ESTADOS UNIDOS IGNORA ACORDO BRASILO-TURCO-IRANIANO.


Estados Unidos ignora acordo brasilo-turco-iraniano.

Nos últimos dias pairou novamente no ar internacional um vestígio da fragrância republicana, dando a impressão de que os tempos da família Bush haviam voltado.

Hillary Clinton, Secretária de Estado dos Estados Unidos, tem proporcionado claros sinais de que a política externa estadunidense não pautará a sua política internacional pelo soft power[1], teoria desenvolvida pelo cientista político Joseph Nye, que participou recentemente do programa Roda Viva, da TV Cultura.

O mais recente de tais sinais se refere ao hands off apontado à CNN pela Analista Senior do Instituto para a Ciência e Segurança Internacional, Jacqueline Shire, que também atuou no Departamento de Estado dos Estados Unidos em vários cargos relacionados à não proliferação de armas nucleares. Para Jacqueline Shire, os Estados Unidos foram surpreendidos com o sucesso nas conversações entre Brasil, Turquia e Irã. A diplomacia estadunidense manteve-se distante da negociação com a certeza de que esta falharia – fato que não ocorreu.

Apesar do Jornal Nacional, da Rede Globo, se opor sistematicamente não somente ao atual governo como também à própria política externa do Itamaraty, a atuação da chancelaria não é desapropriada como alguns querem supor. O Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, desconstruiu qualquer divagação neste sentido constatando que "O acordo (de Teerã) é o acordo que eles propuseram. Nós (Brasil e Turquia) apenas estávamos viabilizando uma maneira de chegar ao acordo que estava sobre a mesa. Todas as dificuldades foram superadas". Fato. O Itamaraty e a diplomacia turca, ao fecharem acordo com Teerã, apenas fizeram com que os iranianos revissem a sua desistência de um acordo firmado há pouco tempo atrás, que havia selado com os próprios Estados Unidos e demais membros do Conselho de Segurança da ONU.

Hillary Clinton ignorou a negociação brasilo-turco-iraniana por dois motivos: desconfiança do seu país de que o Irã esteja escondendo ainda material suficiente para enriquecer a 90% e aplicar em uma ogiva nuclear e, segundo, como revide à diplomacia brasileira, com quem vem travando uma dura queda-de-braço há algum tempo. Caso contrário, por que não oferecer mais tempo ao Irã e dar prosseguimento às negociações?



[1] Conceito apresentado e defendido pelo cientista político Joseph Nye (professor da Universidade de Harvard) em seu livro Soft Power: The Means to Success in World Politics (Soft Power: Os Meios para o Sucesso no Mundo da Política), lançado em 2004.

Exibições: 11

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de Marcelo Torres em 23 maio 2010 às 19:40
Infelizmente, madeira...

Na política internacional continua valendo a expressão estadunidense: "It´s my way or the highway"...
Comentário de MADEIRA em 23 maio 2010 às 7:24
sim,o obama seguirá o congresso americano q manda no país e tambem no globo.ele quer é estar na fita.quanto a politica externa americana,continuará sangrando povos,roubando sonhos e matando jovens.
Comentário de Marcelo Torres em 20 maio 2010 às 20:31
Fato, Madeira.

Vamos ver até onde irão os Estados Unidos nesta nova mentira. Mais curioso ainda será acompanhar o posicionamento de Obama (já que nada do que a Hillary fizesse me surpreenderia) - o presidente estadunidense seguirá suas próprias convicções ou se renderá aos interesses de corporações?

Aguardemos essa resposta.
Comentário de MADEIRA em 20 maio 2010 às 17:59
o lula é aguia,o usa querem manter o medo,tipo o q inventaram do iraque e barris e mais barris de petrólio saem dia e noite do iraque,um país sem governo,sangrando sua populaçao,agora querem o IRÃ,Mas podemos dizer q o argumento americano fracasou,terá q inventar outra mentira.

Links Patrocinados

Cine História

Não pare na pista

Chega aos cinemas brasileiros o aguardado filme cinebiografia de Paulo Coelho, "Não pare na pista -  a melhor história de Paulo Coelho", dirigido por Daniel Augusto. 

Sinopse: Cinebiografia de Paulo Coelho, o filme se concentra em três momentos distintos da carreira do escritor: a juventude, nos anos 1960 (período em que é vivido pelo ator Ravel Andrade); a idade adulta, nos anos 1980 (Júlio Andrade); e a maturidade, em 2013, quando refaz o Caminho de Santiago (Júlio Andrade, maquiado). Usando como base depoimentos do próprio Paulo Coelho, a história perpassa os momentos mais marcantes da vida do autor, como os traumas, a relação com as drogas e a religião, sexualidade e a parceria com o músico Raul Seixas.

café história acadêmico

Ensino de História: Confira o artigo “A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História”, da historiadora Christian Laville, da Universidade Lava, Quebec. Resumo: Em quase todas as partes do mundo, os programas escolares exigem que o ensino da história desenvolva nos alunos a autonomia intelectual e o pensamento crítico. Há muito tempo não se vê mais a missão de incutir nas consciências uma narrativa única glorificando a nação ou a comunidade. No entanto, quando o ensino da história é questionado nos debates públicos, é sempre com referência a esse tipo de narrativa: embora não fazendo mais parte dos programas, esse continua sendo o único objeto dos debates. Este artigo dá inúmeros exemplos atuais de tais debates, antes de concluir que são provavelmente vãos e que as pessoas se iludem sobre os efeitos reais da história ensinada. Alguns exemplos também são dados a esse respeito. Clique aqui para acessar.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }