Oito dias após a chegada da Corte Portuguesa à Bahia, a assinatura da Carta Régia, em 28 de janeiro de 1808, decretou a abertura dos portos brasileiros ao comércio exterior. A Data marcou o fim de 300 anos de colonialismo e lançou bases para o processo de independência do Brasil.



Como parte das comemorações pelo Bicentenário da abertura dos portos às nações amigas – em 28 de janeiro de 1808 – o último domingo, dia 27, foi marcado pelo desfile naval de 17 navios de guerra e diversas aeronaves da Marinha do Brasil e um navio da Marinha Mercante que percorreram as praias das zonas oeste e sul do Rio.



O desfile teve ínício às 11h, na Praia da Barra da Tijuca. As embarcações da Marinha passaram pelas praias de São Conrado, Leblon, Ipanema, Arpoador, Copacabana e Leme. Nas alturas dos fortes de Copacabana e do Leme, e da Fortaleza de Santa Cruz, os navios foram saudados por tiros de canhões do Exército Brasileiro.



Quem esteve presente no evento foi o ministro da Integração Nacional, Pedro Brito, e afirmou que além dos 200 anos da abertura dos portos, a criação da Secretaria Especial dos Portos deve ser comemorada por sinalizar a importância estratégica dos portos para o País. "Este ano, vamos comemorar o fluxo comercial internacional de US$ 300 bilhões. E 90% passa pelos portos", ressaltou.



Vale aqui realizarmos um retrocesso na história. Com a vinda da Família Real ao Brasil, ocorreu uma reviravolta nas relações entre a Metrópole e a Colônia. Logo ao chegar, no dia 28 de janeiro de 1808, Dom João decretou a abertura dos portos do Brasil às nações amigas. A Inglaterra foi a principal beneficiária dessa medida. Tal ato findou trezentos anos de sistema colonial. O Rio de Janeiro tornou-se o porto de entrada dos produtos manufaturados ingleses.



As conseqüências políticas e sociais do Tratado de 1808 levariam a um Brasil independente. As portas fechadas durante trezentos anos estavam abertas e a Colônia ficou fora do controle da Metrópole. Foi instalada uma burocracia modelada nas instituições portuguesas. Nenhum dos ministros nomeados havia nascido na Colônia e nenhum brasileiro foi escolhido para o Conselho de Estado. Os coloniais estavam excluídos da participação desses cargos administrativos.



Entre 1808 e 1810, a Inglaterra exerceu fortes pressões para assegurar direitos preferenciais na América portuguesa – um porto na ilha de Santa Catarina, súditos britânicos isentos da Inquisição e redução das taxas de importação. As mercadorias portuguesas passaram a ter uma taxa de importação de 16% ad valorem.



Em 1810, foi assinado o Tratado de Comércio e Navegação com o objetivo de consolidar e fortalecer a “antiga amizade”, o comércio e a navegação mútua de ambos os países, além de garantir que os súditos de uma nação permanecessem ou comerciassem no outro porto, e taxas de 15% sobre a mercadoria inglesa (a Inglaterra ficou com uma tarifa mais baixa do que a própria Colônia).



Todos os tratados foram considerados em vigor, inclusive o de Methuen para os vinhos portugueses e lã inglesa, além da liberdade de entrada e saída de navios britânicos de guerra nos portos do Brasil mesmo em tempo de paz.



Segundo o historiador Boris Fausto, com o Tratado de 1810 a vantagem inglesa tornou-se imensa. Portugal não tinha como competir em preço e variedade com os produtos ingleses. Junto com o acordo, foi assinado o Tratado de Aliança e Amizade em que a Coroa portuguesa se limitava a restringir o tráfico de escravos aos territórios sob seu domínio.



Alan Manchester, em sua obra “Preeminência Inglesa no Brasil”, admite que durante esse período a colônia recebeu alguns benefícios a partir desses acordos, como por exemplo: o crescimento econômico do Brasil foi estimulado devido ao influxo de capital dos empreendimentos britânicos.



Na verdade, o principal interesse dos ingleses no comércio brasileiro sempre foi vender mais do que comprar, a balança comercial era sempre favorável para a Inglaterra, ou seja, o Brasil era um importante mercado para as manufaturas inglesas, porém, uma fonte secundária para a importação britânica.



Segundo Manchester, “os privilégios desfrutados pela Inglaterra em Portugal durante séculos foram transferidos para o Brasil e a Inglaterra assegurou para si uma posição especial na colônia. As relações comerciais entre Inglaterra e Portugal, de 1808 a 1821, constituíram o passo intermediário para a transferência da centenária influência da Inglaterra sobre a vida econômica portuguesa para o Estado independente do Brasil”.



Por Fabíola Ortiz


Sobre os 200 anos da vinda da Corte Portuguesa:


http://www.200anosaberturadosportos.com.br/index.htm

Exibições: 3699

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Bruno Leal em 29 janeiro 2008 às 16:57
É curioso notar como as datas comemorativas - no Brasil e no mundo - ganham cada vez mais importância. O historiador Pierre Norá falava em "Lugares de Memória" para se referir a fatos ou acontecimentos que deixaram de ser tradição para se transformarem em obrigação. Sou menos pessimista do que Norá, ms há certa razão no que ele diz.

Acho bacana o movimento de lembrança histórica da abertura dos portos, mas é sempre bom pensar nos usos dessa memória, o que o texto d Fábiola trata muito bem.

Parabéns, Fabíola! Continue postando suas matérias sobre História! Muito bacana!

bjs!

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }