Informação

História da Palestina

A trágica história de uma região tornada palco de muitos e seculares conflitos

Local: Belém-Pará
Membros: 57
Última atividade: 3 Mar

RESUMO HISTÓRICO


“Palestina” (do grego Philistia), é nome dado pelos autores da Grécia Antiga a uma estreita faixa de terra localizada no litoral mediterrâneo da Ásia. O nome é uma referência aos Filisteus, povo de provável origem creto-miceniana que ali se estabeleceu, por volta do século XII a.C. Por ser uma passagem estratégica entre a Ásia e a África, a Palestina, desde tempos remotos, tem sido palco de disputas entre povos e impérios..

Em meados do século XV a.C. a região foi conquistada pelo faraó do Egito, Tutmés III, porém perdida no final da XVIII dinastia, para ser novamente reconquistada por Seti I e por Ramsés II. Com o enfraquecimento do poder egípcio, em finais do século XIII a.C., a região foi invadida pelos Filisteus, no contexto da onda dos “Povos do Mar” que se abateu sobre o Mediterrâneo Oriental.. Provavelmente, data também dessa época o estabelecimento de tribos israelitas na região.

Salvo breves intervalos, a Palestina esteve sob o domínio de várias potências como a Assíria (722 a.C.), Babilônia (fins do século VII a.C.), Pérsia (539 a.C.), Macedônia (331 a.C), o Reino Ptolomaico (320 a 220 a.C), os Selêucidas (220 a 142 a.C.) e, finalmente, os Romanos, que passaram a denominá-la Síria-Palestina, por constituir parte de sua província da Síria.

No ano de 66 d.C., inicia-se uma rebelião dos judeus (localizados no sul da Palestina) que foi fortemente reprimida pelos romanos com a tomada da cidade de Jerusalém e destruição do templo de Iavé, a divindade nacional judaica (ano 70). Em 131, ao cabo de outra rebelião, o imperador Adriano afinal impôs a “pax romana”, destruindo Jerusalém. A cidade seria depois reconstruída com o nome Colonia Aelia Capitolia, à qual foi proibido o ingresso de judeus, a maioria dos quais migrou para outros locais do Império Romana (Diáspora).

Entre 324 d.C. e 638 d.C., a Palestina conheceu um período de prosperidade e crescimento demográfico, com uma população de maioria cristã, tornando-se parte integrante do Império Bizantino (a banda oriental do Império Romano, após sua divisão, em 375), até ser conquistada pelos muçulmanos, que disseminaram a língua e a cultura árabe na região.

Entre 1517 e 1917, ela fez parte do Império Otomano (turco). Com a derrota e esfacelamento desse império na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), passou a ser administrada pela Grã-Bretanha. À essa altura já havia uma certa quantidade (minoritária) de imigrantes judeus, que começaram a chegar a partir de 1880.

Devido a crescentes conflitos entre judeus e muçulmanos, a Grã-Bretanha estabeleceu dois distritos administrativos, separados pelo rio Jordão (1923), sendo que os judeus ficariam concentrados na zona costeira, a oeste do rio, facilitando, desse modo, o ingresso de novos imigrantes, através do Mar Mediterrâneo. Os árabes rejeitaram essa divisão, sobretudo após tomarem conhecimento da “Declaração Balfour”, em que os ingleses se comprometiam a favorecer o estabelecimento de um “lar nacional judaico” na Palestina. O conflito entre os nativos palestinos (muçulmanos) e os imigrantes judeus tornou-se mais agudo.

Em 1947, ignorando a oposição da população majoritária, constituída pelos palestinos, a Organização das Nações Unidas (ONU), através da Resolução 181, promoveu a partilha da região entre dois estados: um judeu e outro árabe. A 14 de Maio desse ano os judeus declararam a constituição do Estado de Israel, rapidamente reconhecido pelos Estados Unidos da América e, em seguida, por outras potências mundiais. O conflito entre palestinos e israelenses intensificou-se, permanecendo insolúvel até os dias atuais.

O Estado Palestino (árabe), previsto pela resolução da ONU, jamais foi criado.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de História da Palestina para adicionar comentários!

Comentário de Wilson Simão em 21 setembro 2012 às 2:42

Tenho visto esse comentário em diversos relatos sobre a palestina, aqui mesmo nesse resumo histórico

"""O Estado Palestino (árabe), previsto pela resolução da ONU, jamais foi criado."""

É meio paradoxal essa sentença, ela impõe a condição de criar o pré-existente  (não dá certo). Soá estranho, mesmo se tratando de um comentário pró-palestino.

Comentário de Wilson Simão em 20 setembro 2012 às 16:31

???ver colocações desse senhor e de outros ???

Em se tratando de colocações, estou com voce e não abro nunca para violências.

A história foi feita e as vitimas palestinas estão ai mesmo (ainda sendo enterradas),  contudo se pudéssemos reverter certas coisas, compreederiamos que surgiram em datas e pessoas impróprias.

Uma delas, a bomba atômica. A humanidade encontrava-se negativamente preparada para aplaudir a morte. Tanto que há mais de sessenta anos, ninguém ficou sentido com a morte dos japoneses, só hoje ...

O mesmo caso se aplicava na Palestina.

Se Israel proclamasse sua independência hoje, na internet e não, há 60 anos, no "conceituado" jornal Times e outros meios de comunicação, o povo palestino hoje teriam 12.000.000 de chances de opinar por um "hipotético" porém pacifico plebiscito.

Quem sabe aceitariam esse povo irmão?

Comentário de Wilson Simão em 22 agosto 2012 às 1:13

"""A 14 de Maio desse ano os judeus declararam a constituição do Estado de Israel, rapidamente reconhecido pelos Estados Unidos da América e, em seguida, por outras potências mundiais."""

Seria interessante salientar o idioma dessa declaração.Talvez assim, entendessem que o povo palestino si quer foram ouvidos.

""""O Estado Palestino (árabe), previsto pela resolução da ONU, jamais foi criado"""

Recriado seria o caso. De qualquer forma onde já se viu uma coisa dessas?

Comentário de Ильич em 23 outubro 2010 às 10:15
é por gente tipo esse Saraiva (ver colocações desse senhor e de outros como Alexandre Volk e Dino, em Holocausto), um racista declarado, que eu acho que a moderação deveria agir...
apesar de ter gostado de alguns diálogos, saio do Café História, porque não tô afim de aguentar esse tipo de gente... queria ter a oportunidade de te ver cara-a-cara, Saraiva, pra ouvir de sua boca esses absurdos... mas covardes não dizem isso em público... VOCÊ É UM LIXO NAZISTA!! Não dá pra estar num lugar onde esse tipo de pessoas proclama a violência e ninguém faz nada...
Comentário de luiz augusto neto alves em 22 maio 2010 às 0:08
muito obrigado pela esplicação , pois de fato hoje se intencifica essa guerra por territorio , pelo fato dessa divisão.
 

Membros (57)

 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }