O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

A Arquitetura religiosa chegou a Sergipe através dos padres jesuítas, no século XVII, espalhando capelas em toda a zona rural. Tais construções eram erguidas sobre um arcabouço de madeira, com esteios, baldrames e frechais enquadrando as paredes de trama barreada conhecidas como taipa de pau a pique ou taipa de sebe e taipa de sopapo. As paredes eram revestidas com duas camadas: emboço, para o nivelamento; reboco, de areia e cal, para o acabamento. A cobertura era de telhas de barro, moldadas nas pernas dos escravos. A primeira construção dos padres jesuítas em Sergipe foi a casa grande da Fazenda Colégio.
A Arquitetura religiosa ganhou uma maior sofisticação no século XVIII. Em 1743 foi inaugurada a Igreja Nossa Senhora da Conceição da Comandaroba, na zona rural do município de Laranjeiras. As paredes de sopapo foram substituídas por novos materiais: pedra calcária ligada por argamassa de barro em calda, cal e tijolos grossos (LOUREIRO, Kátia Afonso Silva. Arquitetura sergipana do açúcar. Aracaju, Unit, 1999. p. 15).

Exibições: 274

Respostas a este tópico

Com certeza houve uma evolução técnologico no modo de fazer as construções jesuítas, antes feitas de taipa, depois de tejolinho de adobe e mais tarde com materias mais "sofisticados". Sobre a Igreja de Comadaroba encontrei alguns documentos quem confirmam a sua origem. A igreja de Comandaroba feita de materias de construções mais mais "sofisticados" foi fundada no inicio do século XVIII como a segunda residência dos jesuítas no município de Laranjeiras. Nela os padres residiram. Em 1940 foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Segundo Fhiladelpho(1981) a igreja é uma “verdadeira obra jesuítica . No pórtico , de pedra calcário , lê-se o monograma A.D..M.G, siglas que significa: Ad Majorem Dei Gloriam. 1734. Encimando o arco da Capella – mor, se lê: Toda pulchra, es Maria”. Do primeiro monograma se deduz, que o templo é obra dos jesuítas e o segundo se conclui, que a Virgem da Conceição é a sua padroeira.

RSS

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }