História da Escola de Samba Beija-flor de Nilópolis

Informação

História da Escola de Samba Beija-flor de Nilópolis

Nasceu no dia 25 de dezembro de 1948.E tem seu nome inspirado no Rancho Beija-flor que existia na cidade de Valença-RJ.A idéia nasceu com um grupo de amigos,no entanto o nome foi proposto por D. Eulália, mãe de um deles.

Local: Anchieta - RJ
Membros: 18
Última atividade: 22 Jun, 2011

Continuação do histórico:
O grupo de rapazes era formado por: Milton de Oliveira (filho de D. Eulália), Edson Vieira Rodrigues, Helles Ferreira da Silva, Mario Silva, Walter da Silva, Hamilton Floriano e José Fernandes da Silva. Dona Eulália foi quem sugeriu o nome da agremiação, cabendo a ela o título de fundadora, entretanto foi só em 1953, que o bloco transformou-se em GRES Beija-flor de Nilópolis, e quem ficou responsável por essa mudança foi o Cabana (Silvestre David da Silva) o bloco Beija-Flor foi inscrito na Confederação das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Os primeiros anos da Beija-Flor foram difíceis. A quadra, na verdade, era um terreno baldio, a escola tinha muito pouca estrutura. Um pouco de malandragem fora necessário para o crescimento da entidade. Fazendo o seu primeiro desfile oficial pelo segundo grupo em 1954. A Beija-Flor pela primeira vez se apresentou como escola de samba, no Grupo 2 do Rio de Janeiro, e venceu logo de cara com o enredo "Caçador de Esmeraldas". O compositor do samba era Cabana, o maior nome entre os compositores nilopolitanos em todos os tempos. A Década de 60 foi de altos e baixos para a Beija-Flor ainda tentando se firmar como escola do primeiro grupo, contudo ela foi rebaixada até ao grupo 3 onde ficou por 3 anos. Somente em 1974 a escola voltaria, definitivamente, à elite do carnaval carioca, apresentando o enredo "Brasil ano 2000".
Com a vinda de Joãosinho Trinta, Laíla e outros insatisfeitos do Salgueiro, em 1976, a escola foi a grande campeã do carnaval, com o enredo "Sonhar com rei dá leão" que contava a história do jogo do bicho, demonstrando em suas alegorias um luxo até então atípico para a época, acarretando o fim da hegemonia do quarteto formado por Mangueira, Portela, Salgueiro e Império Serrano. E venceu ainda nos dois anos seguintes. Em 1977, com o enredo "Vovó e o rei da Saturnália", e em 1978 com "A criação do mundo na tradição nagô", conseguindo o tricampeonato. A agremiação de Nilópolis passou a ser conhecida como a escola do luxo e iniciou o processo de verticalização das escolas, através de grandes alegorias e dos adereços de mão.
E o sucesso da Beija-Flor continuou: em 1979 e 1981 conseguiu o segundo lugar, e em 1980 dividiu o título com Portela e Imperatriz, com o enredo "O sol da meia-noite". Em 1983, a escola foi novamente a grande campeã, com "A Grande constelação de estrelas negras". Joãosinho deixaria a escola de Nilópolis em 1994. E o tão sonhado título no Sambódromo só viria em 1998, dividido com a Mangueira, com o enredo "O mundo místico dos caruanas" desenvolvido por uma Comissão de Carnaval que levou a Beija-Flor ao seu sexto campeonato. A escola foi vice-campeã por quatro vezes consecutivas entre 1999 e 2002, sempre perdendo pela diferença mínima para a primeira colocada.
Mas a Beija-Flor recuperaria o título em 2003. Venceria pela primeira vez sozinha depois de vinte anos (lembrando que seu último título fora dividido com a Mangueira) com o enredo "Saco Vazio Não Pára em Pé - A Mão que faz a Guerra, faz a Paz". No ano seguinte, conseguiria o bi com o enredo "Manoa, Manaus, Amazônia, Terra Santa: Alimenta o Corpo, Equilibra a Alma e Transmite a Paz". A escola desfilou sob uma intensa chuva, que combinou com o trecho do samba "Água que lava minh'alma ao matar a sede da população", o que deu mais um sabor ao desfile, impulsionando a escola ao título. Em 2005, com um enredo sobre os Sete Povos das Missões, a Beija-Flor, cujo desfile começou já num sol quente das sete da manhã de terça-feira, conquistaria o segundo tricampeonato de sua história. De 1998 a 2005, a escola sempre era ou campeã ou vice do carnaval carioca. A escrita foi quebrada com a quinta colocação em 2006 (Poços de Caldas Derrama Sobre a Terra Suas Águas Milagrosas: Do Caos Inicial à Explosão da Vida - Água, a Nave-Mãe da Existência ). Tudo voltaria ao normal para os ares de Nilópolis com o bicampeonato obtido em 2007 (Áfricas, do Berço Real à Corte Brasiliana) e 2008 (Macapaba: Equinócio Solar, Viagens Fantásticas ao Meio do Mundo).

Suas cores: Azul e Branco.
Pesquisa: Revista Beija-flor - uma escola de vida Fev.2004
Sites: www.beija-flor.com.br
www.sambariocarnaval.com/beijaflor.htm
www.dicionariompb.com.br/verbete


Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de História da Escola de Samba Beija-flor de Nilópolis para adicionar comentários!

Comentário de Leandro Santos em 10 fevereiro 2011 às 14:37
ADORO!
Comentário de Keltin em 2 fevereiro 2009 às 19:01
Muito legal esse grupo... Eu sempre gostei da Beija-flor de Nilópolis, mas depois que descobri o amor que a escola tem pela comunidade, eu me tornei uma admiradora fiel.
Conosco quem quiser, contra nós quem puder: Beija-flor minha escola, minha vida, meu amor.
Ketlin
Comentário de cristiane da rocha lopes vianna em 1 fevereiro 2009 às 22:20
eu tb adorei!!!!eu amo de paixão essa escola de samba!
Comentário de Denise Dantas em 30 janeiro 2009 às 6:06
Adorei, realmente a comunidade estava faltando. Chegou em BOA HORA!!!!
 

Membros (17)

Flávio Gomes
 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

Teorema Zero

Chega aos cinemas brasileiros o mais novo filme do diretor americano Terry Gilliam (“Os Irmãos Grimm” e “O Mundo Imaginário do Dr.Parnassus), “Teorema Zero”. 

Sinopse: Qohen Leth (Christoph Waltz) , um habilidoso hacker de computador vive em uma constante crise existencial. Ele é instruído por uma empresa fantasma chamada “Management”, para resolver o enigma do “Teorema Zero”, uma fórmula matemática que determinará a razão da existência dos homens e se a vida possui algum sentido. Obcecado por essa missão, ele encontra obstáculos que interrompem seu trabalho. Qohen espera por um telefonema que contém todas as respostas que ele procura. 

documento histórico

Copa do Mundo 1990: Ingresso da Final da Copa do Mundo de 1990, onde a Alemanha se sagrou tri-campeã mundial de futebol. Na final, disputada em Roma, a Alemanha Ocidental bateu a Argentina por 1x0.

Conteúdo da semana

História Digital: Debate realizado e transmitido no dia 26 de novembro de 2013, a partir de uma parceria entre a rede social Café História e a Associação Nacional de História, seção Rio de Janeiro (ANPUH-RJ). Debatedores: Bruno Leal (UFRJ/CAFÉ HISTÓRIA), Lise Sedrez (UFRJ) e Keila Grinberg (UNIRIO). Mediação: Flávio Edler (FIOCRUZ/ANPUH-RJ). Produção técnica e artística: Fábio Leal e Felipe Menezes.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }