Informação

Professores de História

Eu me lembro de meus PROFESSORES: de sua paciência, do seu amor multiplicado por quarenta, na doação sem limites, sem restrições. É esta a razão de ser deste grupo: nós professores que nos reconhecemos como eternos discípulos.

Site: http://dougnahistoria.blogspot.com http://www.ambientalhistoria.blogspot.com/
Local: Vila Velha
Membros: 223
Última atividade: 3 Jan

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Professores de História para adicionar comentários!

Comentário de Natania Nogueira em 5 setembro 2010 às 18:05
Comentário de Michel Goulart em 24 julho 2010 às 23:07
Meu blog é direcionado a alunos e professores de História. Possui muitos recursos e já conta com quase 400 postagens! Vou separar aqui alguns dos recursos mais importantes, que podem servir em suas aulas:

- Super Dicas
- Jogos Operatórios
- Atlas Histórico
- Infográficos
- Games de História
- Visitas Virtuais
- Listas de História

Para acessar estes recursos, acesse o link:
http://www.historiadigital.org/2010/04/recursos-para-aprender-histo...

Um grande abraço,
Prof_Michel (@profmichel,História Digital,Filmes Históricos)
Comentário de Fernando Pinto da Silva em 11 julho 2010 às 18:38
Caros Senhores(as),

Desejo toda sorte do mundo aos que estão iniciando essa carreira. Mas, não se iludam, vai ser preciso muita competência e paciência para dela extrair algum sucesso ou compensação.
Antes de mais nada, é preciso separar duas coisas distintas: a paixão pela História e o exercício prático do seu ensino.
Eu amo a História desde criança. Graduei-me pela UERJ, em 1979, e nesses 31 anos nunca parei de estudar e, parodiando Sócrates, quanto mais eu estudo mais me convenço de que nada sei.
Já o exercício prático da minha profissão me põe em contato com uma realidade desagradável e sacrificante. Tenho duas matrículas no ensino público, das quais em uma estou aguardando a publicação da minha aposentadoria, e na outra ainda tenho mais três anos pela frente.
Ocorre que nesta matrícula mais nova sempre atuei em ginásios da periferia da cidade do Rio de Janeiro, em áreas marcadas pela violência, com turmas apinhadas com mais de 50 alunos, nas quais é virtualmente impossível trabalhar. Nessas turmas, a tarefa que se espera do professor não é que ele ensine, mas que tome conta dos adolescentes por um período de tempo, evitando que se matem ou ponham fogo na escola. Esta é a realidade nua e crua, pouco importando o que dizem os pedagogos a respeito de construtivismo, escola nova e outras baboseiras. Professores odeiam pedagogos porque se atrevem a dar receitas sobre uma realidade com a qual não convivem no dia-a-dia.
As agruras da profissão desenvolveram em mim uma neurose, uma doença nervosa que, felizmente(tudo tem um lado bom), me afastou da sala de aula, já que eu não conseguia mais me controlar, tornando-me mais violento que o mais violento dos alunos. Faltando tão pouco tempo para me aposentar, não compensa me exonerar. Minhas condições de saúde, por outro lado, não permitem que eu faça um novo concurso público. Só espero que os novatos entusiasmados não imitem um grande número de professores recém-contratados do RJ, que pulam fora da canoa furada assim que percebem como a banda toca.
Comentário de anderson alessio vespero em 10 julho 2010 às 19:52
Estou iniciando nesta profissão e sempre foi meu sonho ser professor,mais a vida ao longo do meu caminho me fez desviar dessa meta.
Mais essa mesma vida que fez com que eu não me realiza-se acabou me mostrando que a unica coisa que nos move é justamente o sonho.
Então estou eu aqui contando um pouco da minha vida e o orgulho que é ser um historiador(rsrs ainda não sou, mas serei quando me formar)
Comentário de Jonival Ferreira Côrtes em 1 julho 2010 às 21:22
Adriana, sou professor de História a quase trinta anos e isto se renova a cada dia com prazer e uma pouco de paixão, aliás muita paixão. Passear por civilizações e por mundos e acontecimentos, povos. Essa gente que nos últimos milhares de anos tem povoado e modificado o mundo. Ser professor de História é magnifico e nunca para de se renovar.
Comentário de Justus Rambaldi em 29 junho 2010 às 13:41
Fui por muitos anos Professor de História Geral e Econômica, atualmente inaugurei um Point para colegas de profissão que estejam buscando ferramentas lúdicas para ensino de história nas escolas e faculdades. Adotei os jogos da GMT, pois são 100% realistas e históricos, destaco Twilight Struggle um excelente boardgame estilo eurogame que abrange todo o período da Guerra Fria de 1945-1989 excelente para ensinar. para a Segunda Guerra Mundial tenho Combat Commander Europe e Axis & Allies, acredito que se no meu tempo tivesse alguma das opções de hoje o ensino seria muito mais produtivo. Mas em todos os casos o Point foi inaugurado e está funcionando em Pouso Alegre - MG, e convido a todos para conhecer o local.
Comentário de adriana santana silva oliveira em 28 junho 2010 às 12:24
Estou iniciando nesta profissão de professora de história,estou adorando este novo universo e esta interligação constante que a história possibilitra entre passado e presente.
Ser professor de história possibilita o constante estudo e observação dos fatos passados e presentes.
Comentário de Cristiane Gonçalves em 18 maio 2010 às 8:47
Olá Prezados Colegas,

Convido os membros desta comunidade para visitarem o site:

Sobre Giz e Borboletas...Educadores no Jardim

sobregizeborboletas.ning.com

criado para reunir educadores que fundamentam seu trabalho a partir dos conceitos do multiculturalismo crítico e do imaginário social.

Aguardo vocês,

Abraço.
Comentário de Tiago de Castro Menta em 22 janeiro 2010 às 11:41
O interessante em ser professor de ciências humanas, em especial História e Filosofia (a minha realidade) é que você é uma figura, não só entre os educandos e demais colegas numa instituição educacional, mas um elemento da sociedade que é "obrigado" a se posicionar a todo momento!
Sobre todo tipo de questionamento, de fenômenos (as vezes até naturais), você é "convidado" a dar a sua palavra de historiador, de filósofo. Em suma, a sociedade nos impõe e nos visualiza como "máquinas de opinião".
E ai historiador amigo, o que você pensa disso?
Abraços, prof. Tiago Menta - BH/MG
Comentário de Vitor Lobo em 22 janeiro 2010 às 11:34
O professor de história tem a sua importância no meio das grades disciplinares do mundo acadêmico. A questão está na responsabilidade do historiador em face a realidade que vivemos. Não minimizo o valor do professor de outras disciplinas, mas aponto a força da História, da Sociologia e da Filosofia, como detentoras máximas do poder e da manipulação da informação, e com isso a possibilidade da construção da opinião pública e acadêmica. Dessa maneira, é colocada sobre nós, Professores de História, uma responsabilidade ainda maior. A de termos um cuidado especial com as nossas posturas e opiniões, já que elas tem grande peso na vida do educando. Principalmente no campo político de sua vida. E esse ponto em especial, merece atenção.
 

Membros (223)

 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }