ASSIM ERA MINHA MÃE!

Minha querida mãe era uma linda mulher,
De face, de coração, de atitudes, atos e emoções.
Construir uma lar benevolente era seu mister.
Viveu num clima de pureza, mas de puras sensações.

Plantou sementes, botões, colheu lírios e rosas.
Multicores, brilhantes, belas, brilhantes e perfumadas,
A colheita foi à esperada, as safras esplendorosas.
Rainha do lar, trabalhadora com raízes emolduradas.

De Deus o Pai Maior veio alegria, a primazia e a destinação,
Na vida cansativa não lastimava, lutava como uma guerreira.
Doava-se ao companheiro, aos filhos ao lar com amor no coração,
Na etapa evolutiva de lutas e tarefas brilhou a vida inteira.

Colheu muitos frutos, amou como devia como uma brava senhora,
Com o corpo cansado, os cabelos brancos realçavam a bravura e a ternura expandia.
Sempre com o sorriso estampado levava a vida de colher, com esmero sem penhora.
Lutou o quanto pode, mas com a sua destinação já traçada se entregou ao Senhor sem rebeldia.


ANTONIO PAIVA RODRIGUES-FORTALEZA/CEARÁ

Exibições: 310

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

Cine História

Noites brancas no píer

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme francês “Noites brancas no píer”, de Paul Vecchiali. 

Sinopse: No píer de uma cidade portuária, uma jovem mulher espera o homem de sua vida. Todos os dias, um homem, que está passando por um período sabático, caminha pela região. Depois de quatro noites, eles começam a conversar. Ele se apaixona pela mulher, mas precisa ir embora da cidade. Além disso, o homem que ele tanto esperava, aparece.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Parceria: NIEJ-UFRJ

© 2015   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }