Afinal, qual a verdadeira face da candidata Dilma Rousseff?

http://www.youtube.com/watch?v=Wi0R13HInyI&NR=1&feature=fvwp

Quem irá ditar as regras? O famigerado mentor do MENSALÃO? Ou será apenas a sombra do Lula?

Uma pergunta que não quer calar, que martela a cabeça daqueles que pensam. Não que haja grandes diferenças entre os dois possíveis manipuladores. São semelhantes, guardando-se as diferenças culturais.

Zé Dirceu é um "teórico" marxista, homem de leitura, ardiloso, sibilino, dono da boa palavra, das estratégias, mas, sobretudo, um oportunista 'refinado' sob a máscara de trotskista, que seria um excelente camelô (que a classe me perdoe!), para vender técnicas de corrupção.

Pensemos: somente uma inteligência perversa poderia arquitetar o grandioso plano do mensalão. Não houve nesse país, nada que se assemelhasse em corrupção. Corrupção, vejam bem, dentro do próprio Congresso. Que poder de convencimento maligno pode articular um plano tão sórdido?

Querem a resposta? A doença do fisiologismo, do oportunismo para o enriquecimento ilícito de negociatas, da ambição do poder para si, do desprezo pelo país, da arrogância, da incompetência. Esse o terreno fértil para vicejar os "zésdirceus" da vida.

O esforço para a manutenção de um projeto que pretende transformar o Estado brasileiro, sob todos os aspectos que estruturam a sociedade, não pode ser levado a efeito pela candidata Dilma. Falta-lhe o preparo suficiente.

Daí o grande dilema que se apresenta: quem será o poder oculto? Que disputas ocorrerão nos corredores absconsos do poder? Chegaremos a isso? Espero que não, pelo bem desse país e desse povo.

Quem viver, verá

Exibições: 4

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Silvio Pedrosa em 21 outubro 2010 às 10:03
"Zé Dirceu é um teórico marxista"...

Eu ri disso...

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

Cine História

Saint Laurent

Acaba de chegar aos cinemas o filme "Saint Laurent", de 

Sinopse: Entre os anos 1967 e 1976, o estilista Yves Saint-Laurent (Gaspard Ulliel) reinou sozinho no mundo da alta costura francesa. Esta biografia mostra o seu processo criativo, as fotografias e entrevistas polêmicas, a relação com o marido e empresário Pierre Berger (Jérémie Renier), os casos amorosos extra-conjugais e a relação com o álcool e as drogas, que quase destruíram o império da marca YSL.O avô húngaro de Alex Levy Heller, diretor e roteirista deste documentário, teria escondido um relógio Patek Philippe com seu irmão mais velho antes de ser preso no campo de concentração de Auschwitz. Na busca por esse objeto, Alex faz duas viagens: Uma até a Polônia - atual Romênia e a Israel - usando o relógio como pretexto para descobrir mais sobre a história da sobrevivência de sua família. Na outra, ele entrevista sobreviventes do Holocausto que vieram morar no Brasil, resgatando as memórias dos sobreviventes desse período negro da história

café história acadêmico

Arte: Leia, na íntegra e gratuitamente, o livro “A Era de Caravaggio.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }