Novo no Brasil, mas não na Historia, eu tenho uma grande pergunta sobre o uso de cartas nos livros e publicações de Historia.

 

Dois exemplos:

 

Lendo atualmente o livro “Geografia Histórica do Rio de Janeiro”, apesar das grandes qualidades deste livro, e do grande prazer que eu tenho a lê-lo, eu tenho uma decepção. Cheguei a pagina 170, e ainda não encontrei nenhum mapa!

Como é possível de descrever um tão bom texto “O Processo de Conquista”, cheio de nome de lugares e de eventos situados no espaço, e onde a geografia (no senso localização) é tão importante para o entendimento, sem no mínimo um mapa da costa do Brasil e uma da baia de Guanabara? Ou, só um detalha, onde foi o caminho de Martim de Sá para a entrada ao sertão?

 

Segundo exemplo, a revista “Revista de Historia da Biblioteca Nacional”. Tinha há alguns meses um artigo interessante sobre o caminho (no senso físico de “caminhar”), entre a criação das mulas no Sul e a Minas Gerais, onde elas são utilizadas. O artigo perde a metade de seu interesso por falta de um mapa mostrando a localização do caminho, ainda bem descrito no texto.

 

Em geral, eu só surpresa da ausência de mapas quando se fala de Historia no Brasil, quando em muitos outros países você não pode escrever um artigo sem, no mínimo, mostrar um mapa calizando os eventos assunto do artigo.


Porque este dicotomia entre Historia e Geografia?

Exibições: 16

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

Cine História

Saint Laurent

Acaba de chegar aos cinemas o filme "Saint Laurent", de 

Sinopse: Entre os anos 1967 e 1976, o estilista Yves Saint-Laurent (Gaspard Ulliel) reinou sozinho no mundo da alta costura francesa. Esta biografia mostra o seu processo criativo, as fotografias e entrevistas polêmicas, a relação com o marido e empresário Pierre Berger (Jérémie Renier), os casos amorosos extra-conjugais e a relação com o álcool e as drogas, que quase destruíram o império da marca YSL.O avô húngaro de Alex Levy Heller, diretor e roteirista deste documentário, teria escondido um relógio Patek Philippe com seu irmão mais velho antes de ser preso no campo de concentração de Auschwitz. Na busca por esse objeto, Alex faz duas viagens: Uma até a Polônia - atual Romênia e a Israel - usando o relógio como pretexto para descobrir mais sobre a história da sobrevivência de sua família. Na outra, ele entrevista sobreviventes do Holocausto que vieram morar no Brasil, resgatando as memórias dos sobreviventes desse período negro da história

café história acadêmico

Arte: Leia, na íntegra e gratuitamente, o livro “A Era de Caravaggio.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }