O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Arquivo Café com Prosa | Boa Ventura! | Lucas Figueiredo

Boa Ventura! A Corrida do Outro no Brasil (1697-1810)

Livro retoma aspectos sociais, políticos e até mesmo do imaginário coletivo durante os séculos que caracterizaram a corrida do outro no Brasil

O jornalista Lucas Figueiredo, ganhador de três prêmios Esso, tornou-se conhecido dos historiadores quando publicou “Morcegos Negros” (2000) e “Ministério do Silêncio” (2005), obras que tocavam em vários temas sensíveis à história do Brasil contemporâneo. Em 2011, Figueiredo lança “Boa Ventura! A Corrida do outro no Brasil (1697-1810)”, também na área da história, mas que aborda um período que retoma a corrida do outro no Brasil, entre os séculos XVII e XIX.

Publicado pela Editora Record, “Boa Ventura” conta a história daquilo que Figueiredo chama de "obsessão lusitana" por enriquecimento fácil em sua colônia na América. A corrida pelo outro assumiu contornos dramáticos no Brasil e em Portugal. Chamou a atenção de potências adversárias, como Espanha e França. Segundo conta Figueiredo, em 1703, o embaixador francês em Lisboa informou da seguinte forma a Luís XIV que estava acontecendo nos domínios portugueses no Atlântico: “(...) O grande número de pessoas que vai à procura do ouro [no Brasil] faz com que reste menos [pessoas] para trabalhar no cultivo de terras (...)”. A cada ano, sublinha o autor, de 8 a 10 mil portugueses desembarcavam na colônia. Em sessenta anos, foram mais de 600 mil pessoas.

Tamanha ambição, no entanto, significou trabalho fácil para os empreendedores do ouro no século XVII, XVIII e XIX. O empreendedorismo destes milhares imigrantes e mesmo dos nativos protagonizaram uma corrida que transformou a vida na colônia, protegeu as fronteiras do Brasil e até mesmo desenvolveu setores como a agricultura e as artes. Para tanto, o livro recuperou a trajetória de homens que investiram suas vidas na caça ao eldorado. É o caso de Sebastião de Castro Caldas, administrador colonial português que em 1697, após constatar a existência de ouro manifestada em cerca de 20 ribeiros, escreveu ao rei de forma entusiasmada que o “Brasil foi de novo descoberto”. Mas este é apenas um dos que foram tocados pela febre do ouro. O livro de Figueiredo traz ainda muitos outros. Em suma, isso demonstra o quanto o metalismo na colônia foi um fator de ordem política e social, não apenas afetando a ordem econômica.

O livro possui bom acabamento, impresso em papel anti-reflexo, e também boa editoração. Conta com muitas imagens, capítulos curtos e o que é bastante raro em livros produzidos por jornalistas: a indicação de fontes, obras e arquivos históricos. Mas por se tratar justamente de uma obra feita por jornalista, é preciso fazer algumas ponderações. “Boa Ventura!” não é se pretende uma obra acadêmica. Não faz novas revelações ou muito menos realiza discussões historiográficas. O fato não descredencia de forma alguma o livro de Figueiredo. A obra traz uma narrativa envolvente, agradável e instigante. E descontado algumas frases clichês (que por vezes trivializam a história), o livro pode agradar a muitos públicos: desde o estudante de graduação até o leitor não-acadêmico, mas que se interessa por história do Brasil.

Exibições: 416

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Comentário de Sônia Santos Rangel em 4 outubro 2011 às 19:54

Vou adiciona-lo na lista de livros para le-lo também.

Comentário de reginaldo nascentes pereira em 4 outubro 2011 às 11:08
como professor eu indico a todos, pois para mim ér a melhor do Brasil colonioa, é esta epoca a da mineração, ela me fascina, assim como este livro
Comentário de Adroaldo Lira Freire em 9 agosto 2011 às 16:39
Comprei tbm, pretendo ler nesta semana, depois conto pra vcs!
Comentário de Matheus Fagundes Siqueira em 27 julho 2011 às 22:23
Comprei!!!
E agora vou ler e já acho que deve ser bem legal
Comentário de Rafael Fernandes em 8 junho 2011 às 13:35
Pois eu também tive a oportunidade de desfrutar das palavras deste ótimo Jornalista Histórico, que esta muito marcante atualmente em nossa historiografia atual, assim como Laurentino Gomes, e alias da bela e sincronizada linguagem, apresenta riquíssimo conteúdo histórico-literário, como dissera antes, de forma mais jornalistica, entretanto, abordando como foco, as "peripécias" da corrida do ouro no Brasil. E recomendo esta magnânima obra.

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }