O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Ao passar dos anos, temos visto o crescente desenvolvimento das tecnologias, principalmente as de comunicações e armazenamento. A internet tem se mostrado uma ferramenta interessante e rápida em pesquisas, uma ferramenta que as vezes pode nos ligar a acervos do outro lado do planeta - algo que talvez seria impossível de ser acessado sem a internet. Mas surge uma questão: até onde essa ferramenta pode ser usada em uma pesquisa histórica? Quais suas limitações? Quais seus problemas?

Inicio esse tópico, convidando a todos para participar e expressar suas opiniões, experiências e links de acervos.

Exibições: 201

Respostas a este tópico

Olá, Duarte. No meu trabalho, tenho utilizado preferencialmente acervo digital, mesmo quando se trata de livros, visto que a biblioteca do Google é muito rica e também se pode contar com a biblioteca SciELO e da Editora Juruá. A questão da tradução de material estrangeiro também já evoluiu bastante. O acervo digital só não é adequado quando o pesquisador deseja trabalhar com fontes primárias, especialmente as mais antigas, que não podem sair dos seus locais de arquivamento. Ainda assim, muitas delas já foram digitalizadas e estão disponíveis na rede. Só se o pesquisador gostar de entrar em contato com a "poeira do arquivo". No caso recente, de disponibilização dos arquivos americanos sobre a ditadura no Brasil, prá que consultar "in loco", se os documentos estão na rede ou estarão em breve? E nesse caso também não adiante dizer que nem tudo será disponibilizado na rede, pois se o pesquisador se dirigir para os locais de arquivo, poderá não ter permissão para ter contato com todo o material. Assim, creio que devemos investir mais na internet na área da História, principalmente valorizando as boas revistas existentes, os repositórios das universidades e até mesmo os blogs, sempre tão criticados, mas que em muitos casos, realizam um excelente trabalho de divulgação de material histórico. Em muitos casos, somente em blogs são encontrados determinados conteúdos, visto que a chamada "história séria" pouco se interessa por eles. Foi o que aconteceu comigo, quando precisei de uma história do sapato e não existiam livros disponíveis em bibliotecas físicas. 

O acervo digitalizado disponibilizado na Internet tem facilitado sobremaneira o andamento de muitas pesquisas. O único problema que pode surgir é a não citação das fontes por pesquisadores desatentos. Quanto às demais fontes de consultas online, é necessário observá-las com muita cautela, pois nem tudo é levado à sério no mundo virtual. Há muitas inverdades, textos repletos de erros ou mesmo trabalhos simplesmente copiados sem que suas referências sejam citadas.

É possível realizar uma boa pesquisa sim uma boa pesquisa mas não para todos os temas e objetivos. A questão da autenticação e da permanência da fonte (para futura confrontação) é um problema ainda não totalmente analisado.

Duarte, em determinadas áreas, para determinados objetos, acho que é possível, sim. 

Em alguns casos - na área de História do Tempo Presente - só existem fontes digitais. 

Concordo com Bruno Leal...

Olá, Duarte 

Como o Bruno Leal mencionou, depende muito das áreas e dos objetos que serão pesquisados. Nos dias atuais, a internet é uma das fontes mais utilizadas. Como podemos observar na  História do Tempo Presente, em muitos casos só são realizadas pesquisas através de fontes digitais. Acredito que no futuro, provavelmente boa parte das pesquisas históricas serão basicamente realizadas em cima de acervos digitais, entretanto não podemos deixar de lado um bom papel antigo.  

Valeu, Estefany.

RSS

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }