Wilson J. de A. Teodoro
  • Masculino
  • Rio de Janeiro
  • Brasil
Compartilhar
  • Mensagens de blog

Amigos de Wilson J. de A. Teodoro

  • Expedito Rodrigues de Lima
  • Alcebíades de Lima Oliveira
  • Wladimir Gomide
 

Página de Wilson J. de A. Teodoro

Informações do Perfil

Sobre mim
Sou um apaixonado por História
Atividade profissional
outro
Formação
Pós-Graduando (L.sensu)
Estado
Rio de Janeiro
Cidade
Niteroi

Caixa de Recados (3 comentários)

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Às 10:25 em 30 abril 2012, João Roberto Laque disse...

Olá!

Enquanto as comissões da verdade pipocam pelo Brasil, um herói desconhecido de nossa história inspirou o livro que está servindo de guia para quem quer saber tudo sobre as ações guerrilheiras que atazanaram os militares durante os Anos de Chumbo.

Veja: guerrilhanobrasil.blogspot.com.br/

Às 9:32 em 27 abril 2012, Bruno Leal disse...

Salve, Wilson! Bom dia!

Queria parabeniza-lo por suas ótimas intervenções em fóruns e grupos do Café História. É muito bom contar com a presença de colegas interessados no bom debate. Sinta-se em casa aqui na rede. Um grande abraço,

Às 18:16 em 23 abril 2012, Wladimir Gomide disse...

Peguei carona no papo sobre o Para-Sar. Quando voltei com material para postar, achei que o papo tinha acabado. Convidei Lilian para conversar e passei-lhe as mesmas informações que deixo aqui.

Quem de vocês sabe o que foi o "Caso Para-Sar"?

Êste texto foi publicado pela Isto É sob o título "A Morte do Carrasco".

Desde 1964, o brigadeiro João Paulo Moreira Burnier era conhecido na Força Aérea Brasileira como “o carrasco”. O apelido, dado por seus subordinados, o acompanharia pela vida. Sua morte, no último dia 13, foi misteriosa como as missões que planejou no temido Centro de Informações e Segurança da Aeronáutica (Cisa), nos anos 60 e 70. Ultimamente, segundo oficiais da Aeronáutica, ele atacava o “excesso de liberdade no País”. Burnier morreu de câncer, aos 80 anos, mas o fato só foi divulgado, por militares, no dia 19. O brigadeiro foi mentor de um plano para explodir o gasômetro do Rio de Janeiro, pôr a culpa na esquerda e causar uma comoção nacional, o que levaria à radicalização do processo político. A tragédia foi evitada pelo capitão Sérgio Miranda de Carvalho, o Sérgio “Macaco”, que comandava o Para-Sar, grupo de elite da Força Aérea, e se recusou a participar da eliminação de opositores da ditadura militar. Na lista dos alvos estavam o ex-governador Carlos Lacerda, o ex-presidente Juscelino Kubitschek e o líder estudantil Vladimir Palmeira.
Hélio Contreiras

http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9rgio_Ribeiro_Miranda_de_Carvalho

http://pt.wikipedia.org/wiki/Caso_Para-Sar

http://www.arqanalagoa.ufscar.br/pdf/recortes/R04919.pdf

Grande abraço.

 

 
 
 

Boletim Café História

Anúncio

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }