As Lutas e Conquistas das Mulheres na Sociedade Contemporânea



No dia 08 de Março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher, mas pouca gente sabe a origem da data.

Em 08 de março de 1857, as operárias de uma fábrica de tecidos em Nova Iorque, iniciaram uma grande greve, reivindicando melhores condições de trabalho, tratamento digno dentro das fábricas, carga horária 10 h diárias (na época a carga horária variava entre 16h e 18h diárias) e equiparação salarial com os homens. As mulheres chegavam a receber até menos da metade do salário masculino para executavam as mesmas tarefas.

Essa greve foi tratada como caso de polícia, como todas as manifestações populares e trabalhistas mundo a fora durante a Segunda Revolução Industrial(1850-1900). Neste caso a repressão foi muito maior, já que se tratava de mulheres reivindicando melhorias na área trabalhista. As grevistas haviam ocupado parte da fábrica, e este local foi trancado e incendiado premeditadamente. Cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Nenhuma medida judicial foi aplicada ao dono da fábrica e muito menos aos policiais que atearam fogo no local.

Somente em 1910, numa Conferência na Dinamarca a data passou a ser lembrada como dia de luta da mulher, mas somente em 1975 a ONU(Organização das Nações Unidas) internacionalizou o dia 08 de março, que por fim passou a ser o Dia Internacional da Mulher.

Porém, a luta pela igualdade sexual no ambiente de trabalho não findou-se neste episódio. O século XX, veio marcado por lutas e as mulheres passaram a exigir muito mais do que apenas carga horária ou equiparação salarial.

A década de 1960, marcada por profundas mudanças trouxe a tona todas as necessidades das mulheres, em serem reconhecidas como força de trabalho, como força intelectual e como donas de suas vontades, do seu corpo e dos seus desejos. O surgimento da pílula anticoncepcional, dará as mulheres o direito de escolher quando e se querem engravidar, o lema faça amor não faça a guerra, irá pregar o amor livre e a escolha dos parceiros, e o divórcio irá libertar a mulher daquele casamento fracassado, que deveria durar “até que morte nos separe”.

Enfim, as mulheres começaram a existir como seres humanos atuantes, com vontade própria e muita dignidade. A sexualidade libertou-se, a virgindade passou a ser opção e não mais imposição. Nas décadas de 70 e 80, as mulheres conquistaram mais espaço no mercado de trabalho, e hoje lideram muitas vezes equipes em grandes empresas. Mais com todas essas conquistas ainda vivemos num ambiente hostil. Ainda há muita violência contra a mulher, muita das vezes esta violência está dentro de casa, nas figuras do pai, marido padrasto e irmão.

Mas acreditamos que avançaremos cada vez mais , pois a justiça que antes matou queimadas as operárias, agora nos dá voz contra a violência, com a Lei Maria da Penha.

Por Denise Olivieira- Março 2010

Exibições: 10240

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }