Água, o “Ouro Azul” do nosso século - Paulo Montoia Brasil - História
(...)
Segundo o tupinólogo Frederico Edelweiss, a palavra mar era pará na língua dos Tupis e Paraná (variação de paraná) na língua dos Guaranis, ambas nomes de nossos estados. Como variações ligadas a mar e água temos ainda Paraíba, Paranapanema, Paranaguá; Pernambuco é variação de Paranã-mbuca (o furo por onde entra a água, alusão aos recifes), Piauí (rio de piaus, um tipo de peixe); o nome da Serra da Mantiqueira, que forma o Vale do Paraíba, vem de Amantykyra (gotas de chuva), indicação de montanhas sempre úmidas. Os tupis chamavam a água de rios de Yg, de onde nasceu a palavra amazônica igarapé (da língua posterior, o nheengatu) e também Iguape.

Ao longo dos séculos do Brasil colônia, a água foi e é fator decisivo para a fundação das cidades, para a agricultura, para desbravamento do país como meio de transporte. É também marcante na saúde pública, ligada à proliferação de mosquitos e de doenças como a malária, a febre amarela, a dengue, a esquistossomose.

A partir do Segundo Império, com D. Pedro II, as águas passaram a ter um papel-chave no país, após o desenvolvimento de métodos para produção de eletricidade por geradores. Em 1883, entrou em operação no Brasil a primeira usina hidrelétrica brasileira, localizada no Ribeirão do Inferno, afluente do rio Jequitinhonha, na cidade de Diamantina (MG).

A década de 1940, marca o início da construção de uma série de usinas hidrelétricas, o que tornou o Brasil um dos maiores produtores de energia renovável do mundo, junto com o Canadá. (...)

O Brasil já possui a maior represa hidrelétrica do mundo, Itaipu (PR), além de outras entre as maiores, como Ilha Solteira (SP), Tucuruí (PA) e Balbina (AM).

A Usina Hidrelétrica de Itaipu, a maior em operação no mundo, é um empreendimento binacional desenvolvido pelo Brasil e pelo Paraguai no Rio Paraná.

Apesar de gerarem energia e freqüentemente garantir água para uso na agricultura, as represas provocam danos ambientais, deslocam populações de aldeias indígenas e de cidades inteiras. Além disso, as florestas submersas produzem gases que agravam o efeito estufa.

Calcula-se que 850 mil pessoas já foram deslocadas e perderam suas casas e terras no Brasil em razão da construção de represas hidrelétricas, o que deu origem à criação de um Movimento dos Atingidos por Barragens.

Em 1982, a criação artificial da represa de Itaipu fez submergir todo o Parque Nacional de Sete Quedas, no Rio Paraná, na cidade de Guaíra (PR), um dos pontos turísticos mais visitados do país, junto com as Cachoeiras de Foz do Iguaçu.

As cachoeiras de Sete Quedas haviam sido formadas há 8 mil anos, estendiam-se por um cânion de 70 metros de largura e, em alguns pontos, possuíam 170 metros de profundidade. Sobre as gargantas de pedra, havia pontes penseis para os visitantes. Elas foram submersas em 2 de setembro daquele ano e a transmissão de seu desaparecimento, pela tevê, causou comoção no público.


Para a construção da Hidrelétrica Itaipu, foi preciso inundar o Parque Nacional das Sete Quedas, um dos mais bonitos cartões-postais do Brasil, o que causou indignação não só de ambientalistas como da população em geral. Das Sete Quedas, hoje, guardamos as fotos de lembrança e o “recorde” de termos o maior complexo de cachoeiras inundados do mundo, segundo o livro Guiness.

Exibições: 2327

Tags: 7, Hidrelétrica, Itaipu, Usina, quedas

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }