Há não muito tempo, o dublê de colunista e escritor Diogo Mainardi declarou que “num tempo dominado pela mais absoluta demagogia intelectual, em que todas as idéias parecem se equivaler, em que qualquer macaco pode abrir um blog e opinar sobre Lewis Carroll e Georges Seurat, a história da enxaqueca ajuda a restabelecer alguns valores”.

Não pretendo me deter nesta declaração, mais uma entre aquelas que destina a entreter e distrair; a chamar a atenção muito mais pelo grotesco do que pela qualidade naquilo que escreve em sua coluna semanal. Após ler algumas de suas primeiras colunas, pude perceber o que seria inteligível a qualquer leitor com um mínimo de perspicácia: a razão da permanência de um articulista anódino em uma revista semanal de razoável circulação pode se justificar por questões muito mais políticas do que pela sua expressividade. Mas não é exatamente sobre a declaração do tal artífice que nos debruçaremos, pois esta é tão antálgica e inócua quanto todas as demais emitidas pelo nosso velho conhecido. Nossa atenção está voltada justamente para a inexpressividade de seus discursos repetitivos e destinados unicamente a chocar.

Engraçado que o esporte predileto do Diogo Mainardi é produzir artigos (que já renderam, inclusive, uma coletânea) cuja única função é malhar o país onde nasceu. Não que discorde dele no todo, muito pelo contrário.

Se ao menos esta crítica nos levasse (ou a ele) a algum lugar, tudo bem, mas a besta não sai do lugar comum. Seus "artigos" nada mais são do que uma espécie de ladainha, onde o corola da direita fascista (boa mesmo é a Itália de Silvio Berlusconi) destila o melhor veneno contra a mediocridade nacional, sem perceber que, medíocre dos medíocres, aponta os problemas mas nunca a solução, e com isso garante para a sua imagem uma aura apenas patética (aos olhos dos seus patrícios) e esdrúxula (para aqueles poucos estrangeiros que o conhecem).

Diria mais; o Diogo Mainardi, ao direcionar contra o país onde nasceu as tais críticas do ululante (não me refiro ao Lula, deculpem o trocadilho), confere ao que pensa e escreve apenas uma pretensa rebeldia púbere e incipiente.

Medíocre, exatamente como reflete a partir de si próprio a imagem de toda a nação.

Exibições: 4

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Anna Simioni em 19 setembro 2008 às 16:39
“num tempo dominado pela mais absoluta demagogia intelectual, em que todas as idéias parecem se equivaler, em que qualquer macaco pode abrir um blog e opinar sobre ..." (!?!?) Inclusive ele, subserviente a ideologia do veículo editorial que o mantém. Não leio, não perco meu tempo!
Comentário de Vinícius Agner em 18 setembro 2008 às 13:39
Mais um que fica "rico" depreciando o Brasil......
Comentário de Antonio Henrique Campello em 16 setembro 2008 às 18:00
mas há de se louvar seu talento cômico...intencional ou não...
pior que tem gente que o leva a sério...

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }