A representação de Cristo foi transformada ao longo da História.

A representação de Cristo é um tema polêmico que, desde o século XVIII, desperta a curiosidade de vários pesquisadores e religiosos. Na verdade, essa polêmica remonta a sociedade onde o próprio Cristo nasceu. Os judeus, preservando os ideais de sua prática religiosa e condenando a idolatria dos estrangeiros, proibia a produção de retratos. Dessa forma, a missão de revelar as feições do líder religioso ficou a cargo de diversos pintores e escultores que se lançaram a essa mesma missão.

Um dos mais antigos relatos sobre a representação de Jesus foi constatado em uma narrativa mítica do século VI, referente ao Sudário de Verônica. Segundo o mito, Abgar, rei de Edessa (atual Síria), enviou um artista para que o mesmo pudesse produzir um retrato de Cristo. Ao encontrar o líder religioso, o artista enviado não conseguiu cumprir sua missão, pois o rosto de Cristo emanava uma intensa luz. Com isso, Jesus teria usado uma toalha que ficou marcada pelos traços de seu rosto.

No entanto, a primeira representação historicamente comprovada foi encontrada em uma parede do Pedagogium, a antiga escola da guarda imperial. Neste desenho, criado por volta do século III, há a representação de um homem com cabeça de asno crucificado, enquanto um grego lhe presta adoração. A imagem depreciativa, provavelmente seria de autoria de algum soldado romano não muito convencido do caráter divino do Messias.

Sendo a idolatria a imagens igualmente refutada pelos cristãos primitivos, muitos subvertiam a ordem com a criação de diversos símbolos que remetiam a Cristo Jesus. Entre diversos símbolos podemos destacar a cruz, as iniciais de seu nome e a âncora. Havia também um acróstico produzido a partir da fase “Iesus KHristos Theou Uios Soter” (Jesus Cristo Filho de Salvador), onde suas iniciais formavam a palavra peixe, animal até hoje associado ao Cristianismo.

No entanto, a refutação a uma representação humana de Cristo logo passou a ser praticada pelos cristãos, a partir do século III. Utilizadas como grande meio de divulgação e conversão religiosa, as imagens de Cristo passaram a contar com uma diversa gama de situações encenadas. Uma das representações mais comuns coloca Cristo em meio aos animais, fazendo alusão à idéia do poder que o Messias teria de liderar os cristãos e converter os homens.

Em outras imagens mais poderosas, percebemos uma tentativa de valorização da dimensão sobrenatural de Cristo. Nesse tipo de representação temos a ação do Messias durante os julgamentos do Juízo Final, onde estaria separando os bons e os maus. Em outras representações com temática semelhante, Cristo aparece realizando milagres por meio de uma varinha que leva nas mãos. Outro tipo ainda alude à pregação religiosa mostrando um Cristo jovem palestrando aos seus seguidores.

Todas essas representações de um Cristo imperioso e ativo perdem espaço ao longo da Idade Média. A partir da Baixa Idade Média temos várias representações em que Jesus sofre com os suplícios de seu processo de crucificação. De fato, a imagem predominante de Jesus Cristo tem um rosto de traços suaves, pele clara, olhos claros, barba fina e cabelos ondulados. Essa representação surgiu no tempo das Cruzadas, época em que os não-brancos representavam os pagãos.

Em um recente estudo desenvolvido pela Universidade de Manchester, tendo como base o crânio de um judeu do século I, houve a tentativa de se formular um desenho aproximado do Cristo naquela época. Por meio de avançados recursos de computação gráfica chegaram à conclusão de que Jesus, provavelmente, teria um rosto arredondado, cabelos negros, pele amorenada e uma barba grossa.

Falso ou verdadeiro, só o tempo pode confirmar!

 


Exibições: 87

Respostas a este tópico

Interessante sua publicação,Sebastião. É um dos assuntos sobre os quais me debruço, vez por outra.

Nosso cinema já nos trouxe uma imagem belíssima de Cristo: em O Auto da Compadecida o ator Milton Gonçalves foi o responsável por trazer a imagem de Emanuel, Nosso Senhor Jesus Cristo. Entretanto, mal me apego as quaisquer que forem a imagens. A fé não tem face, denotativamente falando, correto? O que nos mostra a face dEle é exatamente ela: a fé!

Ótima texto, Sebastião!

Abração,

Rodrigo Davel

OK caros leitores e uma postagem entressante mas o tema um pouco polemico sera que havera mais imagens no arquivo do Vaticano agora aberto a descriçao e mais esclarecedora ma s parabnes tem pernas para andar e ja agora que diremos das muitas pinturas  feitas ao longo dos seculos postados em paróquias e basilicas espalhadas pelo mundo meras obras de pintura imaginação de muitos pintores e bispos e padres e cardeais ao longo dos tempos .

Israel Marques

 

Pergunto-me: é tão importante assim essa questão?

Bom dia ,Bruno .

Realmente nao é importante como o Senhor se parece ,porque quando Ele vier todos o vao reconhecer ,mas as fotos que atualmente existem estao em conformidade de como o Senhor Jeová se parece .

Um abraco

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

Machado de Assis: Confira, na íntegra, a tese de doutorado "Apropriação e recusa: Machado de Assis e o debate sobre a modernidade brasileira na década de 1870", defendida em 2012 na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro pelo historiador Daniel Pinha Silva. Clique aqui.

Cine História

O Duplo

Chega aos cinemas brasileiros o filme inglês "O Duplo", de Richard Ayoade ("A Vida e Morte de Peter Sellers"), com Jesse Eisenberg e Mia Wasikowska no elenco. 

Sinopse: Tímido, solitário, rejeitado pela mãe e desprezado pela amada, Hannah (Mia Wasikowska), Simon (Jesse Eisenberg) tem um choque ao conhecer seu novo colega de trabalho, de nome James. Fisicamente idênticos, os dois são opostos em termos de personalidade.

Membros

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Parceria: NIEJ-UFRJ

© 2015   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }