Arquivo Café História | O Haiti e a Retirada da Minustah

O Haiti e a Retirada da Minustah

Professor de Relações Internacionais da FGV-RJ fala sobre a situação do Haiti e a posição do Brasil, que coordena missão presente no país desde 2004

por Maurício Santoro*

Na última quinzena, foi divulgado um vídeo no qual soldados uruguaios das tropas de paz da ONU no Haiti aparecem abusando sexualmente de um rapaz no país. Houve manifestações criticando os militares estrangeiros e o novo presidente haitiano, Michel Martelly, reforçou seu pleito para que o Exército nacional seja recriado e o governo do Haiti volte a assumir a responsabilidade pela segurança do país. E o novo ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, propôs e seus homólogos sul-americanos que chegou a hora da estabelecer o cronograma de retirada da missão. Após sete anos de presença das forças das Nações Unidas no país, já ocorreram duas eleições presidenciais democráticas. Contudo, os desafios com relação ao desenvolvimento e ao crime continuam enormes, em grande medida em função do terrível terremoto de 2010.

O país é o mais pobre das Américas e sua história política tem sido marcada por forte instabilidade e pelo predomínio dos regimes autoritários e intervenções estrangeiras. A Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), iniciada em 2004, é apenas a mais recente de uma série de tentativas da ONU em lidar com os problemas daquela nação. Tem sido a mais bem-sucedida: além do reestabelecimento das eleições, a economia voltou a crescer (em média 2,5% ao ano) e a segurança foi garantida a nível suficiente para a ação das organizações humanitárias, com a relativa pacificação das grandes favelas da capital Porto Príncipe, como a Cité Soleil.

O Brasil lidera o componente militar da missão. A Minustah foi analisada pela imprensa brasileira sobretudo pelo prisma da segurança pública, uma vez que as ações das Forças Armadas no Haiti serviram de prelúdio para operações semelhantes nas favelas do Rio de Janeiro. Esse enfoque praticamente excluiu o debate sobre os temas relacionados à promoção do desenvolvimento e ao novo papel do Brasil como doador internacional.

O Haiti foi importante para o trabalho conjunto de órgãos públicos e de ONGs brasileiras em temas de cooperação - como as atividades do Viva Rio no desarmamento, da Action Aid Brasil no combate a epidemias e da Pastoral da Criança. Também foi fundamental para a ação coordenada dos militares sul-americanos, que somam cerca de 45% dos efetivos da missão, e para o uso criativo do esporte como instrumento de construção de confiança junto à população local.

Outros pontos merecem análise mais aprofundada, por conta de erros que podem ser corrigidos em futuras operações de paz. Houve dificuldades na transparência e prestação de contas nas denúncias de violações de direitos humanos por parte de militares da Minustah. Os projetos de desenvolvimento tem se restringido a intervenções pontuais para resolver problemas localizados, sem a formulação de uma abordagem ampla que reconstruísse o Estado haitiano.

Muito se perdeu com o terremoto de 2010, que causou prejuízos superiores ao PIB do Haiti, destruiu quase todos os prédios do governo e matou a maior quantidade de militares brasileiros desde a Segunda Guerra Mundial. Mesmo as missões de paz trazem riscos de morte e faltou um debate sólido no Brasil sobre os objetivos e interesses do país na Minustah em operações semelhantes.A questão agora é discutir o ritmo adequado da saída da missão de paz, a reconstrução da autoridade militar do Haiti e evitar os erros comettidos no Timor Leste, onde uma retirada prematura das tropas da ONU resultou na retomada da violência inter-étnica.


*Jornalista, doutor em Ciência Política pelo IUPERJ. Professor do MBA em Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro. Autor do livro “Ditaduras Contemporâneas” (Editora da FGV, no prelo). É criador do blog “Todos os Fogos o Fogo”, que aborda temas relativos às relações internacionais, estudos sobre o desenvolvimento, políticas públicas, direitos humanos, cinema e literatura. Acesse e confira: http://todososfogos.blogspot.com/, onde o texto acima foi originalmente publicado. 

 Agradecemos a Maurício Santoro pela permissão de reprodução do texto no Café História.

Exibições: 1148

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Comentário de Fabricio Cavalcanti em 8 novembro 2011 às 9:38
Ianna, com o devido respeito, não ha nenhuma questão delicada. Se os soldados violentaram o garoto devem ser presos como bandidos comuns. Se o garoto se prostituiu para eles, que sejam expulsos do exército por praticar suas "preferências sexuais" vergando a farda e armas.
Comentário de JOAQUIM DE SOUSA MADEIRO em 24 setembro 2011 às 18:22
É lamentável, para não dizer deplorável, quando não se tem argumentos nem conhecimento de causa ou da causa e se apega a bordões políticos partidários para se fazer referência a um determinado assunto. A complexidade da Minustah não passa nem de longe, da política partidária brasileira. Isso posto, ao meu ver, é claro, não tem nada a ver com Lula ou Dilma, pois trata-se apenas de uma pálida tentativa de fazer algo prático e real no que tange às ações daquele organismo internacional (leia-se ONU), que só existe praticamente nos discursos de abertura dos encontros anuais ou em declarações que representam tão somente os interesses e vontades do países hegemônicos do ponto de vista militar e/ou econômico.
Comentário de luiz henrique michelato em 19 setembro 2011 às 9:47
eu acredito que ainda não é o momento mais adequado para a retirada das tropas..
Comentário de ianna edwirges em 18 setembro 2011 às 10:47
essa é uma questão delicada que sem sombra de dúvidas merece uma análise.
Comentário de Flaudecy de Oliveira Manhaes em 17 setembro 2011 às 11:22
Concordo com o ilustre ccomentarista. A retirada pode ser mais complicada do que a ocupação. Forças reprimidas, aparentemente inativas, podem "renascer" surpreendentemente preparadas para uma retomada do País, de difícil controle após o desmonte da Missão.
Comentário de fernando Almeida Almeida em 16 setembro 2011 às 2:43
Acredito que, serviu principalmente para o nossos dirigentes (presidente Lula e a atual presidente), estarem sempre na mídia internacional. É muito complexo o problema do Haiti em todos os sentidos, principalmente no aspecto  sôcio-ecônomico e de saúde. Os militares tiveram a oportunidade de mostrarem sua eficiência. O que será dos dirigentes, do povo daquele país sem a tutela da  Minustah-ONU?. Como será feita a transição, as novas forças armadas e policial daqueles país?

Boletim Café História

Anúncio

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }