Informação

Historia do Anarquismo

Estudar o anarquismo, história, pensamento, realizações, dilemas e limites.

Membros: 234
Última atividade: 5 Jan

Fórum de discussão

Anaquismo e terrorismo

Iniciado por Maressa. Última resposta de Bruno Leal 8 Mar, 2013. 15 Respostas

Quadrinhos anarquistas

Iniciado por Diogo Madeira. Última resposta de Yopixel 2 Nov, 2010. 12 Respostas

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Historia do Anarquismo para adicionar comentários!

Comentário de Gustavo Alves em 26 julho 2016 às 15:31

Sou novo no grupo, acabo de entrar. Gostaria de saber, tendo em vista alguns comentários na contra-mão da luta libertária, quais membros são anarquistas. Abraços!

Comentário de Rafael Monteiro Biancardini em 26 março 2014 às 16:47

Olá pessoal, sou novo no grupo e gostaria de saber, se alguém conhece algum site que posso fornecer material sobre O Jornal A Batalha. jornal operário e sindical da primeira república em Portugal. Um jornal de natureza anarquista, com sua primeira edição no dia 23 de fevereiro de 1919. Caso tiverem algo sobre, me mande por email, crashaller@hotmail.com. Obrigado!! xD

Comentário de Alexandre Wellington dos Santos em 4 março 2013 às 5:48

Alguém possui jornais sindicais ou anarcossindicais? 

Preciso do "A Revolta", "O artista", e "A voz do trabalhador", editados entre 1919-1921 na cidade de Parnaíba-PI...

Comentário de vanessa caxeado em 10 julho 2012 às 22:42

Obrigado Joaquim Antonio toda ajuda é bem vinda sim, obrigado. 

Comentário de Paulo Kautscher em 10 julho 2012 às 22:30

Ensaio para uma Universidade Popular (viés anarquista?)

UM CONVITE...
  

Quando uma sociedade é incapaz de criar as justificativas da sua existência, modifica imediatamente os mecanismos de produção das ideologias. A universidade sempre foi um desses mecanismos. Mas se a universidade já não pode mais dar resposta ao atual estágio de dominação, é porque de alguma forma as pessoas começaram a despertar. Deixaremos mais uma vez os soníferos discursos das modernizações conservadoras nos colocarem na cama ou nos levantaremos definitivamente? Fazemos, então, um convite à rebeldia e à criatividade. Não podemos aceitar a velha universidade burocratizada, nem a UNIVERSIDADE NOVA colonizada. Construamos nós, junto aos trabalhadores, a Universidade Popular!
 
Comentário de Paulo Kautscher em 10 julho 2012 às 22:19

A ESCOLA ANARQUISTA NA PRIMEIRA REPÚBLICA

Angela Maria Souza Martins - UNIRIO
.
Introdução  
Pesquisamos a instituição da escola anarquista no contexto educacional brasileiro, no período da Primeira República. Consideramos que o movimento anarquista possibilitou uma reflexão significativa sobre a teoria pedagógica e as práticas escolares. No Brasil, as ideias pedagógicas da educação anarquista vieram por meio de imigrantes espanhóis, portugueses e italianos.
No início do século XX, começou uma propaganda sistemática do anarquismo e do anarco-sindicalismo, no Brasil. Foram criadas algumas escolas, publicados muitos jornais e realizadas várias atividades culturais com o intuito de divulgar o ideário libertário. Nesse período, acentua-se o debate sobre o papel social e político da escola, pois os anarquistas pretendiam romper com a hegemonia da educação ministrada pela Igreja e pelo Estado, por isso buscavam implantar uma escola que utilizasse a pedagogia racional libertária. Os anarquistas acreditavam que por meio da ação educacional transformariam as relações sociais e econômicas, com a intenção de instituir uma sociedade: fraterna, igualitária e democrática. A educação torna-se um importante campo doutrinário.
O movimento anarquista acreditava que uma proposta educacional baseada na razão e na liberdade poderia superar as superstições e os dogmas da educação confessional, como também enfrentar a doutrinação do Estado. Segundo Lima (Cf. Lima, 1915), o homem vem ao mundo com predisposições, estas podem ser transformadas e aperfeiçoadas pela atuação da educação e do meio. Assim, a educação é um meio importante para mudar valores e princípios, que são fundamentais para a implantação de um novo tipo de sociedade.

A inserção da escola anarquista no Brasil 
Comentário de Joaquim Antonio em 10 julho 2012 às 14:58

Olá Vanessa! Um interessante balanço sobre o anarquismo é o livro de Murray Bockchin: Anarquismo, crítica e autocrítica. Há alguns coletivos que disponibilizam farta bibliografia sobre o anarquismo em blogs pela internet. Tem tb uma revista publicada pela PUC-SP chamada Verve, que tem algumas coisas sobre o anarquismo contemporâneo.

Espero que ajude na escrita do artigo!

Comentário de vanessa caxeado em 9 julho 2012 às 20:15

Pretendo desenvolver um artigo cientifico sobre o tema anarquismo, gostaria de falar um pouco sobre esta ideologia politica , mais gostaria de fazer está analise deste movimento na atualidade, se alguém poder me ajudar com algumas referencias bibliográficas, fico grata.

Comentário de Flávio Vieira em 22 junho 2012 às 21:01

Vejam bem...

A Anarquia (devido as manipulações históricas feitas pelas Elites Dominantes) começou a ter um significado de bagunça e um sistema sem leis, quando na verdade significa sem governos.

No entanto tudo é gerado em estágios. Primeiro gostaria de deixar claro que não sou reformista...

O Socialismo seria o primeiro estágio, e deveria ser imposto pela própria população, não com simples votos nulos (não desmerecendo a simbologia desssa ação) mas sim com protestos e voz de ordem como fizeram na Rússia em 1917, e na Comuna de Paris (infelizmente não me lembro a data).

Depois, quando a sociedade atingisse um certo nível, viria o Comunismo e em seguida a Anarquia.

A História é uma espiral em ascendência, o que significa que existem momentos muito parecidos entre sí, mas que possuem mudanças sutís e que levam a uma forma evolutiva história (Teoria do Materialismo Histórico).

Sinceramente sou (assim como Platão) contra um regime em que a maioria decide. Primeiro pois a maioria não representa a todos (todos os grupos sociais, ideológicos, etnicos e religiosos). Acho que as leis deveriam sim envolver a sociedade civil, mas que fosse na forma de debates e argumentos, e que vencesse o melhor argumento.

Comentário de Brancaleone em 21 março 2011 às 21:41

Eu particularmente voto branco  por não gostar das opções que me apresentam e estou convicto que o ser humano,  assim como a imensa maoria dos seres vivos, precisa ser tutelado por uma chefia. Quando a massa é ignóbil demais para escolher (e isso parece a regra) tal chefia se impõe via Khadafis e Chávez da vida.

Até propus um tópico onde qustiono a validade biológica do anarquismo.

E se não for pela via elitoral (a tal da democracia) como então seria? Pela força? e quem  se considera bom o bastante para  se achar no direito de impor alguma ideologia?

O fato inegávelé que não importa se são formigas ou humanos - a chefia é natural.

 

Membros (234)

 
 
 

Boletim Café História

Anúncio

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }