O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Arquivo Café com Prosa | Das Igrejas ao Cemitério | Vanessa de Castro Sial

DAS IGREJAS AO CEMITÉRIO

de VANESSA DE CASTRO SIAL


“Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas Memórias póstumas.” Assim começa Machado de Assis em suas “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, considerado por muitos a sua mais arrojada obra literária. Além de sua característica prosa de vanguarda, o livro contou ainda com um contexto bastante favorável. Publicado em forma de folhetim em 1880, a narrativa pós-morte de Brás Cubas surgia em um momento no qual o Brasil repensava suas políticas públicas sobre a morte. Na segunda metade do século XIX, as autoridades públicas brasileiras estavam preocupadas com a execução de um processo de modernização dos trópicos, o que clamava, necessariamente, por medidas sanitaristas e urbanísticas importantes, como é o caso da divisão espacial entre vivos e mortos. Até então, a Igreja era, inconteste, o lugar santo dos mortos, algo que os cemitérios logo viriam conquistar. Não sem alguma tensão, é claro. É sobre esse conflito, sobre esses novos projetos e ideologias que discute Vanessa de Castro Sial (foto) em seu interessante “Das Igrejas ao Cemitério”.

Tendo como estudo de caso as políticas públicas do Recife do século XIX, o livro é uma versão para a dissertação de Vanessa, elaborada entre 2002 e 2005 dentro do programa de pós-graduação em História da UNICAMP, sob orientação do historiador Sidney Chalhoub. No livro, publicado em 2007 com apoio de órgãos públicos da cidade de Recife, Vanessa problematiza um momento de transição das tradições envolvendo os mortos e os vivos, no Brasil. Pela força de autoridades públicas e com o respaldo científico de instituições emergentes, como a Sociedade de Medicina de Pernambuco, testemunhava-se no país a necessidade de construir cemitérios extramuros, uma tentativa de encerrar para sempre a prática de sepultamento nas igrejas, tradição esta que segundo os médicos sanitaristas da época apresentavam diversos problemas.

No século XX, a morte envolvia um ritual bastante complexo, bem diferente das práticas contemporâneas. Para que o morto conseguisse a graça de Deus, era necessário a integridade de seu corpo. Em outras palavras, isso significava testamentos, missas, doações, enfim, uma logística bastante imaculada no imaginário popular da época. O lugar dos mortos próximos aos vivos, entretanto, estava próximo de acabar. A onda modernizadora, inspirada principalmente nas academias francesas de ciência e medicina, queria levar os entes mortos das igrejas para os cemitérios. A comunidade científica estava convencida que os corpos em decomposição era uma séria ameaça (os famosos “miasmas” invisíveis) ao bem estar da população, devendo antigas práticas desaparecer por completo, junto com outros “problemas” urbanos, como os vagabundos, os bêbados e as prostitutas. Em alguns casos, essa mudança provocou uma verdadeira revolta. É o caso da Bahia, que testemunhou um rebelião popular, conhecida entre os historiadores como “cemiterada”.

Em Recife, mostra Vanessa, a higiene foi mais do que um projeto político, mas uma verdadeira ideologia. Empenhados em dar um fim a “morte barroca”, os médicos higienistas tiveram um papel de grande poder na sociedade pernambucana. A luta por uma disciplinarização dos sepultamentos, bem como de seus cadáveres, passava, por exemplo, pelo cumprimento da lei n.91/1841, que proibiu o sepultamento nas igrejas e exigiu a construção de um Cemitério Público do Recife.

Dentre outras questões, o livro de Vanessa, muito bem escrito e ilustrado na medida certa, expõe não só o ímpeto do projeto modernizador que varreu o mundo ocidental dos oitocentos, mas, sobretudo, a maneira como as idéias e ações (bem concretas!) desses projetos eram recebidas e encaradas pela população que, por sua vez, viu-se obrigada a redefinir e negociar suas crenças, nas palavras da autora, “adaptando suas visões escatológicas e soterológicas sobre o ato de morrer”.

Uma obra indicada para quem está bem vivo, “Da Igreja ao Cemitério” é o tipo de livro que pode ser lido em qualquer lugar, a qualquer tempo, como querem os bons livros. E isso sem despistar os que procuram por leituras sólidas e de vasto conhecimento. A melhor sugestão de leitura, talvez, que o Café História possa sugerir para as férias de verão.

(Vanessa de Castro Sial é membro do Café História. Quer parabenizá-la ou trocar idéias? Então clique aqui!)

por Bruno Leal

Páginas: 312

Preço encontrado: R$ 30,00

Como adquirir: vansial@yahoo.com.br ou na Secretaria de Cultura da Cidade de Recife.

Editora: Secretaria de Cultura da Cidade do Recife

Exibições: 604

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Comentário de Bia Cardoso em 28 dezembro 2012 às 13:23

A Morte e as maneiras de morrer são, se fato, algo interessantíssimo de se pesquisar e ler. Tive uma pesquisa financiada pela FAPESB onde analisei as manifestações de devoção e ritos fúnebres em Cachoeira-Ba (recôncavo baiano) no século XIX, antes dessas discussões de higienização estar em voga. Para aqueles que apostam nesse assunto como uma boa leitura, ai vão algumas dicas.

ARIES, P (1977) – Homem diante da morte. Rio de Janeiro, Francisco Alves

ARIES, P. (1977) – História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

CARVALHO, V. A. (1996) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Reis, João José: A morte é uma festa (Ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do Séc. XIX. Cia das Letras, S.P.1991

Abraços a tod@s!

Comentário de sibeli aparecida da silva em 27 junho 2012 às 21:47

Fiquei muito empolgada com o assunto... Esse é um assunto que deveria ser mais abordado, assim como em outras culturas, sou professora e vejo como é rejeitado pelos alunos parecer ser algo que "mistico", não aceitam a realidade que a forte é um fato. Com livros como este, acredito ser um porta que abordar um assunto tão evitado.

Parabéns

Comentário de Izabel Cristina Castro em 1 setembro 2010 às 9:00
Bom dia!
Sou do Sul. Porto Alegre e estou eescrevendo meu TCC O "Sepultamento Gratuíto": um benefício garantido enquanto um Direito de Cidadania.
Li atentamente o material acima. Vou passar na Livraria e adquirir o livro.
Abraço. Izabel Cristina
Comentário de Francisco Bonato Pereira em 2 março 2010 às 22:50
O livro da Vanessa Sial está a venda na Livraria Jaqueira, na Rua do Futuro, defronte do Parque da Jaqueira, no Recife.
Eu o adquiri por trazer informações sobre surtos de febre amarela no Recife, no Seculo XIX, matéria de interesse da Historia dos Batistas em Pernambuco, em razão de vários missionarios e familiares haverem sido vitimas deste mal.

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }