Informação

Historiografia

Em relação a historiografia,  vejo pouca mudança em relação a escrita da história após a década de 90?? pensando nessa máxima, o que se deve mudar ou refazer para que possamos dar uma nova forma ou seja uma nova ideia na escrita da história?.

Membros: 5
Última atividade: 17 Maio, 2013

Fórum de discussão

A História é uma ciência?

Iniciado por Rafael Freitas 17 Maio, 2013. 0 Respostas

O que a historiagrafia aponta sobre a história enquanto uma ciência específica?Seria a História uma prática social historicamente determinada, capaz de ser entendida com o auxílio de diferentes…Continuar

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Historiografia para adicionar comentários!

Comentário de Elber Neves em 24 abril 2012 às 1:46

Uma transformação interessante, seria nas formas como o professor aborda em sala de aula os alunos, a ideia é fazer com os saberes desenvolvidos e problematizados que transformem o aluno em um ser mais critico, a sociedade clama por pessoas criticas, mais para isso, precisa de estudos, teses sobre educação. Historia caminha para um campo do qual particulamente não gosto que é, das pesquisas de massas, de sociedade, deixando de lado o mais importante, que é a educação.

Comentário de Samia Andrade em 21 abril 2012 às 1:07

A terceira geração dos Annales surgiu com a proposta de escrever sobre a Historia nova, uma historia ao invéz  privilegiar somente os vencedores também desse conta da historia dos perdedores, dos excluídos, das mulheres ... por isso creio que o que podemos fazer é : ao invés de sermos os copistas dos copistas, das citacões de fulano e beltrano reduzamos esse trabalho bibliográfico exaustivo e passemos  a fazer "trabalho de campo" utilizando a teoria  junto com a práxis .Tenho certeza que quando começarmos  a termos  uma visão mais abrangente  com uma nova   releitura do objeto do estudo será mas autêntico e condizente com a verdade de nossas pesquisas para artigos cientificos ou livros ....Um exemplo: O professor X ele é marxista orienta monografias nessa linha de pesquisa , será que esse professor, mestre ou doutor, já foi  ou participou para ver  como funciona algum partido político? como são as associações de moradores? quem está   servindo aos interesses dos que estão no poder?  isto sim e trabalhar a favor da escrita de uma história sem "máscaras" mas tem que se acabar nas universidades com  as  ideologias e o monopólio do saber, e  do  conhecimento.Abrir espaços, ser mais sensível a própria necessidade dos alunos como um ser humano,  onde o professor  pode orientar melhor,esclarecer, e clarificar procurando atalhos que levem os seus futuros colegas de ofício ao amor pela profissao.Lutando para ajudá-los em aprender a escrever uma história que atenda as demandas do social, para que no futuro como elos de uma corrente forte e inquebrantável  eles sejam os formadores de outros jovens que facilitem a vida do seu companheiro. Por tudo isso os novos, velhos ou quem escreve História deveria fazer em um primeiro momento um estudo do caso  sobre o  que ele pesquisa  observando, investigando e recolhendo dados . Mas  com  trabalho de campo visitando o lugar para ter uma percepção maior do contexto histórico e conhecimento da realidade brasileira ou estrangeira.Mas seja humano, um agente de transformação do social siga Paulo Freire um bom exemplo de professor pesquisador em ação...mais humildade.

Comentário de maria nely dos santso em 10 março 2012 às 8:59

O que realmente  há de novo sobre  publicações no âmbito da historiografia brasileira?

 

 

Membros (5)

 
 
 

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

Cine História

Saint Laurent

Acaba de chegar aos cinemas o filme "Saint Laurent", de 

Sinopse: Entre os anos 1967 e 1976, o estilista Yves Saint-Laurent (Gaspard Ulliel) reinou sozinho no mundo da alta costura francesa. Esta biografia mostra o seu processo criativo, as fotografias e entrevistas polêmicas, a relação com o marido e empresário Pierre Berger (Jérémie Renier), os casos amorosos extra-conjugais e a relação com o álcool e as drogas, que quase destruíram o império da marca YSL.O avô húngaro de Alex Levy Heller, diretor e roteirista deste documentário, teria escondido um relógio Patek Philippe com seu irmão mais velho antes de ser preso no campo de concentração de Auschwitz. Na busca por esse objeto, Alex faz duas viagens: Uma até a Polônia - atual Romênia e a Israel - usando o relógio como pretexto para descobrir mais sobre a história da sobrevivência de sua família. Na outra, ele entrevista sobreviventes do Holocausto que vieram morar no Brasil, resgatando as memórias dos sobreviventes desse período negro da história

café história acadêmico

Arte: Leia, na íntegra e gratuitamente, o livro “A Era de Caravaggio.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }