Tibério Cláudio Nero César Druso que sucedeu Calígula e antecedeu Nero, teria editado um Decreto expulsando os judeus de Roma, entre os anos de 49 e 50 da era cristã.

Segundo o relato bíblico de Lucas, em Atos, o casal amigo de Paulo de Tarso, Áqüila e Priscila, teriam deixado Roma e se fixado na cidade de Corinto:

"Encontrou ali um judeu chamado Áquila, que era da província do Ponto. Fazia pouco tempo que ele tinha chegado da Itália com Priscila, a sua esposa. Eles tinham saído de lá porque o imperador Cláudio havia mandado que todos os judeus fossem embora de Roma. Paulo foi visitá-los" (Atos 18:2)

Sabe-se que na época de Cláudio ainda não havia uma declarada perseguição do Império Romano aos cristãos embora as províncias da Palestina sempre foram motivo de encrencas para os romanos. Por sua vez, parece-me que o governo de Cláudio, a princípio, teria sido mais equilibrado do que o de Calígula e de Nero.

Gostaria de saber qual teria sido o motivo dessa expulsão dos judeus de Roma e quais as outras fontes além do livro Atos dos Apóstolos da Bíblia que possam informar sobre esse fato histórico.

Grato.

Exibições: 1580

Anexos

Respostas a este tópico

Oi, Rodrigo!

Suetônio em "A Vida dos Doze Césares", na sua biografia sobre o Imperador Cláudio, fala de uma expulsão de judeus de Roma:

"Como os judeus estavam constantemente causando distúrbios por instigação de CRESTO, ele [Claudio] os expulsou de Roma."

É comumente aceito entre os historiadores que o "Cresto" citado é na realidade Cristo (Christus), cuja pronúncia na época era igual a "Chrestus". A fonte utilizada por Suetônio possivelmente entendia que Cresto fosse Jesus, enquanto que o próprio autor o usou como um nome de um escravo/liberto judeu que estava causando tumultos nas sinagogas romanas durante o período de Cláudio.

A "Vida dos Doze Césares" foi publicada em 120 d.C., Suetônio teria nascido por volta de 69-70, não se sabe quando faleceu.

De fato, datação é um grande problema no caso das fontes antigas...
Oi, André!

Pelo que me informou, pode-se concluir que Suetônio escreveu seu relato baseando-se em outras fontes já que o mesmo teria nascido na época em que Tito já deveria estar governando e, provavelmene, havia muito mais ódio em relação aos judeus e cristãos.

Em minha superficial análise a respeito do que relatou dessa fonte, eu opinaria que Cresto seria mesmo um escravo judeu e não a pessoa de Jesus.

Sem dúvida que os judeus não aceitavam a escravidão, nem o modo de vida dos romanos, e tinham um forte sentimento nacionalista, além de inúmeras seitas naquela época. Desde os fariseus e saduceus que dirigiam o Sinédrio, disputando este poder político-religioso na província da Judéia, como também existiam os ascéticos essênios no Mar Morto e os revoltosos zelotes (acredita-se que Barrabás e Judas o fossem). Adorar o imperador ou meso entrar na casa de um romano era algo impuro para muitos judeus...

Após Jesus, surgiram os seguidores da seita "O Caminho" que, segundo o Livro de Atos, passaram a ser chamados de cristãos a partir da cidade de Antioquia. E, até Nero, os cristãos conseguiram até auxílios das autoridades romanas, de acordo com o livro de Atos.

É bem provável que Paulo de Tarso não tenha sido o primeiro pregador do cristianismo a divulgar a nova fé em Roma entre os judeus. Outros discípulos do cristianismo devem ter estado lá, inclusive nos tempos de Cláudio já que o Evangelho se espalhava por todos os limites do Império Romano ainda que sem a criação de congregações.

Sem dúvida que a questão suscitada é de certa complexidade, mas o certo é que ainda continuam obscuros os motivos que levaram Cláudio a baixar aquele decreto. Porém, o tema é intrigante sendo que, diante de poucas fontes, resta-nos o raciocínio histórico.

É uma coisa de louco, que esses judeus foram expulsos sempre, desde a antiquidade até hoje! Ninguém expulsa alguém só porque o cara é judeu! Esses judeus deveriam ter feito algo horrível e por isso foram expulsos de todos os países do mundo!

RSS

Links Patrocinados

Cine História

A Oeste do fim do mundo

Está em cartaz nos cinemas brasileiros a co-produção Brasil-Aregentina, "A Oeste do fim do fo mundo", de Paulo Nascimento.

Sinopse: Leon (César Troncoso) é um homem introspectivo que vive em um velho posto de gasolina, perdido na imensidão da estrada transcontinental entre a Argentina e o Chile. Seu único amigo é Silas (Nelson Diniz), um brasileiro que volta e meia o visita para trazer peças para consertar a moto dele. Um dia, a paz de Leon é abalada com a chegada de Ana (Fernanda Moro), uma mulher que escapou da tentativa de abuso sexual de um caminhoneiro com quem tinha pego carona. Sem ter para onde ir e no meio do deserto, Ana recebe abrigo de Leon inicialmente para apenas um dia. Só que o tempo passa e ela não consegue sair do local.

café história acadêmico

Felipe II: confira na íntegra a tese de doutorado do historiador José Carlos Vilardaga: "São Paulo na órbita do Império dos Felipes: conexões castelhanas de uma vila da América Portuguesa durante a União Ibérica (1580-1640)". O trabalho foi defendido em 2011 na Universidade de São Paulo.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }