Novo no Brasil, mas não na Historia, eu tenho uma grande pergunta sobre o uso de cartas nos livros e publicações de Historia.

 

Dois exemplos:

 

Lendo atualmente o livro “Geografia Histórica do Rio de Janeiro”, apesar das grandes qualidades deste livro, e do grande prazer que eu tenho a lê-lo, eu tenho uma decepção. Cheguei a pagina 170, e ainda não encontrei nenhum mapa!

Como é possível de descrever um tão bom texto “O Processo de Conquista”, cheio de nome de lugares e de eventos situados no espaço, e onde a geografia (no senso localização) é tão importante para o entendimento, sem no mínimo um mapa da costa do Brasil e uma da baia de Guanabara? Ou, só um detalha, onde foi o caminho de Martim de Sá para a entrada ao sertão?

 

Segundo exemplo, a revista “Revista de Historia da Biblioteca Nacional”. Tinha há alguns meses um artigo interessante sobre o caminho (no senso físico de “caminhar”), entre a criação das mulas no Sul e a Minas Gerais, onde elas são utilizadas. O artigo perde a metade de seu interesso por falta de um mapa mostrando a localização do caminho, ainda bem descrito no texto.

 

Em geral, eu só surpresa da ausência de mapas quando se fala de Historia no Brasil, quando em muitos outros países você não pode escrever um artigo sem, no mínimo, mostrar um mapa calizando os eventos assunto do artigo.


Porque este dicotomia entre Historia e Geografia?

Exibições: 14

Links Patrocinados

documento histórico

Versão digitalizada do decreto que aboliu a escravatura no Brasil, dando origem à Lei Áurea. O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel, pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado, Primeiro Secretário Barão de Mamanguape e pelo Segundo Secretário do Joaquim Floriano de Godoi. O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal. Faça aqui o download em alta resolução desta importante peça da História do Brasil: http://goo.gl/ewCcee

Conteúdo da semana

Depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Cine História

Cortinas Fechadas

Chega aos cinemas brasileiros o drama iraniano dirigido por Kambolza Partovi e Jafar Panahi, “Cortinas Fechadas”.

Sinopse: Vivendo em prisão domiciliar após ter sido condenado pela justiça iraniana, sob a acusação de denegrir a imagem do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad com seus filmes, o cineasta Jafar Panahi tem seu cotidiano apresentado neste filme.

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

Parceria: NIEJ-UFRJ

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }