A França hoje é republicana e em princípio esta forma de governo começou após a Guerra Franco-Prussiana, quando caiu o belicoso Imperador Napoleão III. Mas, antes disso sempre teve um regime monárquico, salvo débeis tentativas de implanta-la durante a Revolução Francesa.
A monarquia gaulesa teve deliciosas histórias, muitos momentos trágicos e de estagnação, bem como grandes glórias. A titulo de exemplo único: Luis XIV, o Rei-Sol, era filho biológico de seu pai, Luis XIII, ou apenas da mãe, a rainha Ana de Áustria e de um desconhecido genitor?
Historicamente, o país propriamente dito nasceu durante o reinado de descendente de Carlos Magno, mas sua monarquia só se fortaleceu paulatinamente após a ascensão ao poder de Hugo Capeto, de quem descenderam ao menos teoricamente todos os monarcas franceses, com exceção de Napoleão I e seu medíocre sobrinho, antes já referido.
Por isto tudo a monarquia francesa merece ser comentada e relembrada, ficando os demais participantes convidados a faze-lo. De minha parte, colaborarei modestamente, com o pouco que dela sei.
(a imagem é uma alegoria da sagração e coroação do rei Filipe II e ainda mostra o grande símbolo da monarquia – a flor de lis)

Exibições: 6991

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Não pare na pista

Chega aos cinemas brasileiros o aguardado filme cinebiografia de Paulo Coelho, "Não pare na pista -  a melhor história de Paulo Coelho", dirigido por Daniel Augusto. 

Sinopse: Cinebiografia de Paulo Coelho, o filme se concentra em três momentos distintos da carreira do escritor: a juventude, nos anos 1960 (período em que é vivido pelo ator Ravel Andrade); a idade adulta, nos anos 1980 (Júlio Andrade); e a maturidade, em 2013, quando refaz o Caminho de Santiago (Júlio Andrade, maquiado). Usando como base depoimentos do próprio Paulo Coelho, a história perpassa os momentos mais marcantes da vida do autor, como os traumas, a relação com as drogas e a religião, sexualidade e a parceria com o músico Raul Seixas.

café história acadêmico

Ensino de História: Confira o artigo “A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História”, da historiadora Christian Laville, da Universidade Lava, Quebec. Resumo: Em quase todas as partes do mundo, os programas escolares exigem que o ensino da história desenvolva nos alunos a autonomia intelectual e o pensamento crítico. Há muito tempo não se vê mais a missão de incutir nas consciências uma narrativa única glorificando a nação ou a comunidade. No entanto, quando o ensino da história é questionado nos debates públicos, é sempre com referência a esse tipo de narrativa: embora não fazendo mais parte dos programas, esse continua sendo o único objeto dos debates. Este artigo dá inúmeros exemplos atuais de tais debates, antes de concluir que são provavelmente vãos e que as pessoas se iludem sobre os efeitos reais da história ensinada. Alguns exemplos também são dados a esse respeito. Clique aqui para acessar.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }