SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DA INTOLERÂNCIA RELIGIOSA: CUMPRIMENTO DA LEI E EDUCAÇÃO PARA A ÉTICA, O RESPEITO À DIVERSIDADE E À LIBERDADE. Por Cristina Zecchinelli

SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DA INTOLERÂNCIA RELIGIOSA: CUMPRIMENTO DA LEI E EDUCAÇÃO PARA A ÉTICA, O RESPEITO À DIVERSIDADE E À LIBERDADE. Por Cristina Zecchinelli

“Historicamente, a intolerância está presente na esfera das relações humanas fundadas em sentimentos e crenças religiosas. É uma prática que se autojustifica em nome de Deus; adquire o status de uma guerra de deuses encarnados em homens e mulheres que se odeiam e não se suportam.” ( Antonio Ozaí da Silva )


“De algo sempre haveremos de morrer, mas já se perdeu a conta aos seres humanos mortos das piores maneiras que seres humanos foram capazes de inventar. Uma delas, a mais criminosa, a mais absurda, a que mais ofende a simples razão, é aquela que, desde o princípio dos tempos e das civilizações, tem mandado matar em nome de Deus”.(José Saramago - O Fator Deus, 2001)




A intolerância religiosa é uma doença que de tempos em tempos torna-se epidêmica e precisa de tratamento continuado e prevenção. É um mal social, cuja cura passa pelo cumprimento da lei e pela educação. Um mal que atinge uma camada imensa da população global, que fere a dignidade humana, e a liberdade consciencial, que se baseia no preconceito, na discriminação e na pretensão de alguns em serem “os donos da Verdade”, que se sentem possuidores de alguma “procuração de Deus” para em seu nome, achincalhar, invadir, prender, torturar, matar, espoliar, e por fim,exterminar o outro.
E o outro é aquele a quem não se dá o direito de ter pensamento próprio, aquele a quem não se dá a liberdade de ser quem é, aquele que o intolerante julga intelectual e moralmente incapaz de fazer uma escolha “certa”. Porque qualquer escolha que não seja a sua - do intolerante- é errada.
Para se tentar acabar com a intolerância, é imprescindível tratá-la como doença, cujos remédios são a detecção e denúncia de sua existência, a exigência do cumprimento da Lei e, para prevenir sua recidiva e evitar o surgimento de novos casos; a execução uma ação intensiva e continuada de conscientização e educação plena de idosos, adultos, adolescentes e crianças; uma educação para a tolerância, para a compreensão, para a alteridade e o respeito. Num processo que envolva o comprometimento de toda a sociedade.


As justificativas dadas pelos intolerantes, principalmente pelos intolerantes religiosos vão desde a necessidade do cumprimento das “Leis de Deus” interpretadas e manipuladas a seu bel prazer, por interesses bem humanos e pouco religiosos - que no caso do Brasil desrespeitam a Constituição Federal – às questões de “segurança nacional” como ocorreu na América do Norte em relação ao Iraque.

A história nos mostra que a discriminação e a intolerância religiosa, foram e são responsáveis por guerras, fratricídios, genocídios, holocaustos, por divisões entre famílias e ódios milenares que são repassados e cultivados geração a geração por séculos, até que se percam da memória os reais motivos por que começaram. São frutos da manipulação política, social, econômica e ideológica. Criadas por mentes que anseiam pelo poder e a riqueza, tentam usurpar do Homem o direito e a capacidade de autogestão espiritual, de pensar e agir conforme suas próprias convicções, de avaliar por si mesmo o mundo em que vive.

A intolerância religiosa nasce da “fé cega” e não raciocinada de muitos dirigida pela astúcia de uns poucos que se aproveitam dos fiéis para obter poder, riqueza e vingança. Vingança quanto àquilo que não encontram em si mesmos, resultante da inveja, do ressentimento e da incapacidade de ser verdadeiro, original, de encarar de frente a luta para se ver livres de suas fraquezas, de agir com liberdade, de ser feliz . Nasce do desejo de destruir no outro aquilo que mais se admira, porém não se tem força, determinação, ousadia ou poder para ser.

A intolerância nasce da mesquinhez humana, do medo de ser, de fazer-se Ser, de ousar, de arriscar o novo, de pensar, questionar e refletir sobre o que já está estabelecido. Nasce da aceitação rancorosa das regras e dogmas contra os quais não se tem coragem de lutar, levantar a voz ou a dúvida.

Busque-se o intolerante e encontrar-se-á uma mente fechada, um espírito enrijecido, ressentido, engessado por sua própria deturpação da realidade. E que por isso mesmo precisa manipular o mundo à sua volta de modo a sentir-se seguro; convencendo esse mesmo mundo da necessidade de fechar-se em dogmatismos, fundamentalismos e fanatismos. Levando o fiel a um não-pensar, condicionando-o a um pensamento único e repetitivo, ao jugo de uma mentalidade tão estreita que dela não possa libertar-se e ao convencimento de que assim terá uma parte desse poder para si.

É certo que as massas se inflamam e se deixam levar por um bom orador. Não faltam exemplos na história. Sabemos que a repetição de uma inverdade não faz com que ela se torne “a Verdade” porém, pode levar muitos a crer que assim o seja.

Se o gérmen do fanatismo é individual, talvez presente de forma latente no Homem, se ele pode ser despertado e cultivado através do convencimento, da incitação, da repetição e do incutir continuado da idéia de estar cumprindo uma “missão sagrada”, um “designo divino” que pode livrar o homem do inferno e levá-lo ao paraíso; por outro lado há no ser humano toda uma generosidade, uma capacidade de empatia e de compreensão, de amor e fraternidade que precisa ser trabalhada quotidianamente em prol do bem comum, do cumprimento da lei, da tolerância religiosa e da liberdade.
Para se tentar acabar com a intolerância faz-se necessária uma ação de conscientização e educação plena de anciãos, adultos, adolescentes e crianças. Uma educação para a tolerância, para a compreensão, a alteridade e o respeito. Num processo que envolva o comprometimento de toda a sociedade. Idéia muito bem explicitada por Nelson Mandela:
“Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender; e, se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.”



Paulo Freire explica que ensinar exige aceitação do novo, rejeição a qualquer forma de discriminação, consciência de inacabamento, respeito à autonomia do educando, bom senso, humildade, tolerância, e também nos mostra que a educação é ideológica, portanto para modificar o quadro da intolerância faz-se necessário que a educação tenha uma ideologia pró-tolerância, pró-respeito, pró-alteridade. Que entre o que pregamos e o que efetivamente vivenciamos haja coerência, constância , exemplificação e assunção de si.

As crianças antes mesmo de entrarem para a educação formal nos observam e gravam em seus inconscientes os pequenos ou grandes gestos em que contradizemos ou confirmamos nossas palavras. Disso resulta que se não nos educarmos primeiramente, se não corrigirmos primeiro nossos vícios preconceituosos não conseguiremos alterá-los nas mentes das próximas gerações. As mentalidades se alteram em velocidades mais reduzidas que as modificações físicas do mundo.

Cabe aos incomodados, seja pela intolerância que vivenciam seja pela que vêem outros vivenciarem, a vigilância sobre o efetivo cumprimento da lei, o auto-policiamento de forma a não cair no mesmo erro que condena em outros, e a responsabilidade de agilizar e perseguir com garra e determinação a mudança de mentalidade necessária à criação de um futuro verdadeiramente fraterno, igualitário e livre.


Montesquieu que em 1715 já nos dava sua opinião sobre a questão da intolerância religiosa:

“Admito que a história está repleta de guerras de religião. Mas é preciso prestar bem atenção. Não foi a multiplicidade de religiões que produziu essas guerra, foi o espírito de intolerância que animava aquela que se julgava dominante.(grifo nosso) È esse espírito de proselitismo, que os judeus tomaram dos egípcios e deles passou, como doença epidêmica e popular, aos maometanos e cristãos.
É finalmente esse espírito de vertigem, cujos progressos não podem ser considerados senão como um eclipse total da razão humana.
De fato, finalmente, se não houver desumanidade em afligir a consciência dos outros , se disso não resultasse nenhum dos maus efeitos que pululam aos milhares, seria preciso ser louco para voltar-se contra isso. Aquele que quer me levar a mudar de religião não o faz sem dúvida senão porque ele não mudaria a sua, caso se quisesse forçá-lo a isso; acha estranho, contudo, que eu não faça uma coisa que ele próprio não faria talvez em troca do domínio do mundo.” (Montesquieu)


E de certa forma sugeria ao intolerante que começasse a refletir sobre suas motivações, tentasse olhar a si mesmo com o olhar do outro.

A discriminação, filha do pré-conceito que impede o homem de observar de forma “desarmada” o mundo à sua volta e que o impele a julgar e condenar sem antes perceber com alteridade, é por sua vez mãe da intolerância, que exige dos seus adeptos posicionamentos irrefletidos, confeccionados em cima do suposto direito de ser o dono de uma “verdade única”, indiscutível, intocável, somente a eles pertencente.

Nietzche, em sua “Genealogia da Moral” já nos falava dos ressentidos, aqueles que por incompetência para a ação, covardia ante a luta pela liberdade, e humilhados pelo próprio reconhecimento de sua fraqueza de caráter, criam mecanismos para através da religião, do medo do inferno, do conceito de pecado dobrar aos seus caprichos as consciências nobres e livres mantendo-as cativas de suas imposições. Adquirindo poder não pela força, coragem e ousadia, que não têm, mas pela transformação dos conceitos de bom e mau, do bem e do mal. Pela inculcação de idéias distorcidas e torturadas, usadas “em nome de Deus” de forma a assenhorear-se do poder sobre as consciências e os atos humanos.

Sob a bandeira do “em nome de Deus”, os homens matam, saqueiam, estupram. Pela “honra” de Deus e em “Seu” nome destroem vidas, famílias e futuros. Prendem, torturam, queimam. Designam mesmo se o outro ser humano pode ou não ter uma alma.

Passam horas remoendo ressentimentos, orquestrando planos de dominações, vinganças e extermínio. Discriminam porque discriminar faz com que se sintam melhores ante seu Eu interior, que os condena pela própria covardia e inépcia diante da vida. Tornam-se intolerantes e levam outros à intolerância, pois essa é a sua forma de vingança, de obtenção de poder e força. Usam o nome da divindade como se Ela lhes pertencesse, e lhes coubesse o dever de manipulá-la. Em sua megalomania sentem-se o próprio Deus: oniscientes, onipresentes e onipotentes, porém sabem lá no fundo de si mesmos que são iníquos.

A história prova que o Homem pratica a discriminação e a intolerância numa constante, com alguns lapsos de tempo em que o interesse político se sobrepõe da alguma forma ao interesse religioso e permite outras formas de manifestação da fé, coibindo por certo tempo os intolerantes.


Intolerância intra-religiosa.

A Intolerância não ocorre somente em relação a membros de outras crenças. Ocorre também numa versão intra-religiosa , sob certos aspectos ainda mais grave e menos compreensível. Os motivos são os mesmos: pretensão de possuir a “verdade única”, desejo de poder, necessidade de dominação do outro, falta de educação para a alteridade, o respeito e a ética, e principalmente, no caso do umbandista, falta de coerência entre aquilo que prega, o que realmente pensa e vivencia na prática cotidiana. Falta de internalização da doutrina umbandista em sua essência.
É normal que surjam discordâncias de opinião entre membros de uma mesma religião, o que não se pode é admitir que isso se torne discriminação e intolerância, que levam é a desunião e à destruição da fé. O umbandista prepotente e preconceituoso nega a própria Umbanda em seus princípios de igualdade, compreensão e respeito. E o faz, certamente sem o aval da espiritualidade, embora pretenda fazê-lo por ela e em nome dela. Sendo a Umbanda, como é, uma religião de diversidade, multiplicidade, igualdade, nascida para abarcar em seu seio todo aquele que dela precisar, sem preconceitos e discriminações, trazendo desde sua “anunciação” a determinação de incluir os excluídos, compartilhar conhecimentos, como indicam as frases atribuídas ao Caboclo das Sete Encruzilhadas

“Será uma religião que falará aos humildes, simbolizando a igualdade que deve existir entre todos os irmãos, encarnados e desencarnados.”

“e nós aprenderemos com aqueles espíritos que souberem mais e ensinaremos aqueles que souberem menos e a nenhum viraremos as costas”

E ainda, diz o Caboclo, referindo-se aos espíritos trabalhadores da Umbanda:

“Aqui inicia-se um novo culto em que os espíritos(...) poderão trabalhar em benefícios dos seus irmãos encarnados, qualquer que seja a cor, raça, credo ou posição social. A pratica da caridade no sentido do amor fraterno, será a característica principal deste culto, que tem base no Evangelho de Jesus e como mestre supremo Cristo”.

Se a intolerância religiosa é algo nada divino e pouco humanitário, quando passa a ser intra-religiosa se torna mais absurda e revoltante, incoerente e hipócrita. As correntes de pensamento dentro de uma mesma crença podem ter visões diferenciadas e mesmo alguns projetos e pontos de vista divergentes sem por isso perder-se da essência da religião, e mais, é provável que seja a partir dessas diferenças que as religiões se atualizem em certos aspectos e aumentando suas condições de sobrevivência através dos tempos. Isso não quer significar que tenham por isso que se digladiar ou que não possam chegar a um consenso.
Encontramos divergências internas no Judaísmo, no Cristianismo, Islamismo e em quase todas as outras religiões, faz parte do aspecto mais humano delas. Mas souberam se unir e se preservar apesar das diferenças.
No entanto, a mesma situação, quando ocorre entre umbandistas causa triplo efeito:
1º) Contraria os fundamentos da religião;
2º) dá aos detratores externos mais argumentos contra o todo umbandista,
3º)Gera desunião e mau exemplo.

Mas principalmente demonstra que esse umbandista, nada aprendeu com a Umbanda ou sobre a Umbanda. Como escreve Etiene Sales :

“Em uma época em que a Umbanda e o Candomblé sofrem cada vez mais ações de preconceito e discriminação, fora as diversas perseguições de algumas denominações Evangélicas (seja através de relações ilegais com o tráfico, seja por ataques nos meios de comunicação: rádio e televisão, principalmente), os Umbandistas não conseguem perceber o seu próprio preconceito interno e contra os Candomblecistas.”(...) “É estranho o Umbandista gritar contra o preconceito que sofre por parte de outras religiões, mas não conseguir enxergar o preconceito existente dentro da própria Umbanda.”

Lembra portanto, que o Umbandista intra-preconceituoso precisa reavaliar seus conceitos, reeducar-se, repensar-se enquanto umbandista e ser humano.

Conclusão

Parece só haver uma maneira de se tratar a intolerância. Faz-se necessário educar para a tolerância, a alteridade e a compreensão. Esse processo precisaria alcançar desde os mais idosos aos recém nascidos, visto que é do berço que se começa a educar o ser. Posto que, é desde a mais tenra idade que o ser humano ao observar ainda que de forma inconsciente o mundo a sua volta começa a criar dentro de si seus conceitos e pré-conceitos que poderão levá-lo à discriminação e à intolerância. Logo, se não educarmos cotidianamente a sociedade para o respeito ao outro e para tolerância jamais poremos fim ao preconceito, à discriminação e a intolerância.

Combater esses males sociais é dever de todos, responsabilidade à qual não podemos nos furtar. Ao Estado, cabe fazer cumprir o que determina a Constituição Federal e punir com o rigor da lei aqueles que violarem o previsto no artigo 5°CF e em outras leis afins. Ao cidadão cabe a denúncia do ato de intolerância ou discriminação e a cobrança junto aos órgãos competentes para cumpram sua função.

A Umbanda, religião brasileira, nascida sob a égide da igualdade e da fraternidade, da inclusão e da caridade, não permite nem deverá jamais permitir que entre seus adeptos ou por parte deles surja qualquer tipo de discriminação ou intolerância sob qualquer pretexto ou nominação.

No entanto, essa mesma Umbanda, multifacetada, multirracial, multi-étnica, plural, que vive a diversidade sem desigualdade, que respeita a fé e as formas de manifestação de crença de outros , é continuamente atacada e agredida (interna e externamente) , e por mais que a maioria de seus adeptos busquem a paz , o respeito e a compreensão do outro é chegado o momento de fazer valer a Lei e que dá ao homem o direito de escolher e praticar livremente a sua religião e tê-la respeitada e resguardada contra ataques de intolerantes.

Cabe ao umbandista como membro de uma religião pacifista , includente, e a favor da diversidade, como homem e como cidadão, agindo dentro da ética , da Lei e de acordo com os princípios da Umbanda fazer valer seus direitos. E Isso começa pela assunção de sua condição de umbandista, brasileiro e cidadão que cumpre seus deveres e obrigações, e exige que sejam respeitados seus direitos. Essa mesma premissa exige que se comece de dentro, através do combate a discriminação intra-religiosa.

Fica a cumprir a tarefa que pertence a todo brasileiro consciente: contribuir através da educação e do exemplo e da ação positiva para a transformação do Brasil - cuja vocação é a multiplicidade de raças, credos e etnias - em um país onde as diferenças sejam verdadeiramente respeitadas, a diversidade cultivada, a lei cumprida, a desigualdade e a intolerância banidas para que tenhamos mais que nunca orgulho de chamá-lo: Nossa Pátria, Brasil!

Por fim, deixo aos umbandistas uma reflexão contida na mensagem de Etiene Sales:
“Devemos aproveitar esse momento de oportunidade divina, mediante a adversidade da intolerância de outras religiões, para acabar com as nossas próprias intolerâncias internas. Devemos aproveitar o momento para criar uma união de fato. Algo lento e gradativo, mas que é necessário a nossa existência, pois necessitamos muito uns dos outros, pois unidos seremos fortes, desunidos seremos sempre presas fáceis e frágeis, mediante a qualquer conflito que nos cerque”

Comunicação apresentada no Seminário Preparatório para o I Congresso de Umbanda do Século XXI

Realização: Faculdade de Teologia Umbandista (FTU)
Apoio: CONUB e UERJ
Data: 19/04/2008
Horário: 09:30h até 17:00h
Local: UERJ. Rua São Francisco Xavier, 524 - Pavilhão Reitor João Lyra Filho
- Auditório XI.

Bibliografia :



MONTESQUIEU, Charles-Louis de Secondat , CARTAS PERSAS II – Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal, - São Paulo : Escala, 2006

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm - A GENEALOGIOA DA MORAL - Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal , - São Paulo : Escala, 2006

JORNAIS :
SARAMAGO, José – O FATOR DEUS - Folha de São Paulo, 19/09/2001

SITES:

SILVA , Antonio Ozaí da – REFLEXÕES SOBRE A INTOLERÂNCIA http://www.espacoacademico.com.br/037/37pol.htm

Guimarães, Lucilia e Garcia, Eder Longas, revista e atualizada por Thashamara ) http://www.nativa.etc.br/umb_conceito_pesquisa_003.html

SALES , Etiene- A DOR QUE SOFREMOS PELA INTOLERÂNCIA DO OUTRO E A NOSSA PRÓPRIA INTOLERÂNCIA. 16/04/2008.
http://br.groups.yahoo.com/group/UmbandapesquisandoaUmbanda/message/187


Outras fontes:
Cartilha em defesa da liberdade de crença religiosa - disponível para download http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas/subindex.cfm?paramend=1&IDCategoria=3252

Diversidade religiosa e direitos humanos http://www.mestreirineu.org/diversidade.htm

Exibições: 3968

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Links Patrocinados

Membros

Cine História

Tarja Branca

Está em cartaz em cinemas brasileiros o documentário de estréia do brasileira Cacau Rhoden. 

Sinopse: A partir dos depoimentos de adultos de gerações, origens e profissões diferentes, o documentário discorre sobre a pluralidade do ato de brincar, e como o homem pode se relacionar com a criança que mora dentro dele. Por meio de reflexões, o filme mostra as diferentes formas de como a brincadeira, ação tão primordial à natureza humana, pode estar interligada com o comportamento do homem contemporâneo e seu "espírito lúdico". 

documento histórico

Guerra dos Trinta Anos: Confira o mapa histórico sobre a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648), uma das maiores guerras da história da Europa Moderna. 

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }