A entrada dos EUA na guerra; O revez na campanha Russa; A campanha na Normandia "O Dia D", são acontecimentos chaves que minaram a Máquina de Guerra Nazista e que culminaram com a derrota da Alemanha na II Guerra Mundial. No entanto, fatos Históricos como: O súbito fim da Campanha da Grã-Betanha (Guerra da Inglaterra) e o início da Campanha Russa, o que possibilitou a recuperação das forças britânicas; O sucesso da Operação Dínamo (dos Britânicos), que resgatou 338.226 soldados aliados, possibilitada pela controvérsa decisão de Hitler de parar o avanço das Divisões Blindadas nas praias de Dunquerque,
(litoral francês) quando estas estavam para dizimar o exército alidado que ainda lutava quando da tomada da França pelos nazista, aliás, decisão esta, muito criticada por vários de seus generais (na surdina é claro); A imprecisão da inteligência Alemã quanto ao local do desembarque das tropas aliadas no Dia D; A indecisão e, posteriormente, a não adoção da extratégia proposta a Hitler pelo Marechal Gerd Von Rundstedt, de repelir os aliados, ainda a beira-mar, impedindo que eles pusessem os pés na praia; A viagem do Marechal Germânico Erwin Rommel, responsável por repelir qualquer tentativa de invasão na Europa, à cidade de Ulm, em seu pais natal, para celebrar o aniversário da esposa, certo de que aquela terça-feira (Dia D) seria apenas mais uma no calendário. E por fim, O lider máximo da "Grande Alemanhã Nazista" se dava ao luxo de dormir até tarde, vejam só. É pessoal, naquele dia decisivo de 06 de junho de 1944, Hitler, só foi acordado por seus generais às 09:00 hs da manhã, quanto que, a operação, já havia começado desde os primeiros minutos daquele dia, são acontecimentos que provam o quanto a adoção de estratégias frágeis, a falta de comando no front e a arrogância, que tendem a subestimar o inimigo, podem, se não decidir, mais mudar os rumos de uma guerra.
Pergunto! O que mais contribuiu para a derrota da Alemanha Nazista: A superioridade aliada em número e organização, as estratégias erroneas ou arrogância de Hitler e de seus generais, que se achavam tão superior aos aliados que os subestimaram em momentos chaves do conflito??

Pessoal! Ótima Fonte para estudos do assunto:
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/

Exibições: 6050

Respostas a este tópico

Alguns fatores levaram a Alemanha à derrota; lutar em diversas frentes, a quebra do pacto nazi-soviético, a entrada dos EUA na guerra, o isolamento alemão, erros de estratégia na invasão da URSS, a frágil aliança onde se organizara as potências do eixo.....
Um abraço.....
Não creio que seja possível tratar uma questão de forma tão simplória. A derrocada nazista começou antes mesmo da Segunda Guerra Mundial (e não Segunda Grande Guerra). As questões já colocadas por José Aparecido são óbvias vistas sob a perspectiva política e militar, porém o nazismojá demonstrava fragilidade ao impor uma política exacerbada a uma população carente de uma estabilidade. Esta população que, anos antes necessitava de uma reformulação política, aderiu ao nazismo movido por ressentimentos oriundos do séc. XIX e que se agravou com a entrada e posterior derrota alemã na Primeira Guerra. Sabe-se, portanto, que ao impor uma política caracterizada como ditadura, existe um prazo certo de validade para sua existência. O detahe de iniciar um conflito movido pela empolgação nacionalista e pelas sucessivas vitórias militares (1939, 1940, 1941) só adiantou o processo de extinção de uma política má administrada por um brilhante homem, Adolf Hitler.

Bruno, concordo com você. É uma questão bastante complexa.

Não seu se o nazismo era frágil desde o início. Penso que se fosse assim, ele não teria tido a força que teve.

Mas não tenho dúvidas também: o seu próprio projeto político e ideológico foi o que destruiu ele. 

Se Hitler tivesse mantido a URSS como aliada, e não tivesse parado às portas de Dunquerque o rumo da guerra seria outro.
Não é possível dentre da história partir do princípio de "e se"....e se Hitler tivesse ganho a Batalha da Inglaterra?!?!?!?!....acredito que erros históricos são muito mais do que meras possibilidades.....
Acredito que a principal causa da derrota da Alemanha esta ligada ao fato de ter feito diversas frentes ao mesmo tempo. Invadir a Inglaterra e impingir uma derrota aos ingleses não seria fácil... Mas, provavelmente Hitler mantendo essa frente seria vitorioso. Onde está o erro então?
Justamente em abrir diversos teatros ao mesmo tempo e não ter exigido das tropas japonesas cautela no pacífico para evitar que os americanos entracem na guerra.
Provavelmente, caso Hitler não entrace em surto psicótico, o mundo teria visto o fim da guerra através de uma bomba atômica americana explodindo sobre Berlim.
Pois o projeto dessa bomba já estava bastante desenvolvido justamente para por fim as aspirações dominadoras de Hitler que também buscava o desenvolvimento da mesma, mas não consegui a tempo.
Se você me permite discordar, Gabriel, a Alemanha nazista e a URSS jamais foram aliadas. Elas apenas firmaram um Tratado de Não-Agressão, em uma época em que isso se tornou conveniente para ambas, e acordaram a partilha da Polônia, caso houvesse guerra entre alemães e poloneses. Mas mesmo quando isso aconteceu, em 1939, não houve quaisquer operações militares coordenadas entre as forças dos dois países. O Tratado, que deveria durar 10 anos e foi respeitado pelos soviéticos, acabou traído por Hitler, que invadiu a URSS, em 21 de junho de 1941 (Operação Barabarossa).

Eu discordo, Álvaro. Entendo o que você quis dizer. Mas o Pacto de Não-Agressão (que na verdade era um pacto de agressão contra outros países) durou 22 meses. Durante este período, Alemanha e URSS foram aliadas sim. A historiografia soviética tentou por anos negar as cláusulas secretas do pacto, sem sucesso, claro. O que aconteceu aos três Estados Bálticos, a Finlândia e a Polônia foi produto direto deste acordo. Não tem como explicar o que aconteceu a esses cinco países sem passar por um pacto de aliança entre aquelas duas potências. 

A Alemanha perdeu a guerra porque invadiu a União Soviética.
E perdeu a guerra na União Soviética.
Stalingrado e, posteriormente, Kursk, marcam a reviravolta na "maré" da guerra, quebrando o vitorioso vigor ofensivo da Wermatch. Aliás, a batalha de Krusk é chamada de "o canto do cisne dos blindados alemães", ou seja, das famosas e temidas divisões Panzer.
A partir de então, os alemães foram sendo forçados, cada vez mais, a uma estratégia defensiva, até o desenlace, em 1945.
Recorde-se que, mesmo após o desembarque anglo-americano na Normandia, abrindo a chamada Frente Ocidental, a maior parte das forças alemães, sobretudo suas tropas de elite, continuaram alocadas na Frente Oriental, lutando contra os russos. Quando algumas (poucas) dessas tropas foram trazidas para a França, para participarem da desesperada Contra-ofensiva das Ardenhas, elas provocaram o maior pandemônio nas linhas aliadas. Apavorado, Roosevelt apelou para Stalin, pedindo-lhe que "apertasse" os alemães, para evitar que eles deslocassem mais tropas. A contra-ofensiva acabou fracassando por falta de reservas e de combustível para abastecer os tanques.
Em suma, a URSS foi o grande sorvedouro que engoliu e triturou as forças armadas nazistas, levando-as a perder a guerra e sepultando o megalomaníaco sonho de Hitler de um império que haveria de durar mil anos.
Concordo plenamente!
Acheis os comentários pertinentes e gostaria de saber sua opinião sobre a Batalha de Kursk. Seria esta a batalha mais importante da II GM?

Bruno
Senhores,

Gostaria de recomendar um site sobre a Segunda Guerra Mundial, que com certeza irá enriquecer em muito os debates aqui.


http://www.segundaguerramundial.com.br

Abs,

Ulysses Espuny

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }