O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Arquivo Café História | Urbana Legio Omnia Vincit

Urbana Legio Omnia Vincit

Uma das maiores bandas brasileiras, a Legião Urbana terminou em 1996 com a morte de Renato Russo, mas sua história continua sendo escrita com versos fortes

Por volta de uma hora da madrugada do dia 11 de outubro de 1996, o líder da banda de rock Legião Urbana, Renato Russo, faleceu devido a complicações decorrentes da Aids, em seu apartamento na rua Nascimento Silva, em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. A partir daquele momento, a notícia correu o Brasil, o mundo e deu início a uma lenda que circula até hoje entre os fãs da Legião Urbana: nos bastidores do Jornal Nacional, da Rede Globo, a então apresentadora Lilian Witte Fibe não estava convencida de que o JN deveria dedicar meio jornal para a morte do cantor. Poucos antes de entrar no ar, William Bonner, tenso, lançou mão de uma estratégia para convencer Witte Fibe da escolha editorial do jornal: recitou-lhe todos os 159 versos de Faroeste Caboclo, a maior e talvez a mais impactante música da banda da Legião. Deu certo. E se aos 15, João de Santo Cristo foi mandando ao reformatório onde aumentou seu ódio diante de tanto terror, em 1996 o Jornal Nacional mandou ao ar a completa homenagem ao líder da Legião Urbana e aumentou ainda mais o culto à banda. Mas esse fenômeno da historia da música brasileira começou muitos anos antes, naquela que foi chamada de a “década perdida”.

Talvez década perdida para a economia brasileira. Mas para a cultura e, mais especificamente, para a música brasileira, foi na década de 1980 que se ganhou muito. No início daqueles anos, um grupo de jovens que viviam em Brasília, em geral filhos de diplomatas, políticos ou ainda jornalistas, entediavam-se com freqüência. Entediavam-se com o marasmo da capital, com a repressão da ditadura militar, com a violência das “veraneios vascaínas”, como eram chamadas as viaturas policiais, com os pais e com a própria música brasileira.

Para esses jovens, quase todos iniciando os vinte anos, o modelo estava na Inglaterra, no movimento punk daquele país. Os rifs de guitarras e letras de bandas como Joy Division e Sex Pistols eram o exemplo a seguir. Foi nesse ambiente de revolta e insatisfação que cresceu o ainda Renato Manfredini Júnior, onde nasceram a Legião Urbana e tantas outras bandas que fundaram a geração hoje conhecida como “rock br 80”.

De Brasília, vieram bandas como a “Legião Urbana”, “Aborto Elétrico”, “Capital Inicial”, “Plebe Rude”, “Paralamas do Sucesso” dentre outras, que fizeram da década de 1980, a década do rock Brasil. Essas bandas trabalhavam com simplicidade, basicamente três acordes, como rezava a “lei do punk”. Mas isso foi o suficiente para levá-las ao estrelato.

Depois de estourar em Brasília, o caminho da Legião Urbana foi o Rio de Janeiro, como muitas outras. No Rio, a Legião Urbana, então formada por Renato Russo, Dado Villa Lobos, Marcelo Bonfá e Renato Rocha, ganhou o país com suas letras engajadas, com sua postura debochada, mas também com letras de amor, amizade e dor.

Nos quatorze anos de existência, entre 1982 e 1996, a Legião Urbana levou verdadeiras multidões a seus shows. Mas nada de casas noturnas. A Legião Urbana tocava em estádios de futebol completamente lotados. Para alguns, se tratava de uma experiência quase mística, de meditação. Isso refletiu, claro, no sucesso comercial da banda. Foram ao todo treze álbuns lançado, somando mais de vinte milhões de discos vendidos.

O enorme sucesso da Legião Urbana foi interrompido com a morte de Renato Russo aos 36 anos em 1996. Mas isso não significou o fim do lugar que a banda ocupava no cenário nacional. Hoje, passados quatorze anos desde a sua morte(e também do fim da banda), os álbuns da Legião continuam vendendo bem. A vida de Renato Russo já foi levada ao teatro, em peça que leva seu nome e na qual o líder da Legião é interpretado pelo ator Bruce Gomlevsky. Em breve, deve estrear um filme sobre a vida de Renato Russo, além de um filme baseado na letra de Faroeste Caboclo.

No meio editorial, são diversas as biografias, como a excelente “Renato Russo”, de Arthur Dapieve. Na academia, a banda também provoca interesse, com artigos, livros, monografias e outros projetos. Mostram que a banda que pregava “força sempre” continua fazendo jus ao seu lema principal. E, por mais que tenha seus detratores, desafetos, desconfiados, a Legião Urbana é bastante respeitada por todos, como um capítulo importante da música brasileira.

Para que você, leitor, possa lembrar um pouco da trajetória da Legião Urbana, de Renato Russo, o Café História traz alguns links interessantes. Confira:

A Morte de Renato Russo no Jornal Nacional

Parte I: http://cafehistoria.ning.com/video/jornal-nacional-especial

Parte II: http://cafehistoria.ning.com/video/jornal-nacional-especial-1

Legionários do Rock: Um Estudo sobre quem pensa, ouve e vive a música do Legião Urbana. (Dissertação de Mestrado - IFCS/UFRJ)

http://www.biblioteca-acaoeducativa.org.br/dspace/bitstream/1234567...

Site Completíssimo sobre a Legião Urbana

http://beta.legiaourbana.com.br/

Urbana Legio Omnia Vincit (Urbana Legio Omnia Vincit)

Exibições: 1281

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Comentário de Cintia de Freitas em 29 abril 2013 às 22:32

Tenho o desejo de falar sobre o Renato/L.U. em minha Monografia. Li um pouco da Tese de Mestrado Legionários do Rock e gostei da abordagem! 

Aceito sugestões!!!rs

Comentário de Jane Rosana Cassol em 14 fevereiro 2011 às 17:58
"Faroeste Caboclo", a música de nove minutos da banda Legião Urbana, vai virar um filme.

O longa-metragem, que leva o nome da canção, será dirigido por René Sampaio e produzido através de uma parceria entre a Gávea Filmes e a Globo Filmes. Os atores Fabrício Boliveira, Felipe Abib e Ísis Valverde interpretarão, respectivamente, João de Santo Cristo, Jeremias e Maria Lúcia.
Comentário de CARLA SOARES SCHIAVO em 26 agosto 2010 às 8:30
..com eles aprendi que...."é preciso amar as pessoas como se não ouvesse amanha..."
Comentário de Michelle Fabianne costa frías em 9 agosto 2010 às 10:32
OS POETAS NÃO MORREM !
VIRAM LENDAS!
Comentário de Angelina em 8 agosto 2010 às 15:47
Eu sou uma prova de que a Legião não desvaneceu e nem irá sumir.Meus netos ouvirão Renato Russo,e os netos deles também...
Comentário de Norma Regina Setubal Moreira em 8 agosto 2010 às 14:41
Foi a partir de estudos da História Cultural que foi possível realizar minha pesquisa sobre a História do Rádio no Pará, sobretudo lendo Peter Burke - História Social da Mídia - e Alcir Lenharo - Cantores do Rádio - e mais especificamente por estimulo de um Professor da Ufpa que resolveu inovar o campo de pesquisa de seus alunos(as). Eu adorei a experiencia e até hoje, faço pesquisas, não só sobre o rádio, mas sobre a televisão também e o seus impactos no cotidiano de todos nós.
Comentário de Thaty em 6 agosto 2010 às 22:58
"é tão estranho.... os bons morrem jovens... assim parece ser.... qdo me lembro de vc....!"

Na fase mais tribulada e confusa de nossas vidas... a tão famijerada adolescência.... eis que me deparo com um amigo fiel.... um poeta... que sabia expressar em versos minha agonia, tristeza e solidão... mas tbm meus sonhos utópicos, de amor e fraternidade....

A Legião Urbana e Renato Russo esteve e está presente em minha vida, nos melhores momentos e tbm em alguns momentos ruins.... sua poesia continua viva na memória e na vida das pessoas que viveram na década de 80, como também crianças e jovens que, influenciados por nós, compartilham desse grupo que, com certeza é um ícone da década mais truculenta e fértil, musicalmente falando... Feliz daquele q pode presenciar toda essa miscelânia criativa.....

"Somos os filhos da revolução...Somos burgueses sem religião... somos o futuro da nação...Geração Coca-Cola
Comentário de Paula Mello em 5 agosto 2010 às 9:51
O espetáculo de teatro continua em cartaz aqui em São Paulo, ainda bem. Renato, como muitos dos visionários deste país, jamais será esquecido, e quem ama a Legião, tem essa tarefa, de fazer prosseguir sempre a visão crítica da realidade, inclusive tendo a arte e a música como instrumento maior. A sua influência no meio musical ainda será sentida por muito tempo, o que ee bom não envelhece. Pena que Renato tinha razão, os bons morrem cedo.
Comentário de Roberto Faria em 4 agosto 2010 às 21:23
Bem sabemos que a música sempre teve seu lado provocativo e também questionadora, mas falar que quem viveu os anos 80 não conhece o verdadeiro significado das letras das musicas deste tempo, já acho um absurdo e também dizer que nada quase mudou acho que é viver fora da realidade.
Mas pena que muitos dos nossos ídolos simplesmente viraram mitos, e nos dias de hoje podemos afirmar que musicalmente não produziremos outros.
E falar de letras com conteúdo e criticas politicas como as dos anos 80 e 90 e dizer que nada mudou, meu acho que estou em Marte, pois todas as bandas nascidas em Bsb, nasceram para criticar uma forma de governo que não existe mais. Mas ainda sim digo que os compositores deveriam sim fazer musicas com criticas politicas, pois se vivemos uma Democracia, ainda que pouco amadurecida devemos a este caras que tiveram a ousadia de criticar esta forma repressora de governar e que vive pairando pelas sombras de um passado nao muito longinquo querendo voltar.
Comentário de andré luiz do nascimento rosa em 4 agosto 2010 às 19:03
AS MÚSICAS DA L.U CONTINUAM MOSTRANDO Q O PAÍS POUCO MUDOU, E Q OS JOVENS DE ADULTOS DE HOJE, CANTAM AS MÚSICAS DA L.U MAS NUNCA COMPREENDERAM DE VERDADE SUAS LETRAS EX :"DUAS CRIANÇAS DERRUBANDO REI FAZER COMÉDIA NO CINEMA COM AS SUAS LEIS" AINDA ESTAMOS MUITO LONGE DE LEVAR A SÉRIO AS LETERAS TÃO MARCANTE ;ONDE MUITOS CANTAM MAS NÃO ENCANTAM , OU MELHOR NÃO ENTENDEM!!!!!!!!!!!!!!!!! É ISSO FORÇA SEPRE!!!

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }