obras Raras - é formada por 1.554 obras, publicadas entre os séculos XIV e XIX, relacionadas nos principais Repertórios Especializados ou em Catálogos de Referência. São obras que se destacam pela sua raridade e beleza, em edições numeradas, esgotadas, de tiragem reduzida, com marcas de propriedade – obras com carimbos, assinaturas, brasões, ex-libris - primeiras edições, encadernações em couro, ilustrações, iluminuras e litogravuras.

 

SUPERINTENDÊNCIAS

EDITAIS E PROJETOS

FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA

INSTITUIÇÕES E ESPAÇOS CULTURAIS

PROJETOS ESTRUTURADORES

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FUNDO ESTADUAL DE CULTURA
 
 
- EDITAIS
 
 
 
 
 
 
 
- RESULTADOS
 
 
 
SERVIÇOS
 
 
 

 

> FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA

>  BIBLIOTECAS

> AÇÃO CULTURAL

> ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* LEIC - LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA
 
 
 
   SEC | Cidade Administrativa - Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n - Serra Verde - BH - 31630-901          Todos os direitos reservados. Aspectos legais
 
 
 

Exibições: 109

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }