Informação

História das Guerras

Grupo destinado a discussões sobre guerra em qualquer época, desde a guerra do fogo até a do Iraque em todas as direções desde as táticas de batalha as reações na população envolvida e a produção cultural relacionada a estas.

Membros: 411
Última atividade: 25 Maio

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de História das Guerras para adicionar comentários!

Comentário de alexandre silva volk em 17 junho 2010 às 19:16
meu nivel intelectual é bem superior ao do dino ok leio mais sobre o assunto do que ele estudo o tema!
Comentário de alexandre silva volk em 17 junho 2010 às 19:15
pois é fantasma! Este erro é pela corrida com que digitei me desculpe!
Comentário de alexandre silva volk em 16 junho 2010 às 20:14
além do mais não sei o que um palhaço faz aki tão imbeçil que não sabe de nada! Vai ler otário!
Comentário de alexandre silva volk em 16 junho 2010 às 20:12
claro tudo culpa de fakes como vc!
Comentário de alexandre silva volk em 20 maio 2010 às 21:59
Os navios corsários e vaca leiteiras levavam hidro aviões para reconhecimento e ataque ok! Mas levavam quantidades de minas, torpedos, munição de artilharia para os submarinos alemães, além de suas próprias peças de artilharia defensivas e de ataque, mas de peuqeno calibre, 50mm, e 20mm, 7,62mm. Atacavam como navios piratas, entravam ni meio dos comboios mercantes e abriam fogo!
Os ataques no atlantico sul, por submarinos alemães foram possiveis graças a estes submarinos que não levavam tubos de torpedo, mas padarias, torpedos para os outros, combustivel para outros e munição aae ok! Eram submarinos que levavam somente armamento aae duplo, triplo ou quadruplo, calibres, 13, 20, 30 e 35mm!
Comentário de Daniel Almeida em 18 maio 2010 às 14:03
Dino,
Não existe isso de "declaração quase mútua", a Alemanha declarou guerra aos EUA quando este a declarou ao Japão após o bombardeio a Pearl Harbor. Os EUA haviam se recusado a declarar guerra à Alemanha mesmo tendo navios seus afundados em comboio para a Inglaterra. O fato de apoiar o Reino Unido com suprimentos não significa uma declaração de guerra ou sequer um ato de guerra.

A União Soviética era aliada da Alemanha até o início da Operação Barbarossa. Lembre que as nações haviam assinado um pacto de não agressão que chocou o mundo e aceitaram dividir a Polônia em 1939.

O Tratado de Versalhes não pode ser visto como motivo para a declaração de guerra aos EUA e sim como motivo para a eclosão da IIGM. E, mesmo com esta humilhação, a Alemanha havia se reerguido não cabendo associar o tratado a um "holocausto" germânico.
Comentário de Daniel Almeida em 17 maio 2010 às 14:07
Dino,

Os EUA poderiam até estar em guerra econômica contra a Alemanha e estavam apoiando a Inglaterra mas não estavam em guerra franca contra os alemães, não haviam ataques ou bombardeios americanos contra bases alemãs.

E usando o seu argumento, de que os EUA declarou guerra a um aliado alemão, por que o contrário não valia, como eu disse, no caso de Japão x URSS?

E navegar para longe não era um problema muito grande já que o Graff Spee foi afundado na costa do Uruguai. Mas para um submarino até pode ser diferente.
Comentário de Daniel Almeida em 17 maio 2010 às 7:44
Se os alemães não queriam inimigos, por que declararam guerra aos EUA após estes declararem contra o Japão? Até aquele momento, e mesmo depois, o Japão não ajudou a Alemanha em nada e ainda atrapalhou ao assumir um compromisso de não agressão com a URSS. Um embate entre Japão e URSS poderia ajudar a Alemanha ao dividir o exército vermelho.
Comentário de alexandre silva volk em 16 maio 2010 às 20:02
Kennedy, jatos é guerra do Vietnã!Leia meu comentário, hora: 20 horas atrás!
Comentário de alexandre silva volk em 16 maio 2010 às 20:01
Bom, os alemães tinham diversos navios mercantes com armas da primeira guerra mundial e catapultas capazes de lançar hidro aviões, além dos capturados, os navios corsários, estes podiam abastecer submarinos inimigos!
Depois foram os submarinos que em vez de levar torpedos, levavam padarias, depósitos extras de gasolina, muni~ção, torpedos, mas para outros submarinos, além de 1 formidável armamento de convés e plataformas aae, de canhões quadruplos de 20mm, verling, oerlikons de 35mm nos conveses e na frente canhões oerlikons de 30mm, além de metralhadoras de 13mm, 1 de cada lado, nas torres!
 

Membros (410)

 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

A Oeste do fim do mundo

Está em cartaz nos cinemas brasileiros a co-produção Brasil-Aregentina, "A Oeste do fim do fo mundo", de Paulo Nascimento.

Sinopse: Leon (César Troncoso) é um homem introspectivo que vive em um velho posto de gasolina, perdido na imensidão da estrada transcontinental entre a Argentina e o Chile. Seu único amigo é Silas (Nelson Diniz), um brasileiro que volta e meia o visita para trazer peças para consertar a moto dele. Um dia, a paz de Leon é abalada com a chegada de Ana (Fernanda Moro), uma mulher que escapou da tentativa de abuso sexual de um caminhoneiro com quem tinha pego carona. Sem ter para onde ir e no meio do deserto, Ana recebe abrigo de Leon inicialmente para apenas um dia. Só que o tempo passa e ela não consegue sair do local.

café história acadêmico

Felipe II: confira na íntegra a tese de doutorado do historiador José Carlos Vilardaga: "São Paulo na órbita do Império dos Felipes: conexões castelhanas de uma vila da América Portuguesa durante a União Ibérica (1580-1640)". O trabalho foi defendido em 2011 na Universidade de São Paulo.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }