A França hoje é republicana e em princípio esta forma de governo começou após a Guerra Franco-Prussiana, quando caiu o belicoso Imperador Napoleão III. Mas, antes disso sempre teve um regime monárquico, salvo débeis tentativas de implanta-la durante a Revolução Francesa.
A monarquia gaulesa teve deliciosas histórias, muitos momentos trágicos e de estagnação, bem como grandes glórias. A titulo de exemplo único: Luis XIV, o Rei-Sol, era filho biológico de seu pai, Luis XIII, ou apenas da mãe, a rainha Ana de Áustria e de um desconhecido genitor?
Historicamente, o país propriamente dito nasceu durante o reinado de descendente de Carlos Magno, mas sua monarquia só se fortaleceu paulatinamente após a ascensão ao poder de Hugo Capeto, de quem descenderam ao menos teoricamente todos os monarcas franceses, com exceção de Napoleão I e seu medíocre sobrinho, antes já referido.
Por isto tudo a monarquia francesa merece ser comentada e relembrada, ficando os demais participantes convidados a faze-lo. De minha parte, colaborarei modestamente, com o pouco que dela sei.
(a imagem é uma alegoria da sagração e coroação do rei Filipe II e ainda mostra o grande símbolo da monarquia – a flor de lis)

Exibições: 7123

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }