Bem, no momento estou fazendo minha monografia sobre carnaval, e venho
levantando questões relacionadas a identidade nacional, nacionalismo, e
cultura popular. Deparando com alguns autores que tratam do tema percebo
a utilização do conceito de cultura popular e seus entendimentos sobre
tal. Alguns autores não gostam de aderir o conceito de cultura popular
por aceitar de forma implicita a divisão entre cultura popular e cultura
erudita, mas ao mesmo tempo acreditam que deve-se saber da existência
das duas, pois senão assim não haveria a circulariade cultural, por ai!

Minha pergunta é o que vocês entendem por cultura popular e quais os autores que vocês acham que definem bem este conceito?

Tags: cultura, popular

Exibições: 628

Respostas a este tópico

Os colegas podem dar outras sugestões mas eu começaria com "Integrados e Apocalípticos" de Umberto Eco...
Olá Taty.
Penso que geralmente o tratamento da cultura popular é permeado de entrelinhas. Também não sou especialista no assunto, mas talvez possa te indicar duas obras fundamentais:

BAKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de François Rabelais. - Essa obra talvez seja bem mais específica, inclusive, ao lidar sobre a representação da circularidade de cultura, inclusive que recai sobre a representação de determinados elementos, a forma de pesquisa, enfim. Ele, para o seu tema, é eu diria obrigatório. Já li. Além de vislumbrar o percurso metodológico primoroso que ele faz, o conteúdo acerca da circularidade da cultura é muito interessante.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermos - Porque ele trata sobre a questão de circularidade da cultura, para além do habitual tratamento dicotômico entre a cultura popular e a cultura erudita (Ele tem como referencia a obra do Bakhtin). O exemplo dele, micro-história, do moleiro traz uma discussão bem bacana a respeito do que se entende de transmissão de cultura (oral para a escrita), apropriação da cultura erudita de diferentes formas e como elas se deram. Acho que essa obra pode te abrir a mente.

Agora (cuidado para a amplitude do tema com o tempo que você tem para desenvolver a pesquisa: IC, Mestrado, Doutorado), se a idéia é também observar a relação entre o carnaval/cult. popular com o nacionalismo e identidade nacional, sugerido duas obras:

HOBSBAWM, Eric J. e RANGER, Terence O. A Invençao Das Tradiçoes - Esse livro, li alguns capítulos e logo mais vou lê-lo na integra, então, se quiser conversar depois... aborda a questão da invenção das tradições como forma de criar a identidade nacional e o sentimento nacionalista no período de formação e consolidação dos EStados-Nações. Então, também diria que seria uma bibliografia básica e imprescindível.

HOBSBAWM, Eric. J. Nações e Nacionalismo desde 1780 Esse já trata especificamente sobre as questões da formação dos Estados-Nações, discussão o conceito e a representação de nação.

Bom. Fico por aqui. Talvez por meio dessas duas referencias (e das outras sugestões que o pessoal fizer) você encontrará outras.

Abraços,
obrigada merilin. Eh o Hobsbawm eo Bakhtin jah estão na minha lista!!!
Te mando também a bibliografia, garota.
CEVASCO, Maria E. Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo, 2003.

CHARTIER, Roger. A História Cultural. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: DIFEL, 1990. (Coleção: Memória e Sociedade).

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário do Aurélio. Disponível em: . Acessado em: 25 abril 2010.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A crise da Memória, História e Documentos: reflexões para um tempo de transformações. In: SILVA, Zélia Lopes da. (Orgs.). Arquivos, patrimônio e memória: trajetórias e perspectivas. São Paulo: UNESP: FAPESP, 1999 – (Seminários e Debates).

MENEZES, Eduardo Diatahy B. de. A Cultura Brasileira “descobre” o Brasil, ou ‘Que País é este?!’ – Uma pergunta à cata de resposta. São Paulo: Revista USP, nº. 12, Dez-Jan-Fev, 1991-2.
Werneck. Síntese de História da Cultura Brasileira. 17. ed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.
THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
______. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
______. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Cia. das Letras, 1998
______. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Ed. Unicamp, 2001.
WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
Um livro bem interessante, revelador (e fininho) é "Cultura Popular na Antiguidade Clássica", de Pedro Paulo Funari.
Nele, o autor apresenta alguns conceitos de Cultura, inclusive o latino, que diz + ou - que é toda a elaboração humana, tudo que é feito/construído pelo conjunto da Humanidade.
Também nos mostra, através das inscrições parietais de Pompeia (dezenas, centenas de milhares), o alto desenvolvimento intelectual/artístico de pessoas do povo -- inclusive catalogando por categorias --, que faziam uma arte mesclando literatura e desenho, p. ex.
Pra certos vanguardeiros se tocarem de que não estão reinventando a roda.
Saudações Poéticas!
P. S.: Concordando com o conceito latino de Cultura, a Arte é a mais alta elaboração humana.
Arguta Taty; como sei que vc utilizará o método dedutivo dialético estou te enviando uma boa contribuição começando por definição do que é cultura, ok?
O termo cultura remete a muitas interpretações. O conhecido e reconhecido dicionário Aurélio define o termo cultura assim:

s.f. Ação ou maneira de cultivar a terra ou as plantas; cultivo: a cultura das flores. / Desenvolvimento de certas espécies microbianas: caldo de cultura. / Terreno cultivado: a extensão das culturas. / Categoria de vegetais cultivados: culturas forrageiras. / Arte de utilizar certas produções naturais: a cultura do algodão. / Criação de certos animais: a cultura de abelhas. / Fig. Conjunto dos conhecimentos adquiridos; a instrução, o saber: uma sólida cultura. / Sociologia Conjunto das estruturas sociais, religiosas etc., das manifestações intelectuais, artísticas etc., que caracteriza uma sociedade: a cultura inca; a cultura helenística. / Aplicação do espírito a uma coisa: a cultura das ciências. / Desenvolvimento das faculdades naturais: a cultura do espírito. / Apuro, elegância: a cultura do estilo. // Cultura de massa, conjunto dos fatos ideológicos comuns a um grupo de pessoas consideradas fora das distinções de estrutura social, e difundidos em seu seio por meio de técnicas industriais. // Cultura física, desenvolvimento racional do corpo por exercícios apropriados.
No Dicionário Filosófico Abreviado, de M. Rosental e P. Iudin apud Sodré (1994, p. 3), o termo cultura significa:
Conjunto dos valores criados pela humanidade, no curso de sua história. A cultura é um fenômeno social que representa o nível alcançado pela sociedade em determinada etapa histórica: progresso, técnica, experiência de produção e de trabalho, instrução, educação, ciência, literatura, arte e instituições que lhes correspondem. Em um sentido mais restrito, compreende-se, sob o termo de cultura, o conjunto de formas da vida espiritual da sociedade, que nascem e se desenvolvem à base do modo de produção dos bens materiais historicamente determinado. Assim, entende-se por cultura o nível de desenvolvimento alcançado pela sociedade na instrução, na ciência, na literatura, na arte, na filosofia, na moral, etc., e as instituições correspondentes. Entre os índices mais importantes do nível cultural, em determinados aperfeiçoamentos técnicos e dos desenvolvimentos científicos na produção social, o nível cultural e técnico dos produtores dos bens materiais, assim como o grau de difusão da instrução, da literatura e das artes entre a população. (Grifo do autor).
Em Clifford Geertz (1978, p. 103),

[...] o conceito de cultura ao qual eu me atenho não possui referentes múltiplos nem qualquer ambigüidade fora do comum, segundo me parece: ele denota um padrão de significados transmitido historicamente, incorporado em símbolos, um sistema de concepções herdadas expressas em formas simbólicas por meio das quais os homens comunicam, perpetuam e desenvolvem seu conhecimento e suas atividades em relação à vida

Para Manfredo Araújo (2000, p. 129),

A cultura revelou-se a nós como o conjunto de sentidos e valores que informam toda a ação do homem no mundo essa totalidade pragmático-simbólica é vivida e compartilhada pelo grupo humano como expressão de sua própria realidade humana, mesmo que, no mais das vezes, as pessoas não tenham consciência explícita de seus componentes. É a partir daqui que se formam as tradições que, diferentemente dos processos naturais, são algo “entregue” às novas gerações, isto é, algo assimilado por meio de um processo permanente de reinterpretação e atualização nas novas circunstâncias históricas. (Grifo do autor).

Como podemos notar o termo cultura abarca uma gama de significados que podem ser usados indistintamente. Todavia, para o historiador o termo cultura não deve ser usado aleatoriamente já que a escolha de um ou outro, ou de um e de outro significado remeterá a tomada de uma posição acadêmico-política. Desse modo, o conceito de cultura a ser adotado pelo historiador deverá estar contextualizado histórico-socialmente.
Em Cevasco (2003) e Willians (1979), encontramos a idéia de que o termo cultura até o século XVIII estava vinculado ao cultivo de produtos agrícolas ou de animais. Todavia, para esses autores a partir do final do século XVIII e do apogeu das idéias iluministas, sobretudo na França o termo cultura foi redimensionado e passou a ser utilizado significando civilização proveniente do civitas (educado, padronizado) em oposição ao estado natural da selvageria e da barbári. Neste sentido, cultura e civilização estavam imbricados. Porém, foi nessa mesma França que o imbricamento entre cultura e civilização, supostas pilastras da razão e da consolidação capitalistas sofreria contestação a partir do pensamento rousseauniano. Em seguida a definição de cultura correlacionada com civilização em termos universais proposta pelos franceses seria atacada por intelectuais alemãs que priorizavam a cultura nacional germânica e não a idéia universalizante de uma única cultura.
No século XIX, o termo cultura passou a ser adotado ligado ao processo geral de desenvolvimento interno em contraste com o externo. Com efeito, nesse contexto, cultura está relacionada com as instituições, artes, religião, práticas e valores peculiares a um povo, coletividade, comunidade. Essa concepção de cultura foi aliada também a noção de que cultura pertence ao erudito. Essas concepções resistiram até meados do século XX que após a segunda grande Guerra Mundial e o advento da expansão dos meios de comunicação essa boba ilusão de uma cultura universal e uversalizante caiu por terra. A partir de então passou a se falar de culturas (no plural) e não de Cultura (no singular).
É racional ressaltar que grande contribuição para a mudança de concepção acerca de cultura, nesse contexto, deve-se a um grupo de intelectuais britânicos marxista, sobretudo os da chamada “Nova Esquerda” que fundaram uma nova disciplina denominada de “estudos culturais”.
Sem perder de vista o ideário marxista esses intelectuais (Raymond Williams, Edward Palmer Thompson e Richard Hoggart) ampliaram noção de cultura e transformação social posicionando-se contra o elitismo, o dogmatismo, o reducionismo stalinista e o conservadorismo da direita. Preocupados com a cultura popular ou cultura dos “de baixo”, passaram a publicar e a divulgar a cultura operária na revista The New Reasoner na qual muitos pensadores marxistas escreviam. Dentre muitos estudos destacaram-se a obra “Marxismo e Literatura” (1979), de Raymond Williams, e as obras de Edward P. Thompson, entre elas: “A formação da classe operária inglesa” (1987); “A miséria da teoria” (1981); “Costumes em comum” (1998); e, “A peculiaridade dos ingleses e outros artigos” (2001).
Influenciado pelas idéias de Mikhail Bakhtin, Bertold Brecht e George Lukács, Williams repensou sua noção de cultura, no sentido da elaboração de uma teoria materialista da cultura, superando as concepções marxistas reducionistas que colocavam a cultura como superestrutura determinada pela infra-estrutura. Williams questiona a concepção idealista que previa a separação entre cultura e vida material criticando o pensamento materialista mecanicista levantando as idéias de língua, literatura e ideologia.

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Sobrevivente

Chega aos cinemas o filme islandês "Sobrevivente", de Baltasar Kormákur. 

Sinopse: Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas as águas geladas impedem que essa tarefa seja facilmente concluída, restando apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson), um homem bom, de fé, querido por todos, e com uma vontade de viver inacreditável. Após nadar por cerca de seis horas e enfrentar vários percalços, ele consegue contato com a civilização. Após a incrível experiência vivida, Gulli terá ainda que viver com a dor da perda dos amigos e, pior, a incredulidade de todos, que não entendem ele ter sobrevivido a uma situação tão extrema e insistem em fazer testes para saber como isso pode ter acontecido. Baseado em fatos reais.

documento histórico

Guerra do Paraguai: Prédios paraguaios após a Guerra do Paraguai s.l., [186-]. Arquivo Polidoro da Fonseca Quintanilha Jordão. Fonte: Arquivo Nacional

Conteúdo da semana

Leituras da escravidão: O mini-documentário 'Leituras da Escravidão' aborda a escravidão na província do Paraná através do relato de estudantes de História da Universidade Federal do Paraná, que pesquisam o tema em processos judiciais do século XIX no Arquivo Público do Paraná

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }