Informação

História da Bíblia

Espaço destinado para quem quer saber, estudar e contribuir para o conhecimento da história da Bíblia.

Site: http://www.educacionalproative.com.br
Local: Blumenau/SC
Membros: 406
Última atividade: 9 Ago

Conforme a obra: Comentário Bíblico, das Edições Loyola, "Testemunhamos, nos dias de hoje, um interesse crescente pela Bíblia. Homens e mulheres de todos os modos de vida inscrevem-se em cursos, assistem a seminários e organizam grupos de estudo.
Grupos de oração procuram líderes que possam guiá-los além da interpretação particular, para as profundezas espirituais da tradição. As pessoas procuram uma compreensão nova e voltam-se para estudiosos bíblicos que possam proporcioná-la. Os não-especialistas já não estão satisfeitos com um entendimento apenas religioso da Bíblia. Fazem perguntas literárias, históricas e teológicas que exigem respostas sábias".

Fórum de discussão

Jesus Cristo existiu?

Iniciado por Leonardo Stuepp. Última resposta de Rafael Freitas 25 Jul, 2013. 99 Respostas

A fé tem origem humana ou divina?

Iniciado por Silvaniza Maria Vieira Ferrer. Última resposta de mauro viana martins 23 Out, 2012. 23 Respostas

Você sabe como era a Palestina no tempo de Jesus?

Iniciado por Leonardo Stuepp. Última resposta de Wilson Simão 14 Maio, 2012. 101 Respostas

Eclesiastes é um livro pessimista?

Iniciado por Silvaniza Maria Vieira Ferrer. Última resposta de Leonardo Stuepp 19 Fev, 2012. 10 Respostas

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de História da Bíblia para adicionar comentários!

Comentário de Leonardo Stuepp em 14 julho 2011 às 11:31

Olá Marcelo.

Quando criei o grupo sobre a História da Bíblia, imaginei que um pequeno grupo de amigos entraria para buscarmos conhecer mais sobre a mesma.

Aos poucos verifiquei que os amigos começaram a ser muitos e, cada um trazia uma bagagem e um questionamento.

Então, verifiquei que, além de pura e simplesmente estudarmos a Bíblia, tinhamos de nos ater às questões sobre a interpretação da mesma e isto nos levou a termos muitas interpretações, pois para os judeus a Bíblia é diferente da Bíblia dos cristãos e entre os cristãos há diferenças sutis e às vezes fundamentais entre suas versões.

E, claro, os ateus e agnósticos, também tem sua contribuição, pois eles não veem a Bíblia como os judeus e/ou cristãos.

A única ressalva que faço, é que todos tenham respeito ao pensamento do outro, e quando isto não ocorre, eu intervenho e se necessário excluo a pessoa do grupo.

Outra questão importante é que aqui não há espaço para proselitismo, quando alguém vem e, busca usar do espaço para convencer alguém a participar de sua Igreja, este será chamado a atenção e se persistir, então também será excluído.

Verifique que o grupo tem inúmeros tópicos, creio que em um ou vários tu te sentirás representado e se não, sinta-se à vontade, dentro daqules princípios que apresentei, para abir um tópico teu.

Abraços.

Comentário de Marcelo Ramos em 14 julho 2011 às 8:51
Amigos, bom dia a todos, penso que deveríamos nos ater ao conteúdo do grupo de estudos, ou seja, HISTÓRIA DA BÍBLIA. Muitos dos comentários aqui postados deveriam estar em outro tópico, como por exemplo, RELIGIÃO E RELIGIOSIDADES, fica aqui a sugestão parta quem quiser criar o grupo e partir para as discussões. Grande abraço.
Comentário de alexandre silva volk em 13 julho 2011 às 19:43

Marcus,

  não só da biblia mas de outros livros ok! Quem se apoia só na biblia ai sim eeé 1 poko ceético!

 

Comentário de Marcus Vinicius Moura em 13 julho 2011 às 10:47
Entender o criacionismo requer leituras constantes da biblia, logo, ter um elo entre os questionamentos é o que nós devemos buscar sempre,  
Comentário de alexandre silva volk em 11 julho 2011 às 21:53

Leonardo, acredito que tais achados e provas se baseiem em pessoas que conviveram com Deus ou com José, pai de Jesus Cristo! Paciência se temos uma pessoa desorganizada no grupo, chamada Eber!

 Outra coisa só acreditarei em civilização anti diluviana após 1 prova real ok, abraço e vamos continuar as discussões!

Comentário de Leonardo Stuepp em 10 julho 2011 às 17:53

Caro Eber.

Mas a frase que leva ao link apresenta a informação que considero fora de contexto no grupo.

Criei o grupo sobre a História da Bíblia e aqui temos amigos de todas as denominações e até ateus e agnósticos, então monitoro todos os comentários e para não precisar "aprová-los" antes de serem aceitos, peço a todos que não deixem em nenhum momento algo que possa levar à questão do proselitismo. Com o amigo Joaquim, que conheço desde agosto de 2010, foi uma dura luta para ele entender que aqui não se faz propaganda querendo levar pessoas seja para que tipo de pensamento e/ou denominação for.

Abraços.

Comentário de Eber Batista Vieira em 10 julho 2011 às 17:46
Caro Leonardo, como o tópico é História da Bíblia, postei apenas uma das várias definições da Bíblia. No final, deixei o link de outra rede que participo, a HaDérec. Só isso. Eu não sou da SUD.
Comentário de Leonardo Stuepp em 10 julho 2011 às 17:33

Amigo Alexandre.

Esta questão de termos civilizações avançadíssimas antidiluvianas, precisa ser vista num contexto histórico em que o Dilúvio narrado na Bíblia, seja um ensinamento e interpretação de algumas catástrofes acontecidas em alguns locais da Mesopotâmia e, que em si já definem a existência de povos organizados, mas isto exige de nós uma análise pessoal sobre como entendemos e aceitamos a Bíblia.

Para os irmãos Mórmons e muitos cristãos que seguem uma linha fundamentalista (o que para eles é a verdade - e respeito) tudo o que está narrado na Bíblia é uma verdade histórica irrefutável, mas para muitos outros cristãos que não se baseiam na mesma de uma maneira literal, há a necessidade de se estudar cada livro em seu momento e contexto histórico e verificar o que eles realmente querem dizer (o que deverá ser respeitado também).

Abraços.

Comentário de Leonardo Stuepp em 10 julho 2011 às 17:28

Olá Eber.

Eu já falei inúmeras vezes com o Joaquim sobre esta questão de vocês (SUD) dizerem que a Igreja de vocês é a restauração da Igreja cristã primitiva. Eu respeito de todo o coração esta questão, mas ela é própria de vocês e não aceito como sendo uma única verdade, pois todas a Igrejas cristãs, à sua maneira, buscam interpretar e realizar o que Jesus Cristo nos ensinou.

Este nosso grupo é um espaço aberto, onde apresentamos as nossas convicções, mas temos de ter claro o momento em que cada um considera sendo uma verdade, possa de uma maneira ferir a doutrina de outros irmãos cristãos.

Então te peço encarecidamente quando fizeres as tuas afirmações, coloques em respeito a todos os outros amigos do grupo, que isto é uma doutrina interna de vossa Igreja.

Aqui não fazemos proselitismo. Respeitamos o pensamento de outros, mesmo não concordando com os mesmos.

Quanto à Bíblia judaica, ela em nenhum momento terá Jesus Cristo como o Messias e também não terá o Novo Testamento. Quanto aos judeus Messiânicos, há a necessidade de estudarmos os mesmos para podermos citá-los.

Abraços.

Comentário de alexandre silva volk em 10 julho 2011 às 17:09

Eber mas alguns interpretam como etendo civilizações antes do diluúvio aki na terra ok! Isto está mal contado, pois certo dia ateeé 1 bispo o sumo sacerdoete de Porto Alegreafirmou terem tido civilizações avançadicimas mas que o mundo esqueçeu e interpretam mal hoeje, deixaram pistas no mundo basta achar quem são ok!

 

 

Membros (406)

 
 
 

Links Patrocinados

Cine História

Não pare na pista

Chega aos cinemas brasileiros o aguardado filme cinebiografia de Paulo Coelho, "Não pare na pista -  a melhor história de Paulo Coelho", dirigido por Daniel Augusto. 

Sinopse: Cinebiografia de Paulo Coelho, o filme se concentra em três momentos distintos da carreira do escritor: a juventude, nos anos 1960 (período em que é vivido pelo ator Ravel Andrade); a idade adulta, nos anos 1980 (Júlio Andrade); e a maturidade, em 2013, quando refaz o Caminho de Santiago (Júlio Andrade, maquiado). Usando como base depoimentos do próprio Paulo Coelho, a história perpassa os momentos mais marcantes da vida do autor, como os traumas, a relação com as drogas e a religião, sexualidade e a parceria com o músico Raul Seixas.

café história acadêmico

Ensino de História: Confira o artigo “A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História”, da historiadora Christian Laville, da Universidade Lava, Quebec. Resumo: Em quase todas as partes do mundo, os programas escolares exigem que o ensino da história desenvolva nos alunos a autonomia intelectual e o pensamento crítico. Há muito tempo não se vê mais a missão de incutir nas consciências uma narrativa única glorificando a nação ou a comunidade. No entanto, quando o ensino da história é questionado nos debates públicos, é sempre com referência a esse tipo de narrativa: embora não fazendo mais parte dos programas, esse continua sendo o único objeto dos debates. Este artigo dá inúmeros exemplos atuais de tais debates, antes de concluir que são provavelmente vãos e que as pessoas se iludem sobre os efeitos reais da história ensinada. Alguns exemplos também são dados a esse respeito. Clique aqui para acessar.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }