Missões Jesuiticas - São Miguel das Missões

Informação

Missões Jesuiticas - São Miguel das Missões

O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo é um conjunto de ruínas da antiga redução de São Miguel Ancanjo, localizado no município de São Miguel das Missões, no Noroeste do Rio Grande do Sul.

Local: São Miguel das Missões - RS
Membros: 68
Última atividade: 8 Abr, 2013

São Miguel das Missões
A pequena e simpática cidade possui o maior legado dos Sete Povos missioneiros, pois abriga o sitio arqueológico da redução de São Miguel Arcanjo. Segundo Roberto Distéfano, consultor da Unesco, "As ruínas da igreja de São Miguel são tão importantes quanto às do Coliseu e da Acrópole e o testemunho mais imponente e bem preservado da arquitetura jesuítica missioneira." Para resumir, São Miguel é parada obrigatória e imperdível.
A construção da igreja foi iniciada em 1735 e levou 10 anos para ser concluída. Ela foi construída em pedra arenito e em três etapas: a nave, a torre e o pórtico. Registros da época descrevem a decoração do seu interior com altares em talha, dourados e inúmeras esculturas feitas pelos índios em madeira, muitas atualmente no Museu das Missões. O responsável pela obra foi o padre jesuíta italiano Gean Battista Primoli e a influencia da arquitetura barroca está presente em sua construção. Caminhar pelo gramado da redução é como uma volta aos tempos e é impossível deixar de se admirar com a grandiosidade da obra.

Fórum de discussão

DIVULGAÇÃO E TURISMO

Iniciado por Alcebíades de Lima Oliveira. Última resposta de Bruno Leal 16 Maio, 2012. 2 Respostas

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Missões Jesuiticas - São Miguel das Missões para adicionar comentários!

Comentário de alexandre silva volk em 14 outubro 2010 às 21:02
Estive lá agora no feriado do dia 7 amigo consegui 2 postais mais 2 que já tinha mas se conseguir mais, mas mando para quem quiser com certeza! A hora que tiver aviso e os membros mandam endereço de correio ok! Troco 1 das misoes pelos de seus estados ou cidades pode ser?
Comentário de Bianca Salazzar em 14 outubro 2010 às 8:44
O lugar é realmente magnífico, a emoção de estar num lugar desse não tem explicação. Estive apenas uma vez, mas bastou para eu me apaixonar ainda mais pelo Patrimônio Material, hoje estudo todo o tipo de cultura material, e posso dizer com certeza, que muito veio da imensa realização de visitar e poder sentir um Patrimônio da Humanidade... É realmente magnífico, e tem muito a ser estudado!!!
Comentário de Raimundo Neto em 13 outubro 2010 às 22:21
Olá amigos jesuitólogos!!!
Sou Mestrando em História pela UFPa.
Será que haveria alguém que pudesse trocar figurinhas sobre patrimônio material jesuítico??? Colégios, fazendas etc...
Um abraço a todos
Comentário de alexandre silva volk em 2 abril 2010 às 14:47
BASTA DIZER QUE TODOS OS INDIOS QUE OS ESPANHÓIS PERSEGUIAM ERAM ABRIGADOS NAS MISSÕES! OS COLONOS, APTOS A TRABALHAR NAS HORTAS SE NÃO ME ENGANO TAMBÉM COLABORAVAM NA DEFESA DAS MESMAS ASSIM COMO OS INDIOS!
Comentário de Andressa Domanski em 2 abril 2010 às 12:35
Sou acadêmica de História, moro em Santo Ângelo / RS, e tive a felicidade de trabalhar em São Miguel das Missões em alguns projetos relacionados a arqueologia. Conheci o sítio muito pequena, mas foi com o envolvimento no curso de história e os projetos de curadoria arqueológica no IPHAN em São Miguel é que me tornei uma grande apaixonada por tudo aquilo. O lugar é simplesmente magnífico!!! A pequena cidade transpira história. O sítio é grande, tem uma excelente manutenção em todos os espaços. É possível conhecer muito da estrutura física da Redução. As imensas pedras usadas na construção (imaginem o trabalhão para carregar tudo aquilo há 300 anos atrás), o Museu das Missões, projetado por Lúcio Costa na década de 30, onde abriga dezenas de imagens sacras feitas pelos índios, o espetáculo Som e Luz, enfim, é um grande espaço que carrega um dos períodos mais lembrados e importantes no RS. Na cidade também encontramos a Fonte Missioneira (fica a +- 1 km do sítio), o laboratório de arqueologia do IPHAN que está repleto de peças arqueológicas para uso em pesquisas. Tenho muitas fotos de lá, se alguém tiver interesse é só pedir. Gosto de compartilhar um pouco da experiência que tive em nosso Patrimônio da Humanidade.
Comentário de alexandre silva volk em 1 abril 2010 às 22:22
pessoal, vamos divulgar, visitar e defender o que é nosso, ouvi uma frase em 83 dosargentinos: Las Missiones son Argentinas! São argentinas coisa nenhuma, são patrimonio cultural da humanidade e no Brasil!
Comentário de Cisane Bordin em 1 abril 2010 às 10:57
Alguém indicaria um bom guia? Estamos organizando uma saída de campo, porém nossa idéia é ir até as reduções de outros países...
Comentário de alexandre silva volk em 6 março 2010 às 20:01
estive lá a passeio o local precisa ser mais divulgado, preciso de postais da cidade quem tem mando o endereço depois!
Comentário de luana bieger em 6 março 2010 às 17:14
oioi pessoal.
realmente é facinante são miguel, já estive por lá mais de 4 vezes pois moro mais ou menos perto....
mas eu sugiro também pro pessoal visitar as outras ruinas , são também muito lindas.. tem também umas muito legais na Argentina(tem fotos no meu perfil dessas ruinas)

abraços
Comentário de Marco Antônio Chaves em 29 março 2009 às 19:28
Estive em São Miguel no ano de 1990 e realmente, é de apaixonar, ainda mais depois de assistir ao "Som e Luz" ; Tenho tentado montar uma excursão, principalmente com minhas alunas do curso Normal, mas ainda não consegui; quero ver se este ano, que será o último que leciono a Disciplina de Estudos Rio-grandenses (a minha governadora e sua secretária de Educação resolveram excluir da grade do curso) consigo organizar e levar as meninas, pois será para elas uma aula inesquecível,
 

Membros (67)

 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }