Primeira Guerra Mundial

Informação

Primeira Guerra Mundial

Foi um conflito mundial ocorrido entre 28 de Julho de 1914 e 11 de Novembro de 1918.

O Imperialismo europeu na Ásia e África gerou competição de mais poder dentro da Europa.

Membros: 116
Última atividade: 21 Jan

Primeira Guerra Mundial (1914-1918)

A Primeira Guerra Mundial (também conhecida como Grande Guerra antes de 1939, e Guerra das Guerras) foi um conflito mundial ocorrido entre 28 de Julho de 1914 e 11 de Novembro de 1918.

A guerra ocorreu entre a Tríplice Entente (liderada pelo Império Britânico, França, Império Russo (até 1917) e Estados Unidos (a partir de 1917) que derrotou a Tríplice Aliança (liderada pelo Império Alemão, Império Austro-Húngaro e Império Turco-Otomano), e causou o colapso de quatro impérios e mudou de forma radical o mapa geo-político da Europa e do Médio Oriente.

No início da guerra (1914), a Itália era aliada dos Impérios Centrais na Tríplice Aliança, mas, considerando que a aliança tinha carácter defensivo (e a guerra havia sido declarada pela Áustria) e a Itália não havia sido preventivamente consultada sobre a declaração de guerra, o governo italiano afirmou não se sentir vinculado à aliança e que, portanto, permaneceria neutro. Mais tarde, as pressões diplomáticas da Grã-Bretanha e da França fizeram-na firmar em 26 de abril de 1915 um pacto secreto contra o aliado austríaco, chamado Pacto de Londres, no qual a Itália se empenharia a entrar em guerra decorrido um mês em troca de algumas conquistas territoriais que obtivesse ao fim da guerra: o Trentino, o Tirol Meridional, Trieste, Gorizia, Ístria (com exceção da cidade de Fiume), parte da Dalmácia, um protetorado sobre a Albânia, sobre algumas ilhas do Dodecaneso e alguns territórios do Império Turco, além de uma expansão das colônias africanas, às custas da Alemanha (a Itália já possuía na África: a Líbia, a Somália e a Eritreia). O não-cumprimento das promessas feitas à Itália foi um dos fatores que a levaram a aliar-se ao Eixo na Segunda Guerra Mundial.

Em 1917, a Rússia abandonou a guerra em razão do início da Revolução. No mesmo ano, os EUA, que até então só participavam na guerra como fornecedores, ao ver os seus investimentos em perigo, entram militarmente no conflito, mudando totalmente o destino da guerra e garantindo a vitória da Tríplice Entente.

Fórum de discussão

A Primeira Guerra Mundial foi necessária?

Iniciado por jorge pinto paiva. Última resposta de Marcelo Gomes da Silva Bruno 28 Jul, 2013. 9 Respostas

Segundo o historiador inglês John Keegan, " a Primeira Guerra Mundial foi (..) um conflito desnecessário. Desnecessário porque o curso dos acontecimentos que levou a sua eclosão poderia ter sido…Continuar

Tags: mundial, guerra, primeira

Teria sido melhor se a Alemanha vencesse a 1GM??

Iniciado por Stefano. Última resposta de Paulo Henrique Santos da Silva 14 Maio, 2012. 15 Respostas

Se ela vencesse , Hitler nunca teria subido ao poder....Continuar

Bibliografia da Primeira Guerra Mundial

Iniciado por Bruno Leal. Última resposta de jucemir rodrigues da silva 3 Fev, 2012. 6 Respostas

Que livros você indica para o estudo do acontecimento/período:Minha sugestão é  romance do escritor alemão Erich Maria Remarque, "Nada de Novo no Front". Continuar

Personagens da 2ª guerra na 1ª....

Iniciado por Stefano. Última resposta de Stefano 12 Nov, 2011. 4 Respostas

Hitler- cabo do II Reich ;Mussolini - soldado italiano; Pétain- general francês; o "herói de Verdun" pe. Jozef Tiso - capelão militar da Austria-Hungria ; Churchill - Lord do Almirantado Göring -…Continuar

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Primeira Guerra Mundial para adicionar comentários!

Comentário de alexandre silva volk em 29 dezembro 2010 às 19:51

Amigos, foi a guerra das invenções para destruição, pois no mesmo dia em julho de 1914 um aeroplano Etrich Taube,com o observador levando 1 fuzil mauser 1908, mais 4 dardos aço 3kg e com 1 granada de mão pinha em cada bolso, do casaco ataca paris a baixa altitude, acertando levemente a Gare du Nord! Li isto no Livro Todos os Aviões do Mundo, de Enzo Angelucci!

 Leonardo, as consequencias foram: tratado de versallhes, a alemanha não podia eter exército marinha ou aeronautica, soemente empresas civis de transporte. O dineheiro deles não valia nada, hiperinflação, ok! A alemanha só obteve direito ao rearmamento em 1923 com o putsch de munique, quando aviões civis treinavam pilotos para a nova luftwaffe, submarinos eram construidos secretamente, barcos idem, os blindados eram caminhões e a infantaria era policia usando armas só em exercicios de demonstração com munição de festim!

Comentário de Jane Rosana Cassol em 16 dezembro 2010 às 15:22


GRAVILO PRINCIP


Condenado a um dia de jejum por mês e prisão sem luz e sem leito a cada dia 28, sentia-se terrivelmente só. Na semi escuridão abriu e fechou os olhos devagar, a noite chegava ao fim e ele esperava que seu sofrimento também acabasse com ela; uma tosse persistente o acompanhava, cuspia raias de sangue e tivera por semanas febre noturna com sudorese intensa, perdera o apetite, emagrecera muito e sentia um cansaço terrível. Há tempos estivera solitário e doente... e queria lembrar de seu último dia livre, fora das paredes daquela fortaleza.... Viu-se anos antes, numa manhã agradável de um domingo de verão nos Bálcãs, caminhava apressado, tinha um encontro importante, respirava com certa dificuldade, ele não sabia mas carregava o bacilo da tuberculose em seus pulmões, também desconhecia que o destino lhe reservava um papel inimaginável na história da humanidade.
Seu pai era carteiro, de família pobre, seis dos seus oito irmãos não chegaram à idade adulta. Nascera na última década do século 19,em 1894, na cidade de Obljaj na Bósnia.
Ótimo aluno estudou em Sarajevo e Tuzla, desde adolescente Gravilo Princip era discreto e gostava de ler, cursou o Colégio Técnico em Administração. Acreditava-se um idealista, entrara na organização secreta Bósnia Jovem pois sentia ódio pelo Império Austro-Húngaro. Era influenciado por teorias políticas oriundas da Rússia que defendiam o pan-eslavismo, cujas idéias eram de uma nação eslava com a neutralização do herdeiro do trono. Em 1912 foi morar em Belgrado. Antes dessa mudança, o jovem estudante filiara-se a um grupo radical nacionalista chamado “Mão Negra”(União ou Morte). Ele se orgulhava disso, usou na cerimônia de iniciação a túnica negra habitual e aliciara 4 amigos para a organização, como mandavam os estatutos, formando uma mão. Imaginava se um libertário. Esse grupo terrorista almejava unir todos os territórios com populações eslavas do Sul anexadas pela Áustria-Hungria. O objetivo de reunificação, em um Estado único todos os membros do povo sérvio, significava confrontos de interesses.
Bósnia e a Herzegovina tinham sido ocupadas pelo Império Austro-Húngaro em 1878 e anexadas em 1908. Muitos bósnios, particularmente os sérvios, não aceitavam a ocupação, preferindo a unificação com a Sérvia.
Gravilo não tinha namorada, seu amor pela causa estava acima de qualquer sentimento, ia encontrar-se com seus companheiros para um assassinato político; planejado com cuidado, nos mínimos detalhes. Jovens, sentiam-se poderosos com um arsenal de quatro pistolas, seis bombas e umas cápsulas de cianureto. Os rapazes com a ajuda de agentes da organização se distribuiriam no caminho que seria feito pela comitiva do herdeiro do império austro-húngaro com destino à prefeitura.
O arquiduque Francisco Ferdinando e sua esposa Sofia desembarcaram em Sarajevo, Bósnia; Ferdinando estava atento a ela, pois desconfiavam que ela esperasse um herdeiro. Em comitiva desfilaram em carro aberto pelas ruas da cidade. Conforme o que estava previsto pelos jovens, quando a comitiva passava em frente à estação policial, Nedjelko Cabrinovic joga uma granada na direção do carro do arquiduque. Só que a bomba atinge o automóvel que vem atrás, ferindo dois passageiros e vários pedestres. Cabrinovic engole cianureto e se atira no rio, mas não morre, pois o veneno estava vencido e o rio quase seco, facilmente sendo preso.
Gravilo desaparece na confusão, anda sem rumo perplexo até que chega a uma cafeteria e lá fica a pensar no fracasso da empreitada.
Mais tarde o arquiduque indignado pelas ocorrências vai visitar os feridos no hospital. O general Potiorek, responsável pela segurança dos visitantes, garante que o trajeto é seguro e traça uma rota alternativa, esquecendo-se de avisar o motorista de Ferdinando, que segue o caminho original. Gravilo Princip, que tomava um café na Rua Franz Joseph, atônito vê o carro oficial se aproximar, pega sua pistola Browning, modelo 1910 e dispara dois tiros, a menos de dois metros de distância do veículo. O primeiro disparo fatal acertou Sofia, no estômago, o segundo atingiu o pescoço de Francisco Ferdinando. Ele estava tão próximo que pode ver o brilho nos olhos do casal real se dissipar. Era o dia 28 de junho de 1914, o que ele planejara cuidadosamente o acaso encarregara-se de trazer à sua frente. Consumado o ato terrorista só lhe restava o suicídio, pois não suportava a idéia de ser aprisionando, além disso, era regra da “Mão Negra”. Princip usa primeiro o cianeto e depois sua arma, mas vomitou a pílula e sua arma foi-lhe tirada das mãos. Foi preso e a policia bateu em sua cabeça com a bainha de suas espadas, chutaram e socaram Princip, tiraram a pele de seu pescoço com as espadas e o torturaram. Ele foi levado à prisão militar acorrentado pelos pés. Mais de 20 homens estavam envolvidos nesse atentado, porém oito conspiradores foram declarados culpados. Os menores de idade foram sentenciados à prisão. Gavrilo Princip, Nedjelko Cabrinovic e Trifko Grabez pegaram pena máxima de 20 anos, Vaso Cubrilovic pegou 16 anos e Cvijetko Popovic 13 anos. Maiores de idade, Danilo Ilic, Veljko Cubrilovic e Misko Jovanovic foram executados em 3 de fevereiro de 1915.
O atentado, praticado pelo estudante nacionalista sérvio Gavrilo Princip, foi o pretexto para o início do sangrento conflito que logo assumiria proporções mundiais nunca imaginadas anteriormente. Os tiros disparados por sua velha arma na capital da província austro-húngara da Bósnia-Herzegovina precipitaram uma guerra impossível de ser evitada, que nenhum dos principais estadistas europeus desejava, pois a Europa estava dividida por alianças rivais e interesses diversos.
Gravilo só morreria quatro anos mais tarde do início da primeira guerra mundial, esquecido num campo de prisioneiros sérvios, sem saber dos acontecimentos que o assassinato duplo que ele cometera desencadeou.
Com olhos fechados,suspirou pela última vez ouvindo ao longe o barulho de bombas e canhões. Os disparos que ele fizera anos antes foram só os primeiros de milhares que ecoariam por toda a terra.

Jane Cassol

Comentário de Leonardo Quartieri em 30 outubro 2010 às 22:25
Comentário de luiz augusto neto alves em 14 agosto 2010 às 23:20
milhões de soldados foram mobilizados para o combate, jovens comuns, pois as elites não participavam da parte suja da guerra;
9 milhões de mortos e cerca de 20 milhões de feridos;
Três impérios caíram: Alemão, Austro-Húngaro e Turco-Otomano;
Novas superpotências surgiram: EUA e Japão
Comentário de Leonardo Stuepp em 11 agosto 2010 às 22:23
Tenho um interesse em especial pela Primeira Guerra Mundial, no que ela influenciou a Segunda Guerra Mundial e, como a derrota da Alemanha na primeira, tornou-se uma obcessão em Hitler para reverter o pesado ônus imputado ao perdedor.
 

Membros (116)

 
 
 

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }