O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Informação

Gilberto Freyre

Grupo destinado a discutir a obra de Gilberto Freyre, como também dos demais nomes da historiográfia brasileira e o desenvolvimento da construção da identidade brasileira.

Membros: 116
Última atividade: 28 Set, 2016

Sobre Gilberto Freyre


Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Gilberto Freyre para adicionar comentários!

Comentário de Iziquiel Aparecido de Carvalho em 25 abril 2016 às 14:18

Será que alguém poderia me ajudar indicando alguma bibliografia sobre os escravos no recôncavo baiano?

Comentário de Josiane Rosa dos Santos Macedo em 4 fevereiro 2016 às 8:30

Bom dia pessoal, acredito que suas teorias nos ajudam a compreender um pouco a historiografia brasileira!!!   

Comentário de Cleverson Fleming em 28 janeiro 2014 às 10:59

Sua obra, como ele mesmo dizia, pode ser considerada "um luxo de antagonismos em equilíbrio" tal como a sociedade brasileira. Sua obra foi exaltada e também apunhalada pelos seus diversos críticos. Casa-Grande & Senzala, sua obra magna, é a maior expressão de sua capacidade intelectual e artística. Pela sua produção, Freyre foi chamado de comunista (acreditem!) por seguimentos conservadores pernambucanos - na década de 1930 -, e, logo mais tarde, a partir de meados da década de 1950, de conservador - sobretudo, pela elite intelectual que se conformou a partir da reforma do ensino universitário no Brasil. 

Comentário de Maryna Sousa em 14 março 2013 às 20:09

    Freyre inovou ao utilizar fontes variadas em sua obra" Casa Grande e Senzala" . Ele utilizou fontes consideradas " banais" como diários , brinquedos,, anúncios de jornais,receitas, álbuns de família, tudo para narrar e compreender o dia-a-dia do Brasil. Na questão da Identidade Nacional  sua obra foi crucial, pois ao exaltar a figura do negro e da mistura das raças ele resolveu uma grande parte do conflito existente  na construção da Identidade nacional.

Comentário de Tiago Dalponte em 11 abril 2012 às 11:53

Isso é verdade hehe

Comentário de Bruno Leal em 11 abril 2012 às 10:36

Carlos, o grupo é ótimo. Mas se não tirar esse texto imenso aí de cima, não vamos vingar. abs!

Comentário de Ludmila Pena Fuzzi em 17 outubro 2010 às 11:33
Criei uma página em que trato de assuntos históricos, meu blog é dividido em páginas temáticas: História Social, História da Morte, Histpriografia, Metodologia de Pesquisa (Muito Importante para Universitários e Outros), Artigos e Texto dentre outras coisas... Tem muito material bom, minha contribuição para a história.. EM BREVE irei atualizar minha página referente aos estudos da escravidão, meus Mestrado!

Acessem: http://profludfuzzi.blogspot.com/ Podem fazer pedidos pelo Fale Conosco!
Comentário de EDUARDO DUARTE FREIRE em 8 agosto 2010 às 10:37
somos o colonizador e o traficante de escravos.somos o índio e o colonizador.somos o que escraviza e o escravo.somos o opressor e o oprimido.somos as mulheres e os homens.somos as crianças.(ALICE WALKER)
Existe um ensaio produzido por DARCY RIBEIRO(um gilbertiano por excelência) intitulado : Uma introdução á Casa Grande e Senzala onde discorre sobre os limites e as possibilidades que sua obra desencadeou.O pagé de MONTES CLAROS tecia algumas críticas sobre suas digressões acerca dos povos indígenas.segundo DARCY , FREYRE não realizou muitas idas á campo e provavelmente fora a etnia FULNIÔ e outros povos indígenas da região nordeste não teve maiores dados empíricos para construir algumas generalizações.outra crítica que transparece no referido ensaio. trata-se de que o renomado antropólogo prenambucano, tinha um interesse puramente acadêmico no que tange à sorte das populações afrodescentes em nosso país , nunca tendo dado "qualquer contribuição útil para superação das desigualdades sócioraciais".Concordo em parte com estas assertivas, porém cabe ressaltar que apesar da ênfase nos aspectos pitorescos e folclóricos da cultura negra, sua escrita sempre pontuou os abusos e arbitrariedades inerentes ao sistema escravista.Na sua vida pública , empenhou-se pela descriminalização das religiões afrobrasileiras.
Comentário de elizabeth cristina s. de olivier em 7 agosto 2010 às 19:25
Paraty celebra Gilberto Freyre,que possamos acompanhar os debates online.
Comentário de EDUARDO DUARTE FREIRE em 30 julho 2010 às 8:34
A vida e obra do contraditório e profundo mestre de APICUCOS constitui-se sob a égide do parodoxo. Apesar de suas convicções políticas conservadoras , foi um revolucionário ao reconhecer a contribuição indígena e afrodescendente na formação da sociedade brasileira.Por conta das suas formulações acerca de uma suposta "democracia racial" mediada pelo caráter mestiço da nossa formação societária, FREYRE foi esconjurado pelos estudiosos das relações étnico raciais no BRASIL.Essa posição sectária , acabou por desconsiderar os aspectos da sua produção que ainda são válidos para interpretar o BRASIL contemporâneo.
 

Membros (115)

 
 
 

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }