Filme "O nome da rosa" baseada no romance policial homônimo escrito por Umberto Eco.

Recentemente assisti a película em questão e pude então me deparar com uma problemática característica da Baixa Idade Média, a saber: o embate entre a crença no sobrenatural (carcateristica da predominância da Igreja Católica) e o pensamento lógico e dedutivo (característica do pensamento filosófico grego). Nota-se, portanto, que a igreja sempre foi responsável por impedir o avanço científico e filosófico, vetando o acesso às obras de Aristóteles e demais pensadores que poderiam colocar em questionamento suas verdades pré-estabelecidas. Vejo que o mesmo ocorre até hoje quando o Vaticano condena o aborto, uso da pilula anticoncepcional, pesquisas relacionadas a células- tronco etc. Gostaria de saber se alguem compartilhar dessa interpretação ou discorda.

Exibições: 1275

Respostas a este tópico

Realmente o que o filme baseado no filme de Umberto Eco mostra quando retrata a realidade da Igreja na Europa Inquisitorial, para a atual com o Vaticano, é que a Igreja sempre quer de alguma maneira ainda interferir em assuntos polêmicos, para não de uso da fé, mas de uso da influência para mostrar poder.
E quando a religião serviu para empoderar grupos até então fora do jogo de poder em determinadas sociedades?
Concordo plenamente...
Se na Idade Média e até pouco tempo atrás a Igreja Católica sempre fez de tudo para dominar e brigar por pelo poder, não da fé, mas da econômia e da politicas, se foi assim no passado, imagine hoje com a Igreja Evangélica IURD, que faz algo muito parecido com que a Católica fez no passado, usa da fé para também brigar pelo poder.

concordo... e vou além...a própria manipulação da arte plástica, escrita e oral como insignia de domínio sobre aqueles que não tinham acesso a instrução. Era também pelo visual que a Igreja determinava comportamentos, tais como o pecado da beleza e ostentação, quando na realidade ela própria usufruía disso em nome de Deus e somente a mesma deveria ter o domínio...o filme e forte e muito mais revelador, revejam, e ele dará novas pistas sobre o pensamento medieval e sua estética artística manipuladora.

RSS

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }