James Emanuel de Albuquerque
  • Masculino
  • Rio de Janeiro, RJ
  • Brasil
Compartilhar

Amigos de James Emanuel de Albuquerque

  • Merilin Baldan
  • Leila Floresta
  • Silvaniza Maria Vieira Ferrer
  • Alexander Martins Vianna
  • Ricardo Figueiredo de Castro
  • Lorena Lima
  • Viviane Nunes
  • Flávio  Moraes
  • Catherine Henry
  • Andréa Queiroz
  • Tiago Manika Adamoski
  • Elaine da Rocha Baptista
  • Patricia Maria O.Teixeira
  • Carolina Rocha
  • Juliane borges Gomide
 

SOCIEDADE E CULTURA

Informações do Perfil

Sobre mim
Graduação em História - IFCS - 1997 - 2002 (UFRJ)
Mestrado Historia - IFCS - PPGHIS - 2004 - 2006 (UFRJ)

Desde março de 2007 edito um blog sobre sociedade e cultura: o REFLEXÕES
onde procuro difundir os conhecimentos que recebi na Academia.


“Aquele que é fundamentalmente mestre só leva a sério as coisas por causa de seus alunos – inclusive ele próprio.”
( NIETZSCHE, F. Além do Bem e do Mal. Tradução de Antonio Carlos Braga. São Paulo:Editora Escala, s/data.)


EPICTETO – MÁXIMA 175
“Acusar os demais das próprias desditas é coisa de ignorante; acusar apenas a si mesmo é coisa de homem que começa a instruir-se; não acusar nem a si próprio nem aos outros é coisa de homem já instruído”.
(EPICTETO. Máximas. Tradução de Alberto Denis. São Paulo: Ed. E Pub. Brasil Editora, 1960)


“Para possuir o mundo da cultura precisamos reconquistá-lo incessantemente pela recordação histórica, que não significa simplesmente o ato da reprodução.
É uma nova síntese intelectual – um ato construtivo”.
(CASSIRER, Ernst. Antropologia Filosófica. Tradução de Vicente Felix de Queiroz. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1972)

*
Atividade profissional
Estudante
Formação
Mestre
Cidade
Rio de Janeiro


Cornelius Castoriadis
Em
As Encruzilhadas do Labirinto




“Pensar não é sair da caverna nem substituir a incerteza das sombras pelos contornos nítidos das próprias coisas, a claridade
vacilante de uma chama pela luz do verdadeiro Sol.

É entrar no Labirinto, mais exatamente fazer ser e aparecer um Labirinto ao passo que se poderia ter ficado “estendido entre as flores, voltado para o céu”.

É perder-se em galerias que só existem porque as cavamos, incansavelmente, girar no fundo de um beco cujo acesso se fechou atrás de nossos passos – até que essa rotação, inexplicavelmente, abra, na parede, fendas por onde se pode passar.

Com toda certeza, o mito queria significar algo de importante, quando fazia do Labirinto a obra de Dédalo, um homem”.





“Penso aqui, agora: em função do que já foi pensado, dito, elaborado, feito, do que sei disso explicitamente (muito pouco) e implicitamente (um pouco mais).

Mas se “em função” quer dizer verdadeiramente em função, se o que penso é determinado de maneira unívoca pelo que já foi pensado, não penso nada, estou na simples repetição e não vale a pena prosseguir, se a história, e a história do pensamento, é verdadeiramente determinada, ela é apenas um vasto sistema tautológico”.




“Pensar é precisamente abalar a instituição perceptiva na qual todo lugar tem o seu lugar e todo momento tem a sua hora – assim como é abalar a instituição dada do mundo e da sociedade, as significações imaginárias sociais que essa instituição encerra”.







CASTORIADIS, Cornelius. As Encruzilhadas do Labirinto / 1. Tradução de Carmen Sylvia Guedes e Rosa Maria Boaventura. Revisão técnica de Denis Rosenfield. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Sobre CASTORIADIS clique AQUI!

Para visitar o meu blog (REFLEXÕES) clique AQUI!


CULTURA: UMA VISÃO ANTROPOLÓGICA

Tradução do ensaio “Culture: An Anthropological View” de Sidney W. Mintz, publicado originalmente na The Yale Review, em 1982, desenvolvida por James Emanuel de Albuquerque, com revisão e aprovação do autor. Rio de Janeiro – primeiro semestre de 2005.

MINTZ, Sidney W. Cultura: uma visão antropológica. Tradução de James Emanuel de Albuquerque. Tempo , 2010, vol.14, n.28, pp.223-237. Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/site/?cat=57



Com o generoso apoio dos mestres Flávio Gomes (IFCS) e Maria Regina Celestino de Almeida (UFF).


Max Horkheimer
Em
Teoria tradicional e teoria crítica.




“A hostilidade que reina hoje em dia na opinião pública a qualquer teoria se orienta na verdade contra a atividade modificadora ligada ao pensamento crítico.

Se o pensamento não se limita a registrar e classificar as categorias da forma mais neutra possível, isto é, não se restringe às categorias indispensáveis à práxis da vida nas formas dadas, surge imediatamente uma resistência.

Para a grande maioria dos dominados prevalece o medo inconsciente de que o pensamento teórico faça aparecer como equivocada e supérflua a acomodação deles à realidade, o que foi conseguido com tanto esforço.

Da parte dos aproveitadores se levanta a suspeita geral contra qualquer tipo de autonomia intelectual”.


CIVITA, Victor (Editor). Walter Benjamin, Max Horkheimer, Theodor W. Adorno, Jürgen Habermas, Textos Escolhidos. Traduções de José Lino Grünnewald... [et al.]. 2ª. Ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Pensadores)


Sobre Horkheimer clique AQUI!




Blog de James Emanuel de Albuquerque

REFLEXÕES SOBRE SOCIEDADE E CULTURA (279)

Postado em 23 julho 2010 às 17:31 0 Comentários

Michel Foucault Em Vigiar e Punir.“Durante muito tempo a individualidade qualquer – a de baixo e de todo mundo – permaneceu abaixo do limite de descrição.

.…

Continuar

REFLEXÕES SOBRE SOCIEDADE E CULTURA (278)

Postado em 20 julho 2010 às 15:17 0 Comentários

Ludwig Wittgenstein Em Conferência sobre ética. “Agora, vou descrever a experiência de assombro diante da existência do mundo dizendo: é a experiência de ver o mundo como um milagre.

.…

Continuar

REFLEXÕES SOBRE SOCIEDADE E CULTURA (277)

Postado em 16 julho 2010 às 14:42 0 Comentários

Friedrich Hayek Em O Caminho da Servidão. “Os acontecimentos contemporâneos diferem dos históricos porque desconhecemos os resultados que irão produzir”.

.…

Continuar

REFLEXÕES SOBRE SOCIEDADE E CULTURA (276)

Postado em 12 julho 2010 às 15:16 0 Comentários

Chico Xavier Em Nosso Lar. “As religiões, no planeta, convocam as criaturas ao banquete celestial. Em sã consciência, ninguém que se tenha aproximado, um dia, da noção de Deus, pode alegar ignorância nesse particular.…

Continuar

REFLEXÕES SOBRE SOCIEDADE E CULTURA (275)

Postado em 7 julho 2010 às 8:38 0 Comentários

Dom Hélder Câmara Em Oração do Paraninfo dos Bacharéis e Licenciados na Faculdade de Filosofia. “Permiti, meus amigos, que eu vos lembre que deixar de ser aluno não é sinônimo de deixar de ser estudante, receber um diploma não é adquirir o direito absurdo de fechar os livros, mas assumir o encargo solene de sempre estudar e…

Continuar

Caixa de Recados (37 comentários)

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Às 22:06 em 4 março 2010, Merilin Baldan disse...
Oi James.
Que bom.
Eu gosto bastante do seu blog. Quase sempre passo por lá...

;)

Abraços,
MB
Às 22:39 em 18 janeiro 2010, Bruno Leal disse...
Salve, meu amigo!

Para todos nós!

Forte abraço

Bruno Leal
Às 13:08 em 15 janeiro 2010, Silvaniza Maria Vieira Ferrer disse...
Olá James, sou mestranda em História da Educação. Também tenho um blog mas escrevo pouco e não necessariamente sobre história. Se estiver interessado, o endereço é http://vidacoisaseeu.blogspot.com/ Seja bem-vindo
Às 0:59 em 4 dezembro 2009, Lorena Lima disse...
Meu blog: http://loreniitaahh.blogspot.com/
Seja bem vindo!!!
Abraços carioca, LL
Às 22:39 em 3 dezembro 2009, Flávio Moraes disse...
Olá James, seja bem-vindo ao grupo Glauber Rocha.
Abraços Flávio Moraes
Às 19:43 em 5 novembro 2009, Flávio Moraes disse...
Olá James, infelizmente o senhor tem razão este secretario de segurança faria uma carreira e tanto na ss nazista, e hoje ele fez afirmações do tipo: "o Rio de Janeiro não é violento" e que "algumas áreas teriam índices de crimes europeus”, bom eu acho que o secretario não lê jornal, não vê TV, e nem mora no Rio.
Abraços Flávio Moraes
Às 14:04 em 2 novembro 2009, Marcos Galindo disse...
Obrigado James. Boa sorte!
Às 19:22 em 5 outubro 2009, Alexander Martins Vianna disse...
Olá, James!
Como tem passado? Gostei de saber que você está bem?
Sou doutor, mas, para os amigos, sou apenas Alexander.
Abraços e tudo de bom
Às 21:06 em 9 setembro 2009, Lúcia Glicério disse...
A idéia é essa caro James. Aproveite a leitura!
abraços,
Lúcia
Às 22:04 em 5 setembro 2009, Lúcia Glicério disse...
Obrigada James!
Estou começando a lidar com as linguagens dos blogs. Acredito que consiguirei melhorar com o tempo. Desejo que o perfil seja uma central de informações e referências sobre História da América, na WEB. Ficaria feliz com a sua contribuição. Só fiquei com uma pontinha de inveja da sua foto, na praia, aí no Rio. Sou carioca, mas moro em Londrina há 21 anos. Sinto saudades da praia. A foto de meu perfil foi tirada em Visconde de Mauá (RJ), um dos meus locais preferidos...
Abraços,
Lúcia
 
 
 

Boletim Café História

Anúncio

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }