Página de William Vianna Pimenta

Informações do Perfil

Atividade profissional
Estudante
Formação
Graduando
Cidade
Rio das Ostras

Sinto-me como um exilado nesta terra mítica do Oeste celto-tupiniquim...
Mais alguém por aqui que se dedique à pesquisa ou no mínimo tenha algum interesse no âmbito dos Estudos Célticos?
Sintam-se a vontade para entrar em contato!
Grande abraço a todos,
William

Caixa de Recados (9 comentários)

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Às 19:39 em 28 setembro 2010, Angela Cristina Ferreira MCcall disse...
Obrigada por se adicionar a minha página.

Participe também de meu grupo HISTÓRIA DO RÁDIO NO BRASIL .
Abraços, Angel
Às 0:23 em 11 abril 2010, Lucas Suhett disse...
Com licença,

Sou estudante de História, tenho grande interesse pela história e cultura dos povos celtas e penso em, talvez, fazer minha monografia ou tese de mestrado na área dos estudos célticos.
Gostaria de saber se você pode me indicar algumas referências ^^ (por exemplo sobre fontes, autores, estudo de línguas, enfim...)
Li seu post sobre celticidade na Europa Ocidental e foi ali que o encontrei.
Posso adicioná-lo?

Grato,

Lucas
Às 16:01 em 11 setembro 2008, Michele Magalhães disse...
saudades de ti meu lindo, qnd estarás no RJ?!

bjs
Às 20:49 em 27 fevereiro 2008, Danilo Antunes disse...
Opaaa...
não to acostumado também ...rsrsrs
mais achei super interessante esse CAFÉ HISTORIA... td de bom ...
valeu..
Às 18:53 em 24 fevereiro 2008, Saulo de Souza Bento disse...
Eu estou ótimo Will, tudo na paz ai contigo tb?

Claro, to entrando lá no tópico pra ver como tá a comunidade.

Qualquer coisa a gente se esbarra na faculdade. Abraços.
Às 10:21 em 22 fevereiro 2008, Ricardo da Costa disse...
William,

Espero que todos duvidem de mim. Quem sabe assim, com ceticismo saudável, "eles" irão às fontes para conferir e confrontar o que digo?

Infelizmente, para se estudar o mundo antigo e medieval deve-se ter um cartão de crédito internacional - e gastar...

Bem, muitas fontes estão publicadas. O problema é que os professores raciocinam em termos bibliográficos para o terceiro grau e pouco trabalham com fontes em sala...

Vou te dar um exemplo. Estou com um excelente aluno de graduação que deseja estudar a cultura nórdica.

O que eu aconselhei? Pesquisar quais as fontes disponíveis. Ele encontrou várias, e está com uma, a Saga de Egil Skalla-grimsson, de Snorri Sturlusson. Encontrou-a em inglês, espanhol e nórdico antigo.

Pedi a ele que começasse a estudar a língua. Apaixonado, encontrou na Internet um curso e está malhando...

Além disso, e enquanto lê a fonte, pedi para ele para procurar quem a estudou, uma bibliografia erudita. Aconselhei-o a procurar um professor brasileiro especialista em vikings para ver se ele publicou algo, se analisou algum aspecto desse importantíssima fonte.

O que o rapaz descobriu? NADA. O especialista brasileiro nunca escreveu uma linha sobre aquela fonte. Tudo se resume a uma discussão bibliográfica. Pobre de nós...

Ele ficou espantadíssimo. Expliquei-lhe que, se estudar, vai percorrer um caminho inédito no Brasil, pois o que tem aqui de garganta...

Quais editoras publicam fontes? A GREDOS, a BAC, a Siruela (está tudo na Internet, até a saga ele encontrou), enfim, muitas.

O importante é ler bons livros, em que os autores trabalhem com fontes para embasar sua pesquisa, fichar as que são citadas e procurá-las - e ignorar solenemente os livros que não citam/trabalham com fontes.

Leia seus livros com esse olhar, abra a cabeça para as possibilidades (em uma hagiografia medieval você pode encontrar - e encontra - dados para uma história da alimentação, por exemplo), e SÓ DEPOIS de uma razoável leitura documental é que você DEVE escolher seu tema. Mas leia de tudo: cartas, crônicas, etc.

Um último exemplo. Outro aluno está pesquisando Filosofia grega. Queria começar com um manual. Proibi. Mandei ler Platão e Aristóteles. Adorou - e até corrigiu uma informação contida em um livro...

Abraço - vou almoçar.

Ricardo
Às 9:32 em 22 fevereiro 2008, Ricardo da Costa disse...
William,

Estou agora mesmo lendo o novo livro de Jacques Le Goff "A longa Idade Média" (um conjunto de artigos e entrevistas) e vejo o principal ponto que falta aqui em nosso meio historiográfico: o trabalho com as fontes.

De fato, aprendemos a raciocinar inicialmente em termos bibliográficos, quase nunca com fontes primárias. Isso é o senso comum nosso. Por isso, você me pergunta se conheço um livro, uma obra.

O ideal é: você conhece alguma fonte que trata disso? Pois é só depois do levantamento das fontes disponíveis de uma determinada época que selecionamos o assunto - igualmente disponível na fonte.

Bem, precisaria te perguntar "QUAL ÉPOCA?", "ONDE?", para depois "o que você entende por práticas mágicas?", e, mais importante, "os daquele tempo também pensavam assim?".

De qualquer modo, caro William, penso que vocês estão "queimando os neurônios" porque "pensaram" o tema primeiro, para ver depois se o encontram. Eu hoje faço o contrário: primeiro leio uma fonte para ver o que ela trata, e depois escolho o tema.

Me estendi demais. Mas acho que isso é uma forma mental nossa (brasileira) de trabalhar equivocada, pois idealizamos a realidade, ao invés de simplesmente ir em busca dela.

Receio não ter me expressado muito bem, mas, é isso que consigo passar com uma só mão (ainda me recupero do AVC sofrido em dezembro último...).

Abraço
Ricardo da Costa
www.ricardocosta.com
Às 8:15 em 22 fevereiro 2008, Ricardo da Costa disse...
Tecendo a teia e assim divulgando nosso trabalho.

Abraço,
Ricardo da Costa
www.ricardocosta.com
Às 20:24 em 20 fevereiro 2008, Michele Magalhães disse...
Olha onde eu te acheiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...
saudades amigo....
bjs
 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

Não pare na pista

Chega aos cinemas brasileiros o aguardado filme cinebiografia de Paulo Coelho, "Não pare na pista -  a melhor história de Paulo Coelho", dirigido por Daniel Augusto. 

Sinopse: Cinebiografia de Paulo Coelho, o filme se concentra em três momentos distintos da carreira do escritor: a juventude, nos anos 1960 (período em que é vivido pelo ator Ravel Andrade); a idade adulta, nos anos 1980 (Júlio Andrade); e a maturidade, em 2013, quando refaz o Caminho de Santiago (Júlio Andrade, maquiado). Usando como base depoimentos do próprio Paulo Coelho, a história perpassa os momentos mais marcantes da vida do autor, como os traumas, a relação com as drogas e a religião, sexualidade e a parceria com o músico Raul Seixas.

café história acadêmico

Ensino de História: Confira o artigo “A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História”, da historiadora Christian Laville, da Universidade Lava, Quebec. Resumo: Em quase todas as partes do mundo, os programas escolares exigem que o ensino da história desenvolva nos alunos a autonomia intelectual e o pensamento crítico. Há muito tempo não se vê mais a missão de incutir nas consciências uma narrativa única glorificando a nação ou a comunidade. No entanto, quando o ensino da história é questionado nos debates públicos, é sempre com referência a esse tipo de narrativa: embora não fazendo mais parte dos programas, esse continua sendo o único objeto dos debates. Este artigo dá inúmeros exemplos atuais de tais debates, antes de concluir que são provavelmente vãos e que as pessoas se iludem sobre os efeitos reais da história ensinada. Alguns exemplos também são dados a esse respeito. Clique aqui para acessar.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }