A mão-de-obra escrava no Brasil colonial, tanto indígena quanto africana, representa um período de grande predominância dos europeus em relação ao restante do mundo.
Sabe-se, atualmente, que cada povo tem seu valor, sua cultura, sua história. Cada etnia tem valores, crenças e códigos de moral e ética que precisam ser relevados. Contudo, durante a colonização das terras brasileiras sob domínio português, tudo isso foi arrogantemente desprezado. Afinal, os europeus, incluindo os portugueses, eram detentores de conhecimentos tecnológicos e domínio das múltiplas ciências que os faziam “superiores” às demais raças espalhadas pelo mundo.
Os escravos africanos vieram substituir os índios por motivos diversos como: a melhor adaptação ao trabalho na agricultura e interesses econômicos por parte da coroa portuguesa. Eram capturados em suas tribos e trazidos para o Brasil como mera mercadoria. No entanto, tanto os negros como os índios, sempre apresentaram sinais de grandeza e dignidade. Por isso, creditar aos povos aqui encontrados a resistência e aos trazidos do continente africano a submissão é um grande erro.
Os negros também apresentavam resistência. Lutavam contra os seus dominadores, tinham ideais de liberdade, buscavam se organizar em busca da não escravização e tentavam se impor diante do homem branco. Mas os rigores da escravização do negro africano foi muito mais cruel do que do índio brasileiro. Somente o fato de serem arrancados de suas terras e das suas famílias já demonstrava o tamanho da crueldade a que se submeteriam. Além do mais, os olhares portugueses eram bem mais depreciativos sobre o africano do que do índio. Poder-se-ia até dizer que o índio era menos igual ao português em relação aos demais povos europeus enquanto que o negro africano era considerado realmente diferente. Isto não apenas pela cor da pele, mas também pelo fator inteligência haja visto o tratamento animal a estes dispensados e a restrição de muitos na relação entre o homem branco e as mulheres negras ou do tratamento dado aos eventuais filhos oriundos dessas relações.
Podemos observar que o desenrolar dessa dramática história de subjugo não termina por aí. Afinal, quando o índio, por algum motivo deixasse de ser escravo, poderia novamente reunir-se ao seu povo. Mas e o africano, como voltar para o seu povo se um oceano inteiro o separava da sua terra natal? O resultado se vê até hoje, pois, a pobreza e a miséria ainda cercam a maioria dos descendentes dos escravos trazidos da áfrica sem que haja políticas específicas que busquem realmente atender às suas necessidades básicas,
É por isso que a escravidão, embora nominalmente abolida do nosso país, continua latente. As mesmas condições subumanas, as desigualdades, os trabalhos forçados, etc., observados no período colonial ainda existem na vida do negro e dos menos favorecidos.
Mas agora, não são os portugueses que escravizam. São os próprios brasileiros, cuja cor, pele, cabelo e sangue dão provas da miscigenação ocorrida ao longo dos séculos. Precisamos de políticas igualitárias que sejam eficazes e de uma educação mais democrática. Somente assim o Brasil será realmente livre.

Exibições: 13630

Os comentários estão fechados para esta mensagem de blog

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }